Na chuva, Dovizioso bate Márquez nos metros finais, vence no Japão e reduz para 11 pontos atraso na liderança da MotoGP

Andrea Dovizioso voltou a vencer Marc Márquez em um confronto direto na última volta e reduziu para 11 pontos seu atraso na classificação da MotoGP. Danilo Petrucci completa o pódio no GP do Japão

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Andrea Dovizioso conseguiu mais uma vez. Nas traiçoeiras condições de um domingo (15) chuvoso em Motegi, o #4 voltou a bater Marc Márquez em um confronto direto na última volta e empatou com o rival da Honda em cinco vitórias para cada lado na temporada.
 
Largando em terceiro, Márquez fez uma ótima saída e assumiu a liderança nos primeiros metros. Ainda na primeira volta, porém, Jorge Lorenzo se colocou na ponta, mas Danilo Petrucci logo apareceu para assumir o comando. O #9, então, apertou o passo para escapar na frente, mas o #93 tirou o espanhol de Palma de Maiorca do caminho e manteve a pressão, trazendo Dovizioso sempre junto.
A classificação do Mundial de Motovelocidade após o GP do Japão
Andrea Dovizioso e Marc Márquez definiram o GP do Japão nos metros finais (Foto: Reprodução)
Na 13ª volta, Márquez retomou a ponta e Dovizioso se apressou em passar Petrucci para manter contato com o rival pelo título. Seis voltas depois, Andrea se instalou na liderança, já com Danilo bastante afastado.
 
Com três giros para o fim, Márquez passou, mas levou o troco. O espanhol insistiu e retomou a liderança. Na última volta, Dovizioso chegou mais uma vez e, depois de algumas inversões de posição, recebeu a bandeirada com 0s249 de margem.
Petrucci fez o que pôde, mas não conseguiu acompanhar os ponteiros e acabou em terceiro, bem à frente de Andrea Iannone, que conseguiu seu melhor resultado no ano. Álex Rins foi igualmente bem e fecha o top-5. 
 
Lorenzo, por sua vez, recuperou terreno nos giros finais e acabou em sexto, à frente de Aleix Espargaró. Zarco ficou em oitavo, seguido por um apagado e isolado Maverick Viñales. Loris Baz completa o top-10.
 
Valentino Rossi escreveu um novo capítulo no fim de semana ruim da Yamaha no Japão. Na sétima volta, o italiano caiu na curva oito ― seu segundo tombo do fim de semana ― e abandonou a disputa.
Com o quinto triunfo da temporada, Dovizioso chegou aos 233 pontos e agora tem apenas 11 de atraso para Márquez na classificação da MotoGP. Ainda terceiro, Viñales agora tem 41 pontos a menos que o líder, à frente de Pedrosa e Rossi.
 
Saiba como foi o GP do Japão de MotoGP:
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A chuva é mesmo a marca do GP do Japão de 2017. Assim como aconteceu nos outros dois dias, o domingo amanheceu chuvoso e com temperaturas baixas. Na hora da largada, os termômetros marcavam 14°C, com o asfalto chegando a 15°C.
 
Pela segunda vez na carreira na MotoGP, Johann Zarco tinha a pole-position, o que faz do #5 o primeiro francês desde Christian Sarron em 1988 a partir da posição de honra mais de uma vez na classe rainha.
 
Danilo Petrucci ocupava o segundo posto do grid, à frente de Marc Márquez, que sai na primeira fila pela 11ª vez no ano. Naquele que é o melhor resultado da Aprilia na era da MotoGP, Aleix Espargaró abria a segunda fila, seguido por Jorge Lorenzo e Dani Pedrosa.
 
Vice-líder do Mundial, Andrea Dovizioso tinha apenas o nono posto, atrás das KTM de Bradley Smith e Pol Espargaró. Em sua melhor performance no ano, Álex Rins fechava o rol dos dez melhores.
 
Em um fim de semana difícil para a Yamaha, Valentino Rossi ficou apenas em 12º, com Maverick Viñales alinhando só em 14º. Para piorar, Kohta Nozane, que foi escalado de última hora para substituir o doente Jonas Folger, sofreu uma pequena fratura na mão direita em um acidente no TL4.
 
Para este fim de semana, os pilotos podiam escolher originalmente entre os pneus de chuva dianteiros macios e médios, e traseiros extramacios e macios. Os slicks também estavam presentes nas versões macio, médio e duro, mas não parecia que eles veriam a luz do dia neste domingo.
 
No início da tarde, porém, a Michelin anunciou a retirada do pneu dianteiro de chuva macio da alocação, já que entendia que, com a boa aderência do traçado nipônico, o calçado mais macio não resistiria as 24 voltas da corrida.
 
Assim, todo mundo tinha um pneu médio na frente, com uma escolha mais variada na traseira. Enquanto Zarco e Márquez, por exemplo, escolheram a opção traseira macia, a mais popular no grid, Zarco, Smith e Pol Espargaró arriscaram com o extramacio.
 
Quando as luzes se apagaram na reta de Motegi, os 52.439 espectadores viram Márquez tracionar bem e tomar a ponta, à frente de Zarco, Lorenzo, Petrucci e Aleix.
 
Ainda nos primeiros metros, Lorenzo saltou para segundo, com Petrucci avançando para terceiro. Zarco respondeu rápido e tomou a posição de volta.
 
Ainda no primeiro giro, Lorenzo passou Márquez por dentro na oito e assumiu a ponta, deixando Marc para se defender de Petrucci, que estava de novo à frente de Zarco. Dovizioso era o quinto, seguido por Iannone, Aleix, Viñales, Pedrosa, Pol e Rossi.
 
Uma vez na ponta, Lorenzo tratou de abrir um respiro, aproveitando, inclusive a disputa entre Petrucci e Márquez. Dovizioso era o quarto, à frente de Zarco.
 
Pressionado, Danilo atacou e tomou a liderança de Lorenzo, Terceiro, Márquez vinha colado atrás, com Dovizioso bem pertinho. O #9, aliás, registrou em 1min58s943 a melhor volta da corrida.
 
Mais atrás, Rins levou a melhor em uma disputa com Rossi e partiu para passar Viñales pela oitava colocação.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Na terceira volta, Dovizioso passou Márquez e assumiu a terceira colocação, mas levou o troco alguns metros depois. No topo da tabela, Petrucci já tinha 1s2 de folga.
 
Rins, então, passou Aleix e subiu para sétimo, com Rossi deixando Viñales para trás pelo nono lugar.
 
A terceira volta, aliás, viu Petrucci cravar outra volta rápida, agora com 1min58s055. 
 
Na abertura da passagem seguinte, Márquez e Dovizioso deixaram Lorenzo para trás, com o #99 caindo para sexto na sequência, atrás de Zarco e Iannone.
 
No início da quinta volta, foi Rins quem passou Lorenzo, subindo para a sexta colocação.
 
Substituto de Folger, Nozane caiu, mas conseguiu voltar para a pista.
 
Enquanto isso, Lorenzo seguiu sua derrocada, caindo para oitavo, atrás de Aleix. Crutchlow, por outro lado, caiu na curva 7, mas voltou para a pista, 
 
Na sequência, Rossi passou Lorenzo pelo oitavo lugar, deixando o #99 para se defender de Viñales, que vinha coladinho atrás. Era uma impressionante perda de ritmo do #99.
 
Karel Abraham caiu na curva 12, mas não se feriu. Em seguida, foi Valentino Rossi quem foi ao chão, agora na curva 8. Foi o segundo tombo do italiano no fim de semana. O #46 deixou a pista caminhando, aparentemente sem afetar a perna direita ainda em recuperação de fratura.
 
Lá na ponta, Petrucci seguia em ritmo forte, mas Márquez ia acompanhando e reduzindo a diferença. Dovizioso, por outro lado, ia cedendo mais terreno para o espanhol.
 
No melhor fim de semana da Suzuki no ano, Rins passou Iannone e assumiu o quinto posto, passando a tentar reduzir o atraso em relação a Zarco, o quarto colocado.
 
No topo da tabela, Petrucci vinha Márquez mais e mais próximo. Com 16 voltas para o fim, os dois estavam separados por 0s5, enquanto Dovizioso já tinha ficado 1s1 atrás.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Andrea, então, subiu o ritmo e passou a recortar a vantagem de Márquez, que baixou para 0s5, enquanto Petrucci sustentava 0s7 de diferença.
 
Quarto, Zarco já estava a 6s da briga pelo pódio, mas era pressionado por Rins, que tinha uma vantagem maior em relação a Iannone. Quase 5s atrás, Aleix era o sexto, também tranquilo em relação a Viñales, o oitavo.
 
Na 13ª volta, Márquez já vinha mais colado no líder Petrucci, mas com Dovizioso não tão longe. No fim do giro, Marc conseguiu tomar a ponta e Danilo não teve chance de tentar o X. 
 
Dovizioso, então, não esperou, passou Petrucci e foi tentar a sorte com Márquez, que tinha subido o ritmo para abrir vantagem. Com um pneu extramacio na traseira, o titular da Pramac não parecia ter ritmo para acompanhar.
 
Na liderança, Márquez cravou em 1min56s713 a melhor volta da disputa, mantendo Dovizioso 0s5 atrás. Ao fim do giro seguinte, a diferença entre os líderes do Mundial tinha baixado para 0s1.
 
Com oito giros para o fim, Crutchlow sofreu sua segunda queda na corrida, agora na curva 11. O britânico, porém, não se feriu com gravidade.
 
Na ponta, Márquez voltou a abrir em relação a Dovizioso, enquanto Petrucci ia subindo o ritmo para tentar retornar à briga.
 
Com sete voltas para a bandeirada, Dovizioso aumentou o passo e, com a melhor volta da corrida ― 1min56s568 ―, baixou para 0s28 o atraso em relação a Márquez.
 
Mais atrás, Rins seguia perto de Zarco, ainda escoltado por Iannone.
 
Na 19ª volta, Dovizioso deu o bote e tomou a liderança de Márquez, logo se afastando um pouco do rival da Honda.
Momento em que Petrucci assumiu a liderança (Foto: Reprodução)
Mais atrás, Pol Espargaró passou Pedrosa e assumiu o 11º posto, 9s4 atrás de Loris Baz, o décimo.
 
Com cinco giros para o fim, Rins, enfim, conseguiu passar Zarco, assumindo o quarto posto e deixando o francês para se defender de Iannone, que avançou logo depois para a quinta colocação.
 
Pouco a pouco, Dovizioso foi se afastando de Márquez, chegando a abrir 0s8 de margem com cinco voltas para o fim.
 
Mais atrás, Pedrosa continuava caindo. O espanhol agora era 14º, atrás de Nakasuga e Lowes. Pouco depois, o #26 foi para em 17º, perdendo posições para Redding, Rabat e Barberá.
 
Faltando três giros para o fim, Márquez colocou por dentro e passou, recuperando a ponta. O troco do italiano, porém, veio logo depois, mas durou pouco, já que o titular da Honda conseguiu uma nova ultrapassagem.
 
Pedrosa, aliás, abandonou a corrida com poucas voltas para o fim.
 
Lorenzo, aliás, passo Aleix e Zarco, assumindo o sexto posto, atrás de Rins, que tinha perdido o quarto lugar para Iannone.
 
Na abertura do último giro, Márquez e Dovizioso estavam separados por 0s479. Em meados do giro, o #93 de uma escorregada, permitindo a aproximação do italiano, que conseguiu o bote nos metros finais, na curva 11. Marc ainda passou mais uma vez, mas levou o troco e recebeu a bandeirada 0s2 atrás do #4.
 

#GALERIA(7210)

MotoGP, GP do Japão, Motegi, Corrida:

1 4 ANDREA DOVIZIOSO ITA DUCATI 47:14.236
2 93 MARC MÁRQUEZ ESP HONDA +0.249
3 9 DANILO PETRUCCI ITA DUCATI +10.557
4 29 ANDREA IANNONE ITA SUZUKI +18.845
5 42 ÁLEX RINS ESP SUZUKI +22.982
6 99 JORGE LORENZO ESP DUCATI +24.464
7 41 ALEIX ESPARGARÓ ESP APRILIA +28.010
8 5 JOHANN ZARCO FRA TECH3 YAMAHA +29.475
9 25 MAVERICK VIÑALES ESP YAMAHA +36.575
10 76 LORIS BAZ ESP AVINTIA DUCATI +48.506
11 44 POL ESPARGARÓ ESP KTM +56.357
12 21 KATSUYUKI NAKASUGA JAP YAMAHA +1:00.181
13 22 SAM LOWES ING APRILIA +1:00.980
14 8 HECTOR BARBERÁ ESP AVINTIA DUCATI +1:03.118
15 53 TITO RABAT ESP MARC VDS HONDA +1:03.514
16 45 SCOTT REDDING ING PRAMAC DUCATI +1:04.162
17 38 BRADLEY SMITH ING KTM +1:06.271
18 7 HIROSHI AOYAMA JAP MARC VDS HONDA +1:13.250
19 19 ÁLVARO BAUTISTA ESP ASPAR DUCATI NC
20 26 DANI PEDROSA ESP HONDA NC
21 17 KAREL ABRAHAM RTC ASPAR DUCATI NC
22 35 CAL CRUTCHLOW ING LCR HONDA NC
23 46 VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA NC
24 31 KOHTA NOZANE JAP TECH3 YAMAHA NC

'EXTRAORDINÁRIO'

DI GRASSI VÊ HAMILTON COMO UM DOS TRÊS MAIORES DA HISTÓRIA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube