Mulheres promovem ‘Revolução Feminina’ no motociclismo e rejeitam Mundial só de pilotas

Primeira mulher a pontuar na classe intermediária do Mundial de Motovelocidade, Katja Poensgen sugeriu a criação de um Mundial Feminino. Pilotas que buscam espaço nas categorias dominadas por homens, no entanto, rejeitam a ideia e preferem competir com os melhores do mundo

Entrevista completa com Emerson Fittipaldi: leia na Revista WARM UP 29

A luta pela igualdade de direitos entre homens e mulheres não é um fato recente na história da humanidade. Os primeiros sinais do movimento feminista surgiram ainda no século XIX, quando, inspiradas pelos ideais da Revolução Francesa – Liberdade, Igualdade e Fraternidade – as mulheres começaram a lutar por seus direitos políticos e sociais.

Assim como aconteceu na sociedade, a entrada das mulheres no mundo dos esportes também precisou de luta. No motociclismo, as coisas não são diferentes. Oficialmente, não existe uma barreira que impeça a participação de pilotas, mas as competidoras convivem com dúvidas sobre sua capacidade e, mais recentemente, com a ideia da criação de um Mundial Feminino.

Herrera conta com o apoio de Álvaro Bautista, piloto da Gresini na MotoGP (Foto: Repsol)


Katja Poensgen, a primeira mulher a pontuar no Mundial de Motovelocidade, propôs, durante um encontro promovido pela FIM (Federação Internacional de Motociclismo), a criação de Mundial exclusivo para mulheres. No entender da pilota, a fórmula permitiria que as mulheres realizassem o sonho de serem campeãs.

Elena Myers, que entrou para a história do motociclismo norte-americano como a primeira mulher a vencer na categoria local de Superbike, rejeita a ideia e diz preferir não ter o título de Campeã Mundial do que competir em uma categoria só de mulheres. “Eu, pessoalmente, preferiria nunca ser campeã mundial e dar tudo de mim, do que correr apenas com mulheres e ser campeã mundial”, defendeu. “Sim, as mulheres poderiam ser campeãs mundiais se tivessem uma categoria para elas, claro, mas não seriam as melhores do mundo”, alegou.

María Herrera, jovem pilota do Campeonato Espanhol de Velocidade que conta com o apoio da gigante Repsol, concorda e afirma que um campeonato único seria uma forma de discriminação. “Criar um campeonato só para mulheres seria diferenciar as mulheres dos homens”, opinou. “Acho que essa mudança baixaria o nível da competição”, completou.

A matéria completa está na edição 29 da Revista WARM UP
 


A edição de agosto da Revista Warm Up traz uma entrevista exclusiva com Emerson Fittipaldi. O brasileiro comemora os 40 anos de seu primeiro título mundial e relata, em entrevista exclusiva, tudo que aconteceu no Mundial de F1 de 1972, além de reviver as glórias da carreira, a briga com Colin Chapman, a ida para a Indy quando estava praticamente falido depois de montar uma equipe de F1, a mistura com leite e laranja na vitória das 500 Milhas de Indianápolis, o acidente que quase o matou em Michigan e muito mais.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube