Mir escala pelotão, controla ataques da concorrência na Argentina e vence a segunda seguida na temporada da Moto3

Em uma boa corrida de recuperação, Joan Mir escalou o pelotão em Termas de Río Hondo e controlou a aproximação dos rivais para faturar sua segunda vitória na temporada 2017 da Moto3. John McPhee bateu Jorge Martín pelo segundo posto

Dominante ao longo de todo o fim de semana, Joan Mir conseguiu passar um pano no erro que o jogou para o meio do grid. 16º na grelha de partida deste domingo (9), o espanhol da Kiefer escalou o pelotão e soube controlar a pressão dos adversários para se afastar no fim e vencer a segunda consecutiva na temporada 2017 da Moto3.
 
Líder ao longo de todos os treinos livres, Mir cometeu um erro nos instantes finais do treino classificatório e acabou em 16º. Dono de um bom ritmo, o #36 encarou a corrida com calma e tratou de escalar o pelotão sem demora. Uma vez na ponta, se empenhou em conter e/ou reagir aos ataques da concorrência, abrindo uma ligeira margem nos giros finais para receber a bandeirada com 0s261 de margem para John McPhee.
Joan Mir liderou o replay do pódio de Losail (Foto: Kiefer)

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

A classificação do Mundial de Motovelocidade após o GP da Argentina

Jorge Martín brigou pelo segundo posto até o fim, mas acabou em terceiro, repetindo exatamente o mesmo pódio do GP do Catar, prova que abriu a temporada.

 
Phillip Oettl recebeu a bandeirada na quarta colocação, à frente de Andrea Migno. Livio Loi venceu uma disputa cm Romano Fenati e garantiu o sexto posto.
 
Tatsuki Suzuki ficou com o oitavo lugar, seguido por Juanfran Guevara. O estreante Kaito Toba completa o rol dos dez primeiros.
 
Saiba como foi o GP da Argentina de Moto3:
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Depois de um sábado tumultuado, a previsão do tempo prometia uma trégua da chuva em Termas de Río Hondo. De acordo com os meteorologistas, o domingo teria céu nublado, mas sem chance de chuva, com a temperatura variando entre 13 e 23°C.
 
Quando os pilotos da Moto3 alinharam no grid para a segunda corrida da temporada 2017, os termômetros apontavam 20°C, com o asfalto alcançando a marca de 24°C. A velocidade do vento era de 5 km/h.
 
Pela terceira vez na carreira, a pole era de John McPhee, que tinha a companhia de Nicolò Bulega e Jorge Martín na primeira fila. Líder do Mundial após o triunfo no Catar, Joan Mir dominou os treinos na Argentina, mas errou no momento decisivo da classificação e vai largar em 16º.
 
Para este fim de semana, a Dunlop, fornecedora única da categoria de entrada do Mundial de Motovelocidade, levou os pneus dianteiros macios e médios ‘M’ e os traseiros médios ‘M1’ e duro ‘H3’. O top-6 colocou pneus médios na dianteira, mas se dividiu entre os médios e duros na traseira. Na Moto3, não é tão comum essa escolha misturada.
 
No momento da largada, Martin saiu bem e pegou a ponta, à frente de McPhee, Di Giannantonio, Canet, Guevara e Bulega.
 
Pouco depois, Di Giannantonio partiu para cima de McPhee e formou uma dobradinha da Gresini, mas o britânico deu o troco rapidamente. Canet seguia em quarto, escoltado por Guevara, Bulega, Oettl, Rodrigo e Mir. Fenati teve uma saída ruim e caiu para 14º.
John McPhee ficou com o segundo posto (Foto: British Talent Team)
No fim do segundo giro, McPhee conseguiu passar Martín e assumiu a ponta, com Di Giannantonio deixando o companheiro de equipe para trás pouco depois. Jorge teve uma escorregada na sequência e permitiu a passagem de Canet.
 
Ainda no início da corrida, Antonelli caiu, mas não se lesionou. O italiano não conseguiu voltar e o replay mostrou que o tombo foi resultado de um toque de Romano Fenati.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Na reta, Canet usou o vácuo e foi para a liderança, mas logo levou o bote de Martín, que retomou a liderança. McPhee era terceiro, à frente de Di Giannantonio, Bulega, Oettl, Migno, Rodrigo, Bastianini e Guevara. Mir vinha em 13º.
 
