Pedrosa ressurge, estraga festa de Rossi em Misano e se torna oitavo vencedor diferente de 2016. Lorenzo é terceiro

Dani Pedrosa voltou das cinzas para fazer uma corrida perfeita, colocar água no lambrusco de Valentino Rossi e se tornar o oitavo vencedor diferente em uma sequência de oito provas. Jorge Lorenzo completa o pódio em Misano

Tal qual a fênix, Dani Pedrosa ressurgiu das cinzas em Misano. Em uma temporada para lá de difícil, o #26 encontrou sua velha forma nas colinas de Emilia-Romagna e se tornou o oitavo vencedor diferente da temporada 2016.
 
Segundo no grid, Valentino Rossi assumiu a ponta da disputa ainda no início do GP de San Marino e da Riviera de Rimini ao bater Jorge Lorenzo e chegou a abrir 1s2 de vantagem na ponta.
Dani Pedrosa ficou quase um ano sem vencer (Foto: Repsol)

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

A classificação do Mundial de MotoGP após o GP de San Marino

Pedrosa, no entanto, partiu do oitavo posto no grid para escalar o pelotão e bater um a um, até assumir o segundo lugar. Mesmo com um pneu macio dianteiro, Dani exibiu um ritmo fortíssimo e, uma vez que tomou a frente na curva 4, não deu mais chances de reação a Rossi.

 
Correndo a apenas 13 km de sua Tavullia natal, Rossi acabou recebendo a bandeirada em segundo, 2s837 atrás de Dani. Lorenzo, por sua vez, também não teve muito o que fazer e acabou em terceiro, 1s522 atrás do companheiro de Yamaha.
 
Líder do Mundial, Marc Márquez foi discreto no Circuito Marco Simoncelli e acabou em quinto, à frente de Maverick Viñales. Andrea Dovizioso foi a melhor Ducati, seguido por Michele Pirro.
 
Cal Crutchlow não conseguiu repetir as atuações recentes e acabou em nono depois de ser punido por exceder os limites da pista e entregar a oitovo posto a Pol Espargaró. Álvaro Bautista completa o rol dos dez melhores.
Com a prova deste domingo, Márquez chegou aos 223 pontos e viu Rossi reduzir para 43 a diferença na classificação do Mundial. Terceiro, Lorenzo está a 61 do ponteiro.
 
Saiba como foi o GP de San Marino e da Riviera de Rimini de MotoGP:
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Valentino Rossi pediu, mas a natureza não atendeu. Preocupado com as exigências — físicas e de consumo de pneus — de Misano, o italiano torceu no sábado por temperaturas ligeiramente mais baixas neste domingo, mas o que aconteceu não foi bem isso. Às vésperas da largada, os termômetros marcavam 27°C, com o asfalto alcançando os 42°C — justamente as mesmas marcas registradas no treino classificatório. A velocidade dos ventos era de 11 km/h.
 
Pelo terceiro ano seguido, a pole-position na comuna de Emilia-Romagna era de Jorge Lorenzo, agora à frente de Rossi, que tem sua melhor posição de partida em sua prova de casa desde 2009. Maverick Viñales completa o top-3. Líder do Mundial, Valentino Rossi tem o quarto posto na grelha.
 
Neste fim de semana, a Michelin levou para a Itália os pneus dianteiros macios, médios e duros, e traseiros macios e médios.
 
Além de Andrea Iannone, que foi vetado pelos médicos por conta de uma fratura de vértebra, Jack Miller também ficou fora da corrida deste domingo. O australiano está com muitas dores na mão lesionada ainda na Áustria.
 
Neste fim de semana, a Michelin levou para o Circuito Marco Simoncelli os pneus dianteiros macios, médios e duros, e traseiros médios e duros. No sábado, os pilotos se queixaram de performances discrepantes entre unidades do mesmo tipo de composto.
 
No grid, todos optaram por pneus médios na traseira, com Pirro e Pedrosa colocando o macio na dianteira, contra os duros de Viñales, Márquez e Aleix e os médios dos demais.
Pedrosa caçou Valentino Rossi tal qual a polícia caçou os irmãos Blues (Foto: Yamaha)
Em um circuito localizado a 13 km de Tavullia, 100.496 pessoal compareceram para assistir Lorenzo fazer uma boa saída e se manter na ponta, à frente de Rossi, Viñales, Dovizioso e Márquez. Na saída, Maverick tentou pressionar Rossi, mas o italiano se manteve na frente.
 
Ainda nos primeiros metros, Lorenzo tentou abrir vantagem, mas Rossi logo diminuiu a diferença, mantendo o companheiro de Yamaha sob alcance. Jorge é sempre perigoso quando sai na frente.
 
Na segunda volta, Dovizioso subiu para terceiro, mas escapou no Curvone e voltou ao quinto posto, atrás de Viñales e Márquez.
 
Na ponta, Rossi ia colado em Lorenzo, com Viñales já 0s8 atrás.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Na segunda volta, o #46 levou a torcida ao delírio ao assumir a ponta com uma manobra na freada da curva 14. Os dois acabaram se tocando, mas seguiram na prova, com o #46 se afastando ligeiramente.
 
Lá atrás, Rabat caiu na curva 4, mas voltou para a prova sem maiores problemas. O espanhol foi aos boxes na sequência.
 
Na ponta, Valentino passou a apertar o passo e disparou na ponta, de cara abrindo vantagem. Viñales chegou a diminuir o atraso para Jorge, mas o #99 se afastou.
 
No terceiro giro, Viñales foi superado por Márquez e, na sequência, por Dovizioso. O segundo pelotão precisava acelerar para evitar a fuga das Yamaha.
 
Na volta seguinte, Rossi exibiu 0s722 de vantagem para Lorenzo, que vinha 1s165 à frente de Márquez. Dovizioso era o quarto, com Pedrosa passando Maverick pela quinta colocação.
 
Impondo um ritmo forte — com uma volta rápida atrás da outra —, Rossi foi se afastando do #99, enquanto Márquez ia recortando a vantagem do campeão vigente. Pedrosa, por sua vez, pressionava Dovizioso pelo quarto lugar.
 
Durante a quinta volta, Lorenzo chegou a ficar a 0s5 de Rossi, mas o italiano ampliou a margem mais uma vez antes de abrir o giro seguinte. Mais atrás, Pedrosa passou Dovizioso e subiu para a quarta colocação.
 
Ao longo da temporada, Rossi fez boas corridas no calor — Jerez e Barcelona —, mas o desgaste dos pneus é sempre uma preocupação.
 
Ao fim da sétima volta, no entanto, Lorenzo já tinha 1s097 de atraso para o companheiro de Yamaha, com Márquez aparecendo 0s357 atrás.
Jorge Lorenzo ficou em terceiro (Foto: Yamaha)
Ainda neste início de prova, Alex Lowes sofreu uma queda na curva dois e abandonou a corrida de Misano. O britânico foi bastante elogiado nessa estreia na MotoGP em substituição ao lesionado Bradley Smith.
 
Com bom ritmo, Márquez colou de vem em Lorenzo, que não conseguia acompanhar o ritmo do companheiro de Yamaha, que já vinha 1s164 à frente. Quarto, Pedrosa estava a 1s5 da briga pelo pódio.
 
Seguindo a tradição, Rossi preparou um casco especial para Misano, uma referência ao filme ‘Os Irmãos Cara-de-Pau’, o favorito do #46. Nesse início de prova, os rivais não pareciam muito com os policiais que caçavam os irmãos Jake ‘Joliet’ Blues e Elwood Blues na película dos anos 1980.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Passadas as primeiras dez voltas, Lorenzo ia conseguindo manter o atraso para o líder em cerca de 1s1 e já tinha aberto 0s5 de vantagem para Márquez. Pedrosa, por sua vez, vinha no melhor ritmo da prova, tentando encostar no companheiro de equipe.
 
Mais atrás, Viñales passou Dovizioso na curva quatro e subiu para a quinta colocação. Sétimo, Cal Crutchlow ia tentando chegar no rival da Ducati.
 
Na 12ª volta, a vantagem de Rossi em relação a Lorenzo caiu para 0s950, com Márquez se aproximando de Lorenzo mais uma vez. Restavam 16 voltas, e Pedrosa estava a 0s685 do parceiro de Honda.
Vendo a ligeira aproximação de Lorenzo, Rossi voltou a aumentar o ritmo e voltou a abrir 1s194. Márquez vinha 0s5 atrás, com pedrosa chegando cada vez mais perto.
 
Antes de fechar a 14ª volta, Pedrosa passou Márquez por dentro na curva 14 e saltou para a terceira colocação, 0s640 atrás de Lorenzo.
 
Quando a corrida chegou à metade, Rossi tinha 1s2 de margem para Lorenzo, que agora via Pedrosa acelerado atrás. Márquez vinha em quarto, com 5s9 de vantagem para Viñales.
 
Na 15ª volta, Pedrosa anotou 1min32s979, a melhor volta da disputa. Pedrosa, que tinha um pneu macio na frente da RC213V vinha em um ritmo impressionante, mostrando sinais de sua velha forma.
 
Lorenzo, por outro lado, parecia um pouco sem defesas, já que não conseguia encostar em Rossi e tampouco se livrar do #26. Curiosamente, no sábado o #99 declarou que gostaria de ver o antigo rival de volta à briga pela ponta. 
 
O piloto de Palma de Maiorca, entretanto, tinha algo no bolso. Jorge chegou a levar a vantagem de Rossi para 0s8, mas não se manteve muito tempo nesse ritmo. Pedrosa passou pouco depois, com uma manobra na 14, o mesmo ponto onde deixou Márquez para trás.
 
Nesse ponto da disputa, Rossi vinha 1s241 à frente. E restavam 11 giros.
 
Maverick foi punido por exceder os limites da pista e teve de entregar a quinta colocação para Dovizioso. Sétimo, Crutchlow tinha 1s9 de atraso.
Marc Márquez ficou fora do pódio (Foto: Honda)
Viñales reagiu logo e retomou a posição do piloto da Ducati pouco depois.
 
Uma vez em segundo, Pedrosa passou a apertar o passo e começou a reduzir a vantagem de Rossi. Na 19ª volta, o #46 tinha o rival 0s742 atrás.
 
Foi nesse giro também que Aleix Espargaró deu adeus à corrida. O espanhol caiu e voltou apenas para se dirigir aos pits.
 
Antes de fechar a 18ª volta, Pedrosa já estava a 0s4 de Rossi, que vinha em um ritmo mais lento que o titular da Honda. Terceiro, Lorenzo vinha a 0s8 de Dani.
 
Com nove voltas para o fim, Rossi já era pressionado pela ponta tentava apertar o passo aqui e ali para se afastar. Na 20ª volta, a diferença entre os dois era de 0s172.
 
Rossi respondeu, fez sua melhor volta na corrida — 1min33s215 — e se afastou um pouco, mas Pedrosa seguia cercando.
 
Na sequência, Dani encostou de fez, chegando a 0s06 do italiano. Na 21ª volta, Pedrosa passou Rossi por dentro na curva 4 e o italiano não conseguiu responder de imediato. Teve até toque entre os dois — fazia tempo que o #26 não guiava assim.
 
O #46 se manteve por perto, buscando um ponto para reagir ao ataque do espanhol.
 
Com bom ritmo mesmo após escalar o pelotão, Pedrosa começou a cravar as melhores parciais da corrida, tentando abrir vantagem para Rossi, que fazia o máximo para alcançar.
 
Com cinco voltas para o fim, os dois estavam separados por 0s4, com Dani virando melhor para escapar cada vez mais.
 
Na sequência, os dois chegaram a se afastar quase 0s8, mas Rossi fez sua melhor volta — 1min33s025 — para reduzir a vantagem do espanhol.
 
Dani, então, sumiu na ponta e não deu mais qualquer chance ao dono da casa.
 

MotoGP, GP de San Marino e da Riviera de Rimini, Misano, Final:

 
1 26 DANI PEDROSA ESP HONDA 43:43.524 28 voltas
2 46 VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA +2.837  
3 99 JORGE LORENZO ESP YAMAHA +4.359  
4 93 MARC MÁRQUEZ ESP HONDA +9.569  
5 25 MAVERICK VIÑALES ESP SUZUKI +15.467  
6 4 ANDREA DOVIZIOSO ITA DUCATI +19.676  
7 51 MICHELE PIRRO ITA DUCATI +22.936  
8 44 POL ESPARGARÓ ESP TECH3 YAMAHA +27.155  
9 35 CAL CRUTCHLOW ING LCR HONDA +27.202 P +1s5
10 19 ÁLVARO BAUTISTA ESP APRILIA GRESINI +33.968  
11 9 DANILO PETRUCCI ITA PRAMAC DUCATI +39.206  
12 6 STEFAN BRADL ALE APRILIA GRESINI +39.967  
13 8 HECTOR BARBERÁ ESP AVINTIA DUCATI +42.997  
14 50 EUGENE LAVERTY IRL ASPAR DUCATI +49.450  
15 45 SCOTT REDDING ING PRAMAC DUCATI +54.879  
16 68 YONNY HERNÁNDEZ COL ASPAR DUCATI +1:05.072  
17 53 TITO RABAT ESP MARC VDS HONDA +5 voltas  
  41 ALEIX ESPARGARÓ ESP SUZUKI NC  
  12 JAVIER FORÉS ESP AVINTIA DUCATI NC  
  22 ALEX LOWES ING TECH3 YAMAHA NC  
             
POLE JORGE LORENZO ESP YAMAHA 1:31.868 165.6  km/h
VOLTA MAIS RÁPIDA DANI PEDROSA ESP HONDA 1:32.979 163.6 km/h
RECORDE JORGE LORENZO ESP YAMAHA 1:33.273 163.1 km/h
MELHOR VOLTA JORGE LORENZO ESP YAMAHA 1:31.868 165.6 km/h
             
    Condições do tempo   SOL   ar: 28ºC | pista: 43ºC

#GALERIA(5790)

PADDOCK GP #45 COMENTA FIM DE SEMANA COM F1, INDY, MOTOGP E WEC

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube