MotoGP

Pedrosa reforça emoção em despedida e diz que “teria sido legal se os elogios fossem mais frequentes”

Dani Pedrosa teve um GP da Comunidade Valenciana bastante emotivo. Cheio de despedidas, reconheceu que teve que lidar com todas as emoções, mas admitiu que gostaria de ter ouvido mais vezes todos os elogios feitos nos últimos dias
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 A despedida de Pedrosa (Foto: Repsol)
Dani Pedrosa teve um final de semana bastante emotivo em Valência. Na última etapa da temporada, o piloto se despediu das pistas, já que anunciou sua aposentadoria, e reconheceu que lidou com diversas emoções.
 
A passagem pela Espanha já começou de uma forma bastante especial para o titular da Honda. Na quinta-feira, foi nomeado ao Rol das Lendas da MotoGP em um evento com diversas homenagens a sua carreira.
 
No domingo, então, após a corrida, quando chegou ao box deu de cara com amigos, família e membros da equipe, que estavam ali especialmente para um último adeus. “Quando entrei no box o vi cheio de gente, da família, mas estava mais emocionado do que antes da corrida”, falou.
 
“Em nível emocional, aguentei melhor do que esperava. Por um momento, na última volta, pensei que era minha última corrida. Se tivesse pensado sobre isso, teria caído na curva seguinte”, continuou.
Dani Pedrosa (Foto: Divulgação/MotoGP)
Ao longo dos seus 18 anos no Mundial, Pedrosa somou 54 vitórias e mais de 110 pódios, com três títulos – um nas 125cc e dois nas 250cc. Entretanto, o tão sonhado caneco da classe rainha nunca veio, e de certo modo, o #26 lamentou por isso.
 
“Tenho sido um piloto de muito nível apesar do que não se vê, pois só se olha para o resultado. Pude ir fazendo meu caminho e ir superando os obstáculos, sobretudo na MotoGP. Não pude dar tudo o que podia, pois não tinha ferramentas para isso. Meu estilo sempre foi diferente de todos os outros. Há coisas que tenho que fazer de forma diferente”, apontou.
 
Um dos motivos de que Dani não conseguiu alcançar o título foram os diversos acidentes que sofreu ao longo da carreira.  Isso, admitiu, não vai sentir falta. “Sinto-me aliviado. Pelos acidentes, pelas idas ao hospital e pelas entrevistas incômodas. O que vou sentir falta é vencer. Estes dias todo mundo tem dito elogios, teria sido legal se fossem mais frequentes”, encerrou.
 
Pedrosa teve uma temporada 2018 não muito positiva. Nos últimos 12 anos, sempre alcançou uma vitória ao menos por campeonato, marca que não foi atingida neste ano. Entretanto, deixa as pistas figurando entre os maiores da categoria e agora vai assumir o novo desafio como piloto de testes da KTM.