Na quarta volta, Martín e Canet conseguiram desgarrar um pouco, abrindo 0s313 de margem para Bulega, que ocupava o terceiro posto. Uma margem mínima para os padrões da Moto3.
 
Antonelli foi ao chão mais uma vez e acabou abandonando a corrida. O tombo do piloto da Red Bull KTM Ajo aconteceu por conta de um toque de Femati.
 
Enquanto isso, McPhee reagiu, passou Bulega e voltou à briga, se instalando em segundo, logo atrás de Martín. Di Giannantonio avançou ao terceiro posto, à frente de Arón, Guevara e Nicolò.
 
Oettl apareceu para sequência para liderar a caçada a Martín. Canet ocupava a terceira colocação, seguido por Bulega, McPhee e Di Giannantonio.
 
Na sexta volta, Canet saltou para a ponta, 0s135 à frente de McPhee. Oettl era o terceiro, à frente de Martín e Mir, que vinha em uma prova de recuperação.
 
Oettl não tardou em atacar e assumiu o comando da corrida, com Mir subindo para segundo, à frente de Canet e McPhee.
 
No sétimo giro, Mir, que largou em 16º, assumiu a liderança pela primeira vez, aproveitando o vácuo na reta oposta. McPhee deu uma escapada ao ser atrapalhado por Di Giannantonio passando por dentro e caiu para a quinta colocação.
 
Pouco depois, a direção de prova anunciou que estava investigando o incidente entre Fenati e Antonelli. Nesse momento, o #5 ocupava a quinta colocação.
Jorge Martín completou o replay do pódio do Catar (Foto: Aspar)
Alheio aos problemas do #23, McPhee partiu para o ataque e roubou a ponta de Mir, deixando o espanhol para se defender de Oettl. Sem demora, Joan reagiu e voltou para a liderança. Martín era agora o quarto, seguido por Canet, Di Giannantonio e Darryn Binder.
 
Oettl passou McPhee e tentou liderar o ataque a Mir, mas viu Martín passar para ocupar a segunda colocação. John não ficou quieto e recuperou a segunda colocação, já com 0s4 de atraso para o líder.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Com dez voltas para o fim, a vantagem de Mir no topo da tabela tinha caído para 0s075. McPhee era o segundo, à frente de Martón, Oettl, Migno, Binder, Di Giannantonio, Binder e Canet. Neste ponto, os cinco primeiros começavam a se afastar, formando um pelotão.
 
Pouco depois, Gabriel Rodrigo caiu na curva dois e abandonou sua corrida de casa. O piloto da RBA ficou desolado na brita.
 
Impaciente, Di Giannantonio foi ao chão na curva cinco depois de um ligeiro toque com Buelga, com Bastianini caindo pouco depois, na mesma curva 5. O piloto da Estrella Galicia 0,0 conseguiu voltar para a prova.
 
Enquanto isso, Mir ia firme e forte na ponta. Apesar de ter uma vantagem mínima, o espanhol não era pressionado por Martín, que vinha em segundo. McPhee era o terceiro, com Oettl e Migno fechando o pelotão.
 
Com oito giros para o fim, Lorenzo Dalla Porta recolheu para os boxes com algum problema na moto.
 
Na volta seguinte, Mir escapou da linha e caiu para a quarta colocação, com McPhee assumindo a liderança à frente de Martín e Oettl.
 
Mir reagiu rápido e voltou ao segundo posto, pressionando McPhee pelo comando da corrida.
 
A direção de prova, aliás, também anunciou uma investigação pelo incidente com Bulega e Di Giannantonio.
 
Com seus giros para o fim, Mir aproveitou o vácuo e recuperou a liderança, com Oettl em segundo e Martín, depois de uma bela manobra por dentro em Mgno, em terceiro.
 
Mais atrás, Fenati já tinha o sexto posto, mas mais de 3s4 atrás do primeiro pelotão. O italiano não sofreu nenhuma sanção pelo incidente da curva 7.
 
Líder, Mir abriu 0s266 de margem para McPhee, mas o titular do British Talent Team reduziu a diferença na sequência. Oettl vinha em terceiro.
 
Na sequência, Mir chegou a abrir 0s4 de margem, mas viu Oettl encostar mais uma vez. Atrás, Martín e Migno se enroscaram, mas seguiram na prova sem maiores problemas.
 
Na curva cinco, Martín usou o vácuo de maneira inteligente para superar McPhee e Oettl e se instalar em segundo, 0s344 atrás de Mir, que entrou na última volta na liderança.
 
McPhee reagiu, passou Martín na curva cinco e pegou o segundo posto, tentando reduzir a vantagem de Mir nos metros finais de Termas de Río Hondo. Joan, porém, se afastou ainda mais para receber a bandeirada na frente.

Após o fim da prova um comunicado oficial do Mundial de Motovelocidade informava a punição de Nicolò Bulega. O motivo foi por ter causado a queda de um adversário. Com isso, o piloto recebeu um acréscimo de 2s ao seu tempo final, passando então de 13º para 16º.

 

#GALERIA(6983)

Moto3, GP da Argentina, Termas de Río Hondo, Corrida:

1 36 JOAN MIR ESP KIEFER Honda 38:33.377  
2 17 JOHN MCPHEE ING BRITISH TALENT TEAM Honda +0.261  
3 88 JORGE MARTÍN ESP GRESINI Honda +0.339  
4 65 PHILIPP OETTL ALE SCHEDL GP KTM +0.641  
5 16 ANDREA MIGNO ITA VR46 KTM +0.890  
6 11 LIVIO LOI BEL KIEFER Honda +7.598  
7 5 ROMANO FENATI ITA ONGETTA Honda +7.761  
8 24 TATSUKI SUZUKI JAP SIC58 Honda +7.831  
9 58 JUANFRAN GUEVARA ESP RBA Mahindra +12.000  
10 27 KAITO TOBA JAP TEAM ASIA Honda +12.079  
11 44 ARÓN CANET ESP ESTRELLA GALICIA 0,0 Honda +12.278  
12 40 DARRYN BINDER RSA WORLDWIDE KTM +12.294  
13 42 MARCOS RAMÍREZ ESP WORLDWIDE KTM +12.480  
14 14 TONY ARBOLINO ITA SIC58 Honda +12.620  
15 6 MARÍA HERRERA ESP ARGIÑANO & GINÉS KTM +13.083  
16 8 NICOLÒ BULEGA ITA VR46 KTM +14.393 + 2s
17 7 ADAM NORRODIN MAL SIC Racing Team Honda +18.861  
18 84 JAKUB KORNFEIL TCH SAXOPRINT Peugeot +20.573  
19 12 MARCO BEZZECCHI ITA CIP Mahindra +26.774  
20 71 AYUMU SASAKI JAP SIC Racing Team KTM +26.905  
21 96 MANUEL PAGLIANI FRA CIP Mahindra +27.400  
22 95 JULES DANILO FRA ONGETTA Honda +27.534  
23 64 BO BENDSNEYDER HOL RED BULL KTM AJO +27.612  
24 41 NAKARIN ATIRATPHUVAPAT TAI TEAM ASIA Honda +35.218  
25 75 ALBERT ARENAS ESP ASPAR Honda +50.124  
26 4 PATRIK PULKKINEN FIN SAXOPRINT Peugeot +1:18.379  
27 33 ENEA BASTIANINI ITA ESTRELLA GALICIA 0,0 Honda +1:20.064  
28 21 FABIO DI GIANNANTONIO ITA GRESINI Honda NC  
29 48 LORENZO DALLA PORTA ITA ASPAR Mahindra NC  
30 19 GABRIEL RODRIGO ARG RBA KTM NC  
31 23 NICCOLÒ ANTONELLI ITA RED BULL KTM AJO NC  
             
POLE JOHN MCPHEE ING BRITISH TALENT TEAM Honda 1:49.094 158.5 km/h
VOLTA MAIS RÁPIDA ROMANO FENATI ITA ONGETTA Honda 1:49.415 158.1 km/h
RECORDE MIGUEL OLIVEIRA POR KTM 1:48.977 158.7 km/h
MELHOR VOLTA MIGUEL OLIVEIRA POR KTM 1:48.461 159.5 km/h
             
    Condições do tempo   PISTA SECA   ar: 21ºC | pista: 24ºC

PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube