MotoGP

Na Garagem: Rossi surpreende na abertura da temporada, bate Biaggi na África do Sul e vence com Yamaha

Em 18 de abril de 2004, Valentino Rossi surpreendeu ao bater Max Biaggi na África do Sul e conquistar sua primeira vitória com a Yamaha. Há 15 anos, o #46 entrou para a história como o primeiro piloto a vencer corridas consecutivas por marcas diferentes

Grande Prêmio / JULIANA TESSER, de São Paulo
HÁ EXATOS 15 ANOS, VALENTINO Rossi venceu aquela que é a corrida mais memorável de sua carreira: o GP da África do Sul de 2004. Naquele 18 de abril, o #46 entrou para a história como o primeiro piloto a vencer corridas consecutivas com marcas diferentes ― já que tinha subido ao topo do pódio com a Honda no GP da Comunidade Valenciana de 2003.
 
Então tricampeão da MotoGP, Rossi optou por trocar a toda poderosa Honda por uma Yamaha em fase de reconstrução. O salto no escuro, porém, deu frutos logo na primeira corrida.
 
Ao longo da pré-temporada, a Yamaha fez o que pôde para esconder o jogo, deixando para revelar o verdadeiro potencial da YZR-M1 quando já fosse tarde demais para permitir uma reação das fábricas rivais.
 
No desembarque em Welkom, Valentino se mostrou adaptado à nova moto e protagonizou um belo duelo com rival Max Biaggi ao longo das 28 voltas da corrida.
 
Pole, Rossi manteve a ponta nos primeiros metros, mas não conseguiu escapar das garras de Biaggi e Sete Gibernau, que acompanhou os ponteiros na primeira parte da corrida. O ‘Imperador Romano’ lançou uma série de ultrapassagens na direção do #46, mas o piloto de Tavullia foi respondendo uma a uma. 
Valentino Rossi e Max Biaggi brigaram de ponta a ponta na África do Sul (Foto: Reprodução)
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #14: O melhor piloto de MotoGP de todos os tempos



 Ouça no Spotify
 Ouça no iTunes
 Ouça no Android
 Ouça no playerFM

Com seis voltas para o fim, a disputa se intensificou e as trocas de posição seguiram até três curvas para o fim da corrida, quando Rossi se colocou na frente e tratou de travar todas as portas para cruzar a linha de chegada com 0s210 de margem para Max. 
 
Já 7s255 atrás de Rossi, Sete Gibernau completou o pódio, com Alex Barros, Nicky Hayden, Loris Capirossi, Colin Edwards, Makoto Tamada, Norick Abe e Carlos Checa completando a lista dos dez melhores.
 
“Esta é a melhor corrida da minha carreira”, disse Rossi ao fim da prova. “É uma verdadeira surpresa para nós, para todos, e é difícil explicar a emoção”, seguiu.
 
“O fim de semana foi perfeito, começando pela sexta-feira. Eu pilotei bem e trabalhei muito bem com o time. Para mim, a corrida foi perfeita também. Começando da pole, tive um bom ritmo e uma boa luta com Biaggi”, exaltou. “Quero dizer um grande obrigado aos meus mecânicos, especialmente a Jeremy Burgess, e a Yamaha por seus esforços. No fim da corrida, tive emoções diferentes do normal. Normalmente, quando venço eu fico realmente feliz, mas, desta vez, foi mais e eu tive de parar por um momento com a minha moto para sentir tudo”, contou.
 
Ainda, Valentino fez questão de ressaltar que o triunfo na África do Sul não era fruto de um milagre, mas do empenho da fábrica dos três diapasões.
 
“A moto foi bem boa na distância da corrida, embora os pneus tenham começado a se mover um pouco depois de sete ou oito voltas, mas, depois disso, eles ficaram constantes e a moto ficou comigo. Eu era mais lento em algumas áreas, mais rápido em outras, mas sabia que não podia cometer nenhum erro se quisesse vencer”, explicou Rossi. “A Yamaha fez um esforço muito grande e trabalhou muito para mudar a situação. A corrida de hoje mostra que o nível deste esporte aumentou enormemente desde o ano passado, mas vencer uma corrida como esta não é um milagre, é fruto do trabalho duro que colocamos nisso. Foi fantástico”, completou.
 
Então chefe do time e um dos grandes responsáveis pela contratação de Rossi, Davide Brivio não escondeu a alegria com o resultado e prometeu apoio máximo ao italiano.
Valentino Rossi viveu um dos momentos mais marcantes da carreira em 2004 (Foto: Reprodução)
“Não poderíamos ter tido um fim de semana melhor do que este”, disse Brivio. “Claro, sabemos que este não é o fim do nosso trabalho. Nós estamos apenas começando e temos de continuar assim a temporada toda, dando o melhor apoio possível a Valentino. Ele foi simplesmente fantástico”, elogiou.
 
“Essa era a corrida que todos queriam ver e foi ótimo ser o vencedor. Acho que todos os fãs estão felizes e todos na Yamaha também, já que trabalhamos muito duro nos últimos seis meses”, ressaltou.
 
Chefe da Divisão de Tecnologia da Yamaha, Masao Furusawa ressaltou a importância de Rossi para o projeto da Yamaha. O ‘pai da M1’ foi um dos grandes responsáveis do sucesso da parceria com o #46.
 
“As corridas precisam de um bom piloto, uma boa moto e uma boa organização, do contrário, você não pode vencer”, comentou Furusawa. “Um piloto excepcional veio para a Yamaha e tudo que posso dizer é obrigado a ele e sua equipe”, continuou.
 
“Claro, têm muitas outras pessoas envolvidas neste projeto: outros pilotos, engenheiros, staff e patrocinadores, e eu também gostaria de agradecer a eles”, declarou. “Valentino é realmente o gênio por trás da moto. Nós só estamos testando com ele há três meses neste inverno e atingimos a primeira meta. Agora temos outras 15”, concluiu.
 
Rossi venceu outras oito corridas naquele ano e, com um total de 11 pódios, alcançou o título de 2004, o primeiro dos quatro que conseguiu com a M1.