Redding reclama da falta de peso mínimo na Moto2: “Tamanho parece mais importante que habilidade”

Scott Redding reclamou de não haver um peso mínimo na Moto2 para o conjunto moto e piloto. Representante da Marc VDS é um pouco maior que seus concorrentes e tem 1,84 m e 74 Kg

Scott Redding afirmou que está ficando cada vez mais frustrado com a ausência de um peso mínimo na Moto2. O piloto da Marc VDS acredita que é prejudicado por sua condição física, por conta da presença de pilotos mais leves do que ele no grid. O britânico tem 1,84 m e 74 kg. Marc Márquez, líder do Mundial, por exemplo, tem 1,68 m e 59 kg.

Pelo regulamento da FIM (Federação Internacional de Motociclismo), a moto da categoria deve pesar 140 kg, mas não há nenhum limite em relação ao peso do conjunto moto e piloto. Na Moto3, por exemplo, piloto e moto devem pesar no máximo 148 kg. A MotoGP segue a mesma linha da classe intermediária e só limita o peso do protótipo – até 800cc, o máximo é de 150 kg. Entre 801 e 1000cc, o limite é de 157 kg. 

Redding é um pouco maior que parte de seus rivais na Moto2 (Foto: Marc VDS)

“Eu deveria estar no pódio, sem dúvida. Fui rápido durante todo o fim de semana, mas, quando importava, o ritmo só não estava lá”, avaliou Redding em entrevista ao site ‘Bikesportnews’ após a etapa de Misano. “A corrida curta deveria ter me favorecido e eu rapidamente encontrei um bom ritmo, mas toda vez que passava alguém, eles simplesmente me passavam nas retas e eu não conseguia dar o troco na curva seguinte, porque eles tinham a velocidade que me faltava”, explicou. 
 
“Está ficando cada vez mais frustrante. Para mim, parou de ser sobre quem é o melhor piloto da Moto2, porque o tamanho parece ser mais importante do que a habilidade”, considerou. “Precisamos encontrar alguma coisa para compensar essa desvantagem e precisamos encontrar logo”, alertou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube