MotoGP

Masià resiste à pressão nos metros finais, segura Binder e vence pela primeira vez na Moto3 na Argentina

Jaume Masià resistiu à pressão mos metros finais da pista de Termas de Río Hondo e venceu pela primeira vez no Mundial de Moto3. O #5 recebeu a bandeirada com 0s108 de vantagem para Darryn Binder, com Tony Arbolino completando o pódio

Grande Prêmio / JULIANA TESSER, de São Paulo / NATHALIA DE VIVO, de São Paulo
Resultado de imagem para valentino rossi 46 Quase 400 GPs, nove títulos e recordes: os 23 anos de Rossi no Mundial
 
Jaume Masià escolheu um jeito pomposo de estrear no pódio do Mundial de Motovelocidade: direto com uma vitória. Vindo de um tombo no warm-up, o piloto de 18 anos resistiu à intensa pressão da concorrência nos metros finais do GP da Argentina deste domingo (31) e recebeu a bandeirada com 0s108 de vantagem para Darryn Binder. Tony Arbolino completa o pódio.
 
Conforme manda a tradição da Moto3, o pelotão seguiu unido em boa parte das 21 voltas da disputa em Termas de Río Hondo. Com cinco voltas para o fim, o primeiro grupo ainda tinha 15 pilotos agrupados, com Arbolino, Binder e Rodrigo como os mais envolvidos na briga pela ponta.
Jaume Masià venceu pela primeira vez na Moto3 (Foto: Divulgação/MotoGP)
🏍️ Confira a classificação do Mundial de Moto3 após o GP da Argentina

Lorenzo Dalla Porta, então, apareceu mais efetivamente entre os ponteiros e passou a desafiar pela vitória de forma mais firme, ainda que sem conseguir se afastar do pelotão. 
 
Na abertura da última volta, Binder estava de volta à liderança, 0s1 à frente de Dalla Porta. Arbolino, Rodrigo e Masià eram, por exemplo, alguns dos muitos na cola do sul-africano. Ainda nos primeiros metros do traçado, Lorenzo recobrou a liderança, com Rodrigo também passando o #40.
 
Pouco à frente, Gabriel saltou para a liderança, mas logo foi superado por Masià. O #5 conseguiu controlar a ponta para receber a bandeirada com 0s108 de vantagem para Binder.

0s386 atrás do vencedor, Niccolò Antonelli conseguiu o quarto posto, à frente de Ayumu Sasaki. Rodrigo chegou a sonhar com uma vitória em casa, mas acabou apenas em sexto, seguido por Dalla Porta, que foi tocado nos metros finais e teve de escapar da linha rápida.
 
Dennis Foggia assegurou o oitavo posto neste domingo, seguido por Marcos Ramírez. Vencedor do Catar, Kaito Toba completa a lista dos dez melhores colocados.

Depois de perder a primeira corrida do ano por não ter a idade mínima exigida, Sergio Garcia voltou a desfalcar a Estrella Galicia 0,0 neste domingo, mas, desta vez, por ter sofrido uma concussão no warm-up desta manhã.

Com o resultado desta segunda etapa, Toba chegou aos 31 pontos e segue na liderança do Mundial, agora com apenas dois de vantagem para Dalla Porta. Masià assumiu a terceira posição, seguido por Antonelli e Binder.

Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #12: Quem sobrevive a 'Drive to Survive'?



Resultado de imagem para icon itunes Ouça pelo iTunes 
Resultado de imagem para icon spotify Ouça pelo Spotify


Saiba como foi o GP da Argentina de Moto3:
 
Depois de dois dias bastante nublados, a chuva apareceu em Termas de Río Hondo na noite passada e mudou sensivelmente as condições de pista. Com o tempo encoberto, a Moto3 deu início à segunda etapa da temporada 2019 com os termômetros marcando 25°C e o asfalto chegando a 28°C.
 
Pela primeira vez na carreira, Jaume Masià tinha a pole-position, também a primeira de um piloto espanhol no traçado de Santiago del Estero. O #5, no entanto, vai ter de brilhar um histórico negativo, já que, desde a introdução de Termas de Río Hondo no calendário do Mundial, em 2014, nenhum piloto venceu na Moto3 partindo da posição de honra.
 
Pole no Catar, Arón Canet ficou com o segundo posto no grid, à frente de Tony Arbolino, que foi quem anotou a pole na Argentina na corrida do ano passado. Lorenzo Dalla Porta abre a segunda fila, seguido por Niccolò Antonelli e Andrea Migno. Líder do Mundial após a vitória em Losail, Kaito Toba tem o oitavo posto.
 
Neste fim de semana, a Dunlop manteve a alocação de pneus do Catar e, assim, os pilotos contam com pneus macios e médios.
 
Largada foi autorizada, com Masià não conseguiu manter conter o belo ataque de Canet, que deu o bote certeiro para assumir a primeira colocação do pelotão. Enquanto isso, Antonelli também fez boa saída para se colocar no segundo posto.
 
Pole-position, Jaume falhou em se manter nas posições da ponta, caindo para a terceira colocação. No final da primeira volta, Dalla Porta e Fernández encerravam o top-5 do início da corrida.
 
Então, no final da reta oposta, Nicolò fez uma linda ultrapassagem em cima de Arón. Entretanto, o #44 não estava satisfeito em perder a liderança, protagonizando uma bela briga com o ponteiro.
 
A primeira queda registrada na prova foi de Filip Salac. O piloto #12 acabou batendo na traseira de Yurchenko e, sem conseguir controlar a moto, foi ao chão. Mas logo conseguiu se recuperar.

Com 18 voltas para a bandeira quadriculada, Canet aparecia em primeiro, com Antonelli em segundo, Sasaki, Masià, Rodrigo, Arbolino, Ogura, McPhee, Dalla Porta e Migno completando o top-10 do momento.
 
Apesar da briga pela ponta ser bela, a briga pelas posições mais atrás também estava emocionante. Tentando escalar o pelotão, Rodrigo conseguiu se espremer para pular para quarto. Enquanto isso, Masià reassumia a ponta, com Canet e Sasaki completando o pódio.
Mas as coisas seguiam movimentadas na Argentina. Mais uma vez, Arón estava disposto a vencer a corrida, dando o ataque no momento certo em cima de Jaume e pulando para a primeira colocação.
 
Mais uma vez tudo mudou em Termas de Río hondo. Quem surgia na primeira colocação era Rodrigo, com Canet, McPhee, Arbolino e Sasaki logo depois. Mais para trás, Can Öncü tinha um golpe de má sorte e ia ao chão.
 
A ação não parava no circuito argentino. Com 14 giros para o encerramento da prova, Suzuki era quem surgia como o vencedor momentâneo da prova, seguido por Arbolino e Rodrigo completando o pódio.

A prova seguia totalmente em aberto. Com uma vantagem de pouco mais de 0s1, McPhee estava na primeira colocação. Tony era o segundo, com Brad Binder surgindo no terceiro posto. Rodrigo e Canet fechavam o top-5.
 
O pelotão da ponta estava rodando todo muito próximo, com as posições mudando constantemente durante a prova. Em uma linda escalada, Gabriel surgia novamente como o líder, mas sem conseguir segurar Binder, acabou caindo para segundo. Suzuki completava o pódio.
 
A corrida estava se aproximando para as voltas finais, e o pelotão da ponta seguia embaralhado e protagonizando belas ultrapassagens. Mas então, um acidente envolvendo Toba, López e McPhee foi protagonizado, com os dos últimos indo ao chão.
 
Na ponta, Arbolino aparecima como o primeiro colocado, com Canet e Darryn Binder vindo em seguida. Foggia surgia no bolo para ficar em quarto, com Rodrigo aparecendo em quinto.
 
Em um salto impressionante, Dennis pulou para a primeira colocação da prova, sustentando a liderança com oito voltas para o fim. Darryn e Arbolino estavam completando o top-3.
 
Mas com um pelotão da ponta com mais de nove pilotos na disputa pela vitória, era impossível cravar qualquer coisa a essa altura da corrida. Não durou muito a liderança do #7 que, inclusive, caiu para 12º. Quem vinha em primeiro era Canet.

Arbolino, Binder, Rodrigo, Sasaki, Masià, Canet, Foggia, Dalla Porta, Ramírez e Fernández eram os dez primeiros pilotos do pelotão.
 
Ainda sobravam quatro voltas para o encerramento da prova, então sobrava muita ação para acontecer. Dalla Porta escalou o pelotão para se colocar no primeiro posto, com Arbolino e Darryn como os três primeiros.
 
Surgiu então a informação de que o incidente envolvendo McPhee e López estava sob investigação. Como resultado do incidente, Vicente foi levado ao centro médico para maiores exames.

Foi aberta então a última prova da prova argentina. Tudo seguia disputado e em aberto na pista de Termas de Río Hondo. Quem vinha puxando o pelotão era o sul-africano Binder, com Dalla porta e Arbolino logo depois.

Nos metros finais, então, em um lance incrivelmente ousado, Masià deu o bote para assumir a primeira colocação e assim vencer a corrida na Argentina. Quem ficou em segundo foi Binder, com Arbolino completando o pódio da prova.
 
Antonelli, Sasaki, Rodrigo, Dalla Porta, Foggia, Ramírez e Toba completaram o top-10 da corrida. Em dia bastante apagado, Romano Fenati cruzou a linha de chegada apenas em 16º.
 
Essa não foi só o primeiro pódio como também a primeira vitória de Jaume de sua carreira na Moto3.

Moto3 2019, GP da Argentina, Termas de Río Hondo, Final:

 
1 J MASIÀ Worldwide KTM 38:54.562 21 voltas
2 D BINDER CIP KTM +0.108  
3 T ARBOLINO Snipers Honda +0.295  
4 N ANTONELLI SIC58 Honda +0.386  
5 A SASAKI SIC HONDA +0.519  
6 G RODRIGO RBA KTM +0.550  
7 L DALLA PORTA Leopard Honda +0.588  
8 D FOGGIA VR46 KTM +0.671  
9 M RAMÍREZ Leopard Honda +0.792  
10 K TOBA Asia Honda +1.280  
11 A MIGNO Worldwide KTM +1.629  
12 A CANET MAX KTM +1.775  
13 T SUZUKI SIC58 Honda +1.836  
14 C VIETTI VR46 KTM +1.978  
15 R FERNANDEZ Ángel Nieto KTM +2.092  
16 R FENATI Snipers Honda +2.273  
17 A OGURA Asia Honda +2.350  
18 T BOOTH-AMOS CIP KTM +9.798  
19 A VIU Ángel Nieto KTM +9.904  
20 M YURCHENKO RBA KTM +10.136  
21 J MCPHEE SIC HONDA +26.464  
22 R ROSSI Gresini Honda +27.044  
23 K MASAKI RBA KTM +39.985  
24 J KORNFEIL Prüstel KTM +40.177  
25 F SALAC Prüstel KTM +58.474  
26 C ÖNCÜ Red Bull KTM Ajo +1 volta  
  V PEREZ Avintia KTM NC  
  A LÓPEZ Estrella Galicia 0,0 Honda NC  
         
VMR G RODRIGO RBA KTM 1:49.433 158.1 km/h
REC M OLIVEIRA Red Bull KTM Ajo 1:48.977 158.7 km/h
MV M OLIVEIRA Red Bull KTM Ajo 1:48.461 159.5 km/h
         
  Condições do tempo PISTA SECA   ar: 25ºC | pista: 32ºC