Mesmo feliz com GP da Argentina, Rossi pede evolução até se aproximar de Márquez: “Quero ver a moto dele”

Valentino Rossi chegou no segundo lugar do GP da Argentina e está satisfeito em como está pilotando até agora na temporada. Mas quer um pouco mais: conseguir enxergar Marc Márquez, por exemplo. Foi algo que não conseguiu em Termas de Río Hondo, onde terminou 9s8 atrás

Aos 40 anos de idade, Valentino abre a temporada 23 dele na MotoGP com alto nível de pilotagem. O piloto italiano conquistou o segundo lugar do GP da Argentina com uma ultrpassagem para cima de Andrea Dovizioso na parte final. O resultado, em geral, deixa Rossi feliz, mas seria melhor se ao menos conseguisse ver Marc Márquez à frente.
 
Com noção perfeita da atual situação da Yamaha, Rossi lamentou apenas que não conseguia sequer enxergar Márquez no fim da prova. Mesmo que tenha, sem dúvidas, tido uma exibição irrepreensível. O próprio Rossi havia dito que pilotou "como quando era jovem"
Valentino Rossi (Foto: Yamaha)

"Estou feliz em ser terceiro colocado no campeonato, atrás de Márquez e Dovi, que são os favoritos, mas acho que devemos levar as coisas corrida a corrida. Há um bom grupo na Yamaha que está trabalhando duro, mas o desafio é bem difícil. Eles dois [Márquez e Dovizioso] com certeza segue sendo os favoritos, então devemos tentar trabalhar para sermos competitivos e lutar", falou.

 
"Talvez ficar mais perto de Márquez, porque terminar 10s atrás é muita coisa. Eu preferiria estar apenas 3s atrás e vendo a moto dele algumas vezes", disse.
 
Rossi é o terceiro colocado do campeonato, com 21 pontos, e está atrás apenas de Márquez e Dovizioso, ainda que Honda e Ducati tenham motos visivelmente superiores no momento. Maverick Viñales tem apenas nove tentos e ocupa o 11º lugar do campeonato. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar