Morbidelli bate Oliveira na largada, suporta pressão de Márquez em Termas de Río Hondo e vence 2ª seguida na Moto2

Franco Morbidelli exibiu uma atuação irretocável e fez história como primeiro italiano a vencer duas corridas seguidas na Moto2. Álex Márquez também apresentou uma performance sólida e pressionou o companheiro de Marc VDS ao máximo, mas caiu na volta final, entregando o segundo lugar para Miguel Oliveira. Tom Lüthi fecha o pódio na Argentina

Franco Morbidelli não demorou muito para voltar a sentir o gosto da vitória. Depois de alcançar seu primeiro triunfo no Catar na abertura da temporada, o italiano se serviu de mais uma dose de cava espanhola neste domingo (9) e entrou para a história como o primeiro italiano a vencer duas corridas consecutivas na Moto2.
 
Largando na segunda colocação em Termas de Río Hondo, Morbidelli assumiu a ponta na segunda curva do traçado argentino depois de dar um ‘chega para lá’ no pole-position Miguel Oliveira. Uma vez na ponta, o #21 tratou de apertar o passo e se afastar de Álex Márquez, que brigou para alcançar o ponteiro durante toda a corrida.
Após vitória, ítalo-brasileiro Morbidelli exibiu bandeira dividida (Foto: Reprodução)

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

A classificação do Mundial de Motovelocidade após o GP da Argentina

Nas voltas finais, Márquez colou de vez no italiano e até chegou a passar, mas levou o troco praticamente imediatamente. O #73 manteve a pressão, mas caiu forte na última volta.

 
Derrubado ao quarto posto ainda nos metros iniciais da corrida, Oliveira subiu para terceiro ainda no início da corrida, mas acabou se afastando demais dos ponteiros. Na segunda metade da prova em Santiago del Estero, Miguel apertou o passo e começou a reduzir a margem do irmão de Marc, mas só conseguiu o segundo lugar com a queda do #73. Tom Lüthi herdou o último degrau do pódio. 

Lorenzo Baldassarri recebeu a bandeirada na quarta colocação, à frente de Xavi Vierge. Simone Corsi aparece na sequência, acompanhado por Francesco Bagnaia e Sandro Cortese.
 
Estreando na Moto2, Brad Binder ficou com a nona colocação, com Hafizh Syarin aparecendo para completar o rol dos dez primeiros.
 
Após o tombo, Márquez voltou para a pista, mas recebeu a bandeirada apenas na 21ª colocação.
 
Saiba como foi o GP da Argentina de Moto2:
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Depois de terem tido de encarar um treino classificatório atrapalhado pela chuva, os pilotos da Moto2 ganharam uma folga climática. Pelo menos é o que dizem os meteorologistas.
 
Com o céu nublado, as temperaturas ficaram mais baixas, com os termômetros apontando 20°C no ambiente, enquanto a pista alcançava os 25°C. A velocidade do vento estava em 11°C.
 
Pela primeira vez na MotoGP, Miguel Oliveira tinha a pole-position, o que lhe rende o selo de primeiro português a ocupar a posição de honra no grid de largada da classe intermediária. Primeira pole da estreante KTM, o resultado do #44 também representa a primeira não-Kalex a largar na frente desde que Sam Lowes largou na ponta com a Speed Up em Silverstone em 2015.
 
Líder da Moto2 depois do triunfo no Catar, Franco Morbidelli tinha o segundo posto, o que significa sua oitava primeira fila na Moto2. Completando a festa da Marc VDS, Álex Márquez completa a primeira fila.
 
Para este fim de semana, a Dunlop, fornecedora única da classe do meio, levou o pneu dianteiro médio ‘2’ e o traseiro médio ‘3’, o que não dava muita escolha aos pilotos.
 
Quando as luzes se apagaram na reta argentina, Oliveira tracionou bem, mas Morbidelli foi por dentro para pegar a ponta ainda na curva um. Miguel tentou reagir na curva dois, mas o italiano o afastou da linha, mandando o piloto da KTM para a quarta colocação.
 
Márquez, então pulou para a segunda colocação, à frente de Lüthi. Pasini pegou Oliveira e saltou para a quarta colocação. Pouco depois, o experiente italiano tomou o terceiro posto de Lüthi, levando Miguel junto.
 
Ainda na primeira volta, Nakagami caiu e levou Gardner junto. Pouco depois Axel Pons e Quartararo foram ao chão na curva 2, com o filho de Sito ficando no chão com dores.
 
Instantes mais tarde, foi Pasini quem aumentou a lista de tombados. O italiano ficou furioso, mas não havia o que fazer a não ser retornar à pista.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Enquanto isso, Morbidelli e Márquez se afastaram na ponta, abrindo 1s250 de margem para Oliveira, que tinha retomado o terceiro posto. Lüthi vinha pressionando em quarto, à frente de Baldassarri, Vierge e Cortese.
 
Imprimindo um ritmo forte, Morbidelli abriu 0s5 de margem para o companheiro de Marc VDS, tentando consolidar sua liderança.
 
Na terceira volta, Xavier Siméon sofreu uma feia queda na curva dez, um ponto rápido da pista, e deixou o traçado com a mão na cabeça, mostrando que sentia dores.
 
Na passagem seguinte, a vantagem de Morbidelli era ainda maior, apesar de Márquez estar se esforçando bastante para acompanhar o ritmo do italiano.
 
Mais atrás, Cortese se defendia de Vierge na briga pelo sexto posto. Oitavo, Syahrin já tinha 0s7 de atraso para essa briga.
 
Passadas as sete primeiras voltas, a vantagem de Morbidelli já era de 0s724, enquanto Márquez tinha 2s087 de respiro em relação a Oliveira, que já estava bem afastado de Lüthi. Baldassarri vinha tentando encostar no suíço e também tinha uma boa folga em relação a Cortese, que estava em um mini-pelotão com Vierge e Syahrin.
 
Márquez, porém, não se deu por vencido e apertou o passo, cravando a melhor volta da corrida até então — 1min43s516. Morbidelli não se fez de rogado e ampliou a margem um pouco mais.
 
Álex seguiu empenhado em pressionar e, com 13 voltas para o fim, tinha derrubado a folga de Morbidelli para 0s6. O italiano, porém, logo conseguiu ampliar a margem de novo.
Miguel Oliveira herdou o segundo posto em Termas de Río Hondo (Foto: Gold & Goose/KTM)
Com os pilotos do top-6 afastados uns dos outros, a corrida ia oferecendo pouca ação, com a atenção voltada para um segundo grupo, onde Vierge seguia pressionando Cortese pela sexta posição e Syharin ia tentando chegar, levando junto Corsi, Bagnaia e Marini.
 
Na sequência, foi Oliveira quem começou a apertar o passo. O português tomou de Márquez o registro de melhor volta — 1min43s414 — e reduziu para 1s1 a folga do irmão de Márquez.
 
Confiante, o #73 seguiu pressionando e chegou a derrubar a margem de Morbidelli para 0s555, mas Franco parecia ter condições de controlar o ritmo. Enquanto isso, Oliveira não ia conseguindo chegar.
 
Na oitava volta, Danny Kent caiu e abandonou a disputa.
 
Com sete giros para o fim, os três ponteiros estavam mais próximos. Morbidelli exibiu 0s6 de margem para Márquez, que, por sua vez, tinha 0s6 de folga para Miguel.
 
Mais atrás, Vierge foi batido por Corsi, que subiu para a sétima colocação. Syahrin também tomou a posição do piloto da Tech3, que caiu para nono, à frente de Bagnaia e Marini.
 
Com cinco voltas para o fim, Márquez tinha reduzido a vantagem de Morbidelli para 0s388 e seguia sonhando com sua primeira vitória na Moto2. O espanhol evoluiu consideravelmente em relação ao ano passado.
 
Na freada da curva cinco, Márquez abriu um pouco, permitindo uma ligeira escapa de Franco. Nada muito preocupante para o #73, especialmente agora que ele tinha 1s5 de diferença para Oliveira.
 
Na volta seguinte, Álex colou de vez em Morbidelli, mas o italiano ainda tinha força de reação, se afastando discretamente mais uma vez.
 
Com três voltas para o fim, o caçula dos irmãos de Cervera baixou a vantagem de Morbidelli da casa de 0s1, mas não conseguiu passar. Mais adiante, os dois ficaram coladinhos, com Álex aproveitando a reta oposta para passar Franco. Na sequência, os dois saíram da linha, com o italiano aproveitando para recuperar a liderança. Vendo a briga da primeira fila, Oliveira ia tentando chegar.
 
Márquez não se entregou e seguiu pressionando, mas Morbidelli foi tirando o máximo de sua Kalex para abrir vantagem mais uma vez.
 
Mais atrás, o pelotão seguia pegado, com Baldassarri subindo para quinto, à frente de Bagnaia, Vierge, Corsi, Cortese, Binder, Syahrin e Marini.
 

#GALERIA(6983)

Moto2, GP da Argentina, Termas de Río Hondo, Corrida:

1 21 FRANCO MORBIDELLI ITA MARC VDS Kalex 39:50.036
2 44 MIGUEL OLIVEIRA POR RED BULL KTM AJO +1.683
3 12 THOMAS LÜTHI SUI INTERWETTEN Kalex +10.551
4 7 LORENZO BALDASSARRI ITA FORWARD Kalex +15.577
5 9 JORGE NAVARRO ING GRESINI Kalex +24.527
6 24 SIMONE CORSI ITA SPEED UP +24.783
7 42 FRANCESCO BAGNAIA ITA VR46 Kalex +24.965
8 11 SANDRO CORTESE ALE INTACT Suter +25.156
9 41 BRAD BINDER RSA RED BULL KTM AJO +25.622
10 55 HAFIZH SYAHRIN MAS RACELINE Kalex +25.933
11 23 MARCEL SCHROTTER ALE INTACT Suter +26.139
12 10 LUCA MARINI ITA FORWARD Kalex +26.456
13 2 JESKO RAFFIN SUI INTERWETTEN Kalex +26.697
14 77 DOMINIQUE AEGERTER SUI KIEFER Suter +27.461
15 97 XAVIER VIERGE ESP TECH3 Mistral 610 +27.628
16 57 EDGAR PONS ESP PONS Kalex +36.690
17 32 ISAAC VIÑALES ESP SAG Kalex +39.132
18 60 JULIÁN SIMÓN ESP INTERWETTEN Kalex +39.297
19 45 TETSUTA NAGASHIMA ITA SAG Kalex +39.444
20 54 MATTIA PASINI ITA ITALTRANS Kalex +43.908
21 73 ÁLEX MÁRQUEZ ESP MARC VDS Kalex +44.165
22 68 YONNY HERNÁNDEZ COL ARGIÑANO & GINÉS Kalex +45.719
23 62 STEFANO MANZI ITA VR46 Kalex +52.618
24 89 KHAIRUL IDHAM PAWI ESP TEAM TADY Kalex +59.071
25 47 AXEL BASSANI ITA SPEED UP +1:02.113
26 52 DANNY KENT ING KIEFER Suter NC
27 5 ANDREA LOCATELLI ITA ITALTRANS Kalex NC
28 19 XAVIER SIMÉON BEL TASCA Kalex NC
29 49 AXEL PONS ESP RW Kalex NC
30 40 FABIO QUARTARARO FRA PONS Kalex NC
31 30 TAKAAKI NAKAGAMI JAP TEAM TADY Kalex NC
32 87 REMY GARDNER AUS TECH3 Mistral 610 NC

PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube