MotoGP

Nem queda tira pole de Márquez do GP da França. Rossi é quinto e Rins larga só em 19º

Nem mesmo uma queda foi capaz de atrapalhar Marc Márquez neste sábado (18). Mesmo sem melhorar a marca de sua segunda volta nesta tarde em Le Mans, o #93 assegurou a posição de honra no grid à frente de Danilo Petrucci e Jack Miller. Valentino Rossi acertou a estratégia do Q1 e vai sair em quinto, com Álex Rins aparecendo apenas em 19º

Grande Prêmio / JULIANA TESSER, de São Paulo / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba
Nem mesmo uma queda foi capaz de parar Marc Márquez no caminho para a pole-position neste sábado (18). Com 1min40s952 apenas na segunda de suas oito voltas nesta tarde em Le Mans, o #93 assegurou a posição de honra com 0s360 de margem para Danilo Petrucci, o segundo colocado. Jack Miller assegurou o top-3.

A fase decisiva do treino classificatório da MotoGP começou com incerteza pelas condições da pista, já que o pneu slick tinha caído como uma luva para Valentino Rossi no Q2. Ainda assim, o #46, Maverick Viñales e Fabio Quartararo foram os únicos a abrir os 15 minutos finais com o calçado liso. A aposta logo se mostrou errada, forçando o trio de volta aos boxes. 
 
Devidamente calçado com pneus de chuva, Márquez registrou 1min40s952 em sua primeira tentativa e logo levou um tombo na curva 6. Mesmo ralado, o espanhol de Cervera voltou para a pista e seguiu rodando, sem sequer passar pelos boxes da Honda.
Marc Márquez (Foto: Divulgação/MotoGP)
Enquanto isso, Danilo Petrucci tratou de apertar o passo para se instalar a 0s360 de Márquez, tomando o segundo posto de Jack Miller. Apesar do tempo restante, as melhoras não atingiram os ponteiros. 

Andrea Dovizioso, porém, conseguiu avançar e garantiu o quarto posto ao anotar 1min41s552, 0s103 melhor que Valentino Rossi, o quinto. Franco Morbidelli aparece para fechar uma segunda fila dominada por italianos.
 
1s107 mais lento que Márquez, Takaaki Nakagami abre a terceira linha da grelha, com Jorge Lorenzo aparecendo na sequência, escoltado por Aleix Espargaró.
 
Em casa, Fabio Quartararo não conseguiu repetir o feito de Jerez e ficou apenas com a décima colocação, 0s046 à frente de Maverick Viñales. O #12 decepcionou depois de aparecer bem em todos os treinos livres.
 
Pol Espargaró conseguiu vaga direto no Q2, mas não conseguiu aproveitar. O catalão caiu e sequer conseguiu marcar tempo nesta tarde.
 
Francesco Bagnaia viu barrado ainda no Q1 e vai largar em 13º, à frente de Johann Zarco, Cal Crutchlow, Miguel Oliveira, Karel Abraham e Joan Mir.
 
Vice-líder do Mundial, Álex Rins errou a estratégia de pneus do Q1 ― assim como todos os demais, exceto o #46 ― e vai precisar de outra de suas provas de recuperação. Com 1min40s706, o #42 vai largar apenas em 19º, só à frente de Tito Rabat, Hafizh Syahrin e Andrea Iannone.
 
O GP da França de MotoGP está marcado para o domingo, às 9h (de Brasília). O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO.

Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #18: Fake News! As mentirinhas nada inocentes do esporte a motor



  Ouça no Spotify
  Ouça no iTunes
  Ouça no Android
  Ouça no playerFM

Márquez supera queda e lidera TL4 afetado pela chuva
 
Tal qual aconteceu no fim do treino da Moto3, uma chuva fina seguiu caindo em Le Mans, mas ainda não o bastante para alterar as condições do asfalto. Assim, tão logo o cronômetro passou a contar os 30 minutos do TL4, Franco Morbidelli deixou os boxes da SIC com pneus slicks, assim como Rossi, Bagnaia e Márquez. 
 
No entanto, Márquez caiu na curva nove, mas não se feriu e logo voltou aos boxes da Honda.
 
Apesar do susto do #93, Bagnaia seguiu na pista com os slicks para cravar 1min52s408 e assumir a ponta, mas entrou nos boxes pouco depois. Rossi seguia na pista, mas sem cravar tempo. Miller também estava por lá, com um par de slicks macios. 
 
Já com calçados de chuva, Rabat cravou 1min44s343 e assumiu a ponta, 8s065 melhor que o tempo de Bagnaia. A pista esvaziou logo na sequência, com apenas Rins rodando com pneus de chuva. O #42, porém, voltou aos boxes sem marcar tempo. 
 
Passada a barreira de 15 minutos para o fim, a pista começou a ficar mais movimentada. Com um par de pneus de chuva médios, Lorenzo cravou 1min42s976 e assumiu o comando da esvaziada sessão, 1s3 mais rápido que Rabat.
 
Na sequência, Zarco registrou 1min43s675 e assumiu o segundo posto. Com pneus macios, o francês foi 0s699 mais lento que o ponteiro.
 
Também com pneus médios de chuva, Rossi fez 1min42s747 e assumiu a liderança, 0s229 melhor que Lorenzo. Zarco e Rabat eram os outros únicos com tempo nesta tarde. 
 
Na sequência Lorenzo passou Rossi por 0s635 para recuperar a ponta, mas levou o troco com o #46 voltando 0s882 melhor. Oliveira agora vinha em terceiro, mas logo foi superado por Rabat, que passou 0s139 melhor.
 
Na reta final do TL4, a movimentação na pista ia aumentando. Morbidelli, por exemplo, saltou para o quinto posto da tabela, 2s318 mais lento que Rossi. 
 
Com pouco mais de 6 minutos para o fim da sessão, Dovizioso registrou 1min41s782 e assumiu o terceiro posto, 0s552 mais lento que Rossi. Morbidelli seguiu o mesmo passo e subiu para a quarta colocação.
 
Com 1min40s850, Viñales tomou a liderança, abrindo 0s380 de margem para o companheiro de Yamaha. Pouco depois, Dovizioso saltou para o primeiro posto, 0s173 melhor que o #12.
 
Quase que imediatamente, Danilo Petrucci passou em 1min40s082 e assumiu a ponta, 0s595 melhor que Andrea. Mais atrás, Márquez subiu para a quinta colocação.
 
Rins, então, passou 0s888 mais lento que Petrucci e se instalou na quarta colocação, superando Rossi por 0s260.
 
Com cerca de 2 minutos para o fim, Viñales foi 0s005 mais lento que Petrucci para assumir o segundo posto, mas, na sequência, caiu para terceiro, já que Márquez assumiu a ponta com 0s305 de folga. 
 
Com a bandeira quadriculada tremulando em Le Mans, Rins subiu para a quinta colocação, 0s632 atrás de Márquez. Mais para baixo, Pol Espargaró saltou para o oitavo tempo.
 
Ao fim dos 30 minutos de TL4, Márquez ficou com a melhor marca, à frente de Petrucci, Viñales, Morbidelli, Rins, Crutchlow, Dovizioso, Pol Espargaró, Quartararo e Rossi.

Rossi aposta nos slicks com pista úmida e avança com folga ao Q2 com Morbidelli
 
Levando em conta o resultado dos três primeiros treinos livres ― especialmente dos dois primeiros, aliás, já que foram os únicos com pista seca ―, o Q1 teve a presença de nomes como Valentino Rossi, Cal Crutchlow, Àlex Rins e Franco Morbidelli para brigar pelos últimos dois postos restantes no Q2.
 
Quando o relógio passou a contar os 15 minutos do Q2, apenas Valentino Rossi se arriscou com os slicks, saindo dos boxes da Yamaha com um par de pneus macios novos. A chuva tinha parado, mas o céu seguia bastante nublado.
 
Quando todos completaram a primeira volta lançada, Morbidelli apareceu na ponta, 0s745 mais rápido que Zarco, o segundo colocado. Terceiro, Oliveira estava 0s598 atrás da linha de corte. Com slicks, Rossi era apenas o 11º, 3s398 atrás de Franco.
 
A notícia ruim, no entanto, era que a chuva estava voltando e as bandeiras já alertavam os pilotos sobre as condições. 
 
Com 9 minutos para o fim da sessão, Rossi saltou para a ponta com 1min39s074, 0s188 mais rápido que Morbidelli, o segundo. Bagnaia era agora o terceiro, 0s720 mais lento que a marca que separava a zona da degola.
 
Depois de uma passagem pelos boxes, Rins seguiu Rossi e calçou os slicks macios, assim com Crutchlow e Iannone.
 
Em sua quarta volta nesta tarde, Rossi chegou a 1min37s667, abrindo 1s5 de vantagem no topo da tabela do Q1. Assim, as equipes passaram a chamar seus pilotos para calçarem os pneus lisos.
 
Com quatro minutos para o fim, Rossi entrou nos boxes da Yamaha. O #46 não tinha parado ainda e seguia rodando com os pneus que saiu dos boxes. A pergunta era: 1min37s667 era suficiente para avançar ao Q2? As parciais da concorrência indicavam que o italiano de Tavullia tinha se beneficiado de sua escolha ousada.
 
Com três minutos para o fim, Rins voltou para a pista, mas, curiosamente, com pneus de chuva. Mesma escolha de Mir, Bagnaia, Zarco, Crutchlow e Iannone, por exemplo. De acordo com a Michelin, o calçado médio de chuva se comporta como o intermediário que não existe mais na alocação da MotoGP.
 
A vaga ameaçada, então, era a de Morbidelli, que também estava parado nos boxes da SIC.
 
Com o cronômetro zerado, Rins, Crutchlow e Oliveira foram os únicos a abrir uma tentativa final, mas com parciais pouco competitivas.
 
Assim, Rossi e Morbidelli avançaram ao Q2, enquanto Bagnaia ficou com o 13º posto no grid, seguido por Zarco, Crutchlow, Oliveira, Abraham, Mir, Rins, Rabat, Syahrin e Iannone.

Queda não abala, e Márquez é pole em Le Mans
 
A segunda e decisiva parte da classificação começou com a óbvia preocupação com relação ao clima. A pista permanecia em condições instáveis, um pouco pior do que as vistas na fase anterior do treino, que acompanhou a passagem de Rossi e Morbidelli. Marc Márquez chegou a deixar os boxes para avaliar a situação. E no momento em que o cronômetro disparou para os 15 minutos finais, quase todo mundo optou pela prudência. Ou seja, pneu chuva. Uma das exceções, Valentino Rossi arriscou com os slicks, sendo seguido pelo companheiro de Yamaha, Maverick Viñales.
 
Não demorou muito, porém, para que o #46 mudasse de ideia. Apenas uma volta de verificação, o multicampeão voltou às garagens para trocar a moto e sair com os pneus ranhados.
 
Na pista, Márquez foi o primeiro a ir ao chão. Entrando veloz demais na curva 6, o espanhol acabou sofrendo uma queda e foi parar na brita. Mesmo assim, o líder do campeonato foi capaz de levantar a Honda. Antes disso, Marc obtivera o tempo era de 1min40s952, o que ainda lhe rendia a primeira colocação. Danilo Petrucci, Jack Miller e Franco Morbidelli apareciam na sequência.
 
Enquanto isso, Pol Espargaró também se via em apuros com novo acidente na mesma curva 6. Outra vítima da traiçoeira pista francesa foi Miller - na curva 3.
 
Daí para frente, ninguém mais conseguiu ameaçar o pentacampeão. E uma chuva marota nos minutos finais ainda impediu qualquer briga pelas posições ponteiras do grid. Assim, o piloto da Honda vai sair pela terceira vez na temporada na frente.
 
Petrucci e Miller garantiram lugares na primeira fila. Andrea Dovizioso, Valentino Rossi e Franco Morbidelli formam a segunda. Maverick Viñales, que comandou os treinos livres, ficou apenas em 11º.

MotoGP 2019, GP da França, Le Mans, Grid de largada:

1 M MÁRQUEZ Honda 1:40.952  
2 D PETRUCCI Ducati 1:41.312 +0.360
3 J MILLER Pramac Ducati 1:41.366 +0.414
4 A DOVIZIOSO Ducati 1:41.552 +0.600
5 V ROSSI Yamaha 1:41.655 +0.703
6 F MORBIDELLI SIC Yamaha 1:41.681 +0.729
7 T NAKAGAMI LCR Honda 1:42.059 +1.107
8 J LORENZO Honda 1:42.067 +1.115
9 A ESPARGARÓ Aprilia Gresini 1:42.450 +1.498
10 F QUARTARARO SIC Yamaha 1:42.509 +1.557
11 M VIÑALES Yamaha 1:42.555 +1.603
12 P ESPARGARÓ KTM    
13 F BAGNAIA Pramac Ducati 1:39.982  
14 J ZARCO KTM 1:40.029  
15 C CRUTCHLOW LCR Honda 1:40.114  
16 M OLIVEIRA Tech3 KTM 1:40.385  
17 K ABRAHAM Avintia Ducati 1:40.482  
18 J MIR Suzuki 1:40.606  
19 A RINS Suzuki 1:40.706  
20 T RABAT Avintia Ducati 1:41.351 +0.399
21 H SYAHRIN Tech3 KTM 1:41.717 +0.765
22 A IANNONE Aprilia Gresini 1:41.786 +0.834
         
REC M VIÑALES Yamaha 1:32.309 163.2  km/h
MV J ZARCO Tech3 Yamaha 1:31.185 165.2 km/h
         
  Condições do tempo PISTA MOLHADA   ar: 15°C | pista: 17ºC




Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.