Na Garagem: Lorenzo é terceiro na Malásia e conquista título da MotoGP. Rossi vence

Há dez anos, o hoje piloto de testes da Yamaha conquistou o primeiro dos três títulos na MotoGP ao receber a bandeirada em Sepang na terceira colocação, atrás de Valentino Rossi e Andrea Dovizioso

HÁ EXATOS DEZ ANOS, JORGE LORENZO FATUROU O PRIMEIRO TÍTULO DA CARREIRA NA MOTOGP. Com três corridas de antecedência, o espanhol de Palma de Maiorca fechou a conta da temporada 2010 em 10 de outubro, em Sepang, ao receber a bandeirada do GP da Malásia na terceira colocação, atrás de Valentino Rossi e Andrea Dovizioso. Foi o 15º top-4 do titular da Yamaha nas 15 corridas disputadas no campeonato.

O caminho de Lorenzo até a taça da MotoGP, porém, não foi assim tão simples. Dani Pedrosa ficou fora de combate ainda no primeiro dia de atividades para o GP do Japão, já que fraturou clavícula, o que permitiria a Jorge ser campeão já em Motegi. Rossi, porém, seguiu firme no propósito de adiar a entrega da coroa.

Yamaha celebrou o primeiro título de Jorge Lorenzo na MotoGP em Sepang (Foto: Yamaha)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Mesmo fora da briga após perder quatro corridas por conta de uma fratura na perna ― fruto de um acidente em Mugello ―, Valentino travou um duro duelo com Lorenzo pelo pódio japonês e, depois de alguns toques entre os companheiros de Yamaha, levou a melhor para receber a bandeirada apenas atrás de Casey Stoner e Andrea Dovizioso.

Fora do top-3, Lorenzo teve de esperar mais uma semana, mas a situação matemática não era nada ruim. Sem Pedrosa, podia chegar apenas na nona colocação para selar a primeira conquista de um espanhol na classe rainha desde que Álex Crivillé venceu nas 500cc em 1999.

Lorenzo, então, fez o que lhe cabia: conquistou a pole, largou bem e manteve a ponta nas oito primeiras voltas, antes de ceder a liderança para Dovizioso na volta 9. Enquanto isso, Valentino vinha em uma empolgante prova de recuperação. Sexto no grid, o piloto da moto #46 saiu mal, caiu para 11º ainda nas primeiras curvas, mas já vinha em terceiro, menos de 1s atrás de Jorge.

Na freada da curva 9, Valentino tomou o segundo posto de Lorenzo e, na volta seguinte, repetiu a manobra para tirar a liderança do então piloto da Honda. Andrea manteve contato com o conterrâneo e chegou a dar o troco na volta 16, mas Rossi rapidamente retomou a frente para vencer com 0s224 de margem e garantir a 46ª vitória com a Yamaha. Lorenzo, por sua vez, diminuiu o ritmo nas voltas finais, mas acabou em terceiro, 6s035 atrás do vencedor. Era o suficiente a coroa de 2010.

“Este é o meu primeiro título na classe rainha e o meu sonho se tornou realidade”, disse Lorenzo após a corrida. “Isso é realmente o máximo que um piloto de moto pode alcançar na carreira, então temos de celebrar e aproveitar essas horas, minutos e segundos como se fosse o fim do mundo”, seguiu.

Com o resultado, Jorge foi, também, o primeiro espanhol a vencer o título das 250cc e também das 500cc. Naquele dia, aos 23 anos e 159 dias, o piloto se tornou o sexto mais jovem a vencer na classe rainha, atrás de Freddie Spencer, Casey Stoner, Mike Hailwood, John Surtees e Rossi.

“Fiquei realmente impressionado por estar na frente e não perder tempo até o final da corrida. Mas quando os pneus começaram a desgastar, pensei: ‘Hoje temos de terminar a corrida e conquistar o máximo que um piloto pode conquistar no motociclismo’” relatou.

Ainda, Lorenzo revelou que chegou a temer um desempenho fraco no início do campeonato, já que perdeu os testes da pré-temporada por conta de uma lesão na mão.

Jorge Lorenzo fechou a temporada 2010 com vitória em Valência (Foto: Yamaha)

“Você sempre imagina este momento e sonha com ele, mas quando chega, você não sabe como agir ou o que dizer”, declarou. “A temporada começou com um momento difícil e eu pensei que talvez fosse ser mais complicada que a anterior. Mas fomos para o Catar e terminamos em segundo, o que me deu mais confiança para ser rápido e pressionar. A vitória de Jerez foi a mais especial da minha vida e, desde então, foram sete vitórias e só duas corridas sem pódio. O que mais posso pedir?”, encerrou.

Depois da conquista de 2010, Lorenzo faturou o título mais duas vezes: 2012 e 2015. Ao fim de 2016, deixou a Yamaha e passou dois anos com a Ducati, mas a demora na adaptação ao protótipo de Bolonha acabou por abreviar a relação. Jorge, então, assinou para defender a Honda em 2019, mas uma temporada bastante abaixo da capacidade do espanhol culminou com a aposentadoria da MotoGP.

GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do GP da França, décima etapa do Mundial de Motovelocidade 2020.

LEIA TAMBÉM
Peter Pan, Rossi ainda tem espaço na MotoGP. Mesmo aos 41 anos
Viñales mostra velocidade e talento de Top Gun, mas decepciona com irregularidade
Dovizioso desperdiça chance de ouro e nem experiência parece ajudar na busca do título
27 anos após Schwantz x Rainey, Suzuki e Yamaha reeditam rivalidade na MotoGP
Bola da vez na MotoGP, Mir cresce e vira elemento surpresa na briga pelo título
Novos talentos e velhos conhecidos: MotoGP une experiência e frescor no grid de 2021

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube