Por circunstâncias financeiras melhores, Yamaha defende mais provas da MotoGP fora da Europa

Lin Jarvis, diretor da Yamaha, defendeu que a MotoGP realize menos provas na Europa e passe a correr em países da América do Sul, do sudeste da Ásia e também na África

 

De olho em melhores condições financeiras, Lin Jarvis, diretor da Yamaha, acredita que a MotoGP precisa de mais corridas no sudeste da Ásia, além de planejar seu retorno à África e à América do Sul. Ciente das condições difíceis dos países europeus, bastante abalados pela crise econômica dos últimos anos, o dirigente defendeu que o Mundial de Motovelocidade tem de trabalhar para se tornar um campeonato realmente global. 
 
“Eu gostaria de ver este esporte indo para outros mercados ao redor do mundo, que são mercados em crescimento, especialmente no sudeste da Ásia”, declarou. “A MotoGP é muito importante lá e, no momento, nós só temos uma corrida na região, em Sepang. Definitivamente, existe a capacidade de termos mais corridas lá”, avaliou.
De olho em novos mercados, Yamaha aproveita carisma de Rossi e Lorenzo (Foto: Yamaha)
As imagens da visita de Rossi ao Brasil
Rossi defende etapa da MotoGP no Brasil: "Brasileiros merecem"
As imagens da M1, moto da Yamaha para temporada 2013 da MotoGP

“Eu gostaria de ver o campeonato crescer para ser um campeonato verdadeiramente global”, defendeu. “Eu gostaria de vê-lo na América do Sul, de vê-lo voltar à África, gostaria de ver duas corridas no sudeste da Ásia, e eu acredito que se formos para áreas onde a economia tem menos dificuldades do que na Europa, por exemplo, veríamos circunstâncias financeiras melhores”, continuou. 

 
Na visão de Jarvis, o crescimento da MotoGP tem de ser um esforço coletivo, com as equipes trabalhando ao lado da Dorna, promotora do Mundial, e com o suporte da FIM (Federação Internacional de Motociclismo).
 
“Acredito que há uma grande audiência para a MotoGP lá. Nós acreditamos neste esporte, mas precisamos trabalhá-lo junto com os times, com a Dorna e com FIM para procurar crescimento e promovê-lo”, completou. 
 
Atualmente, das 18 provas do calendário, 11 delas são realizadas em países europeus. Os Estados Unidos recebem três etapas – Austin, Laguna Seca e Indianápolis – e as outras quatro são realizadas no Catar, Japão, Austrália e Malásia. 
 
Tentando aumentar sua visibilidade nos mercados em crescimento, a Yamaha vem adotando a estratégia de levar seus pilotos para eventos nesses locais. No início do ano, Jorge Lorenzo e Valentino Rossi estiveram na Indonésia – onde a marca é muito forte – e, recentemente, o italiano esteve em São Paulo para ajudar a Yamaha do Brasil a promover a Factor 125cc.
 
Como comparação, a F1, por exemplo, disputa apenas sete, das 19 provas de seu atual calendário, em países da Europa. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube