carregando
MotoGP

Retrospectiva 2019: Constância foi chave para abrir janela de título de Dalla Porta

Lorenzo Dalla Porta não teve temporada das mais vencedoras na Moto3, mas encontrou a chave para destrancar o título de 2019. Com regularidade e adversários não tão consistentes, achou a soma perfeita para coroar campeão do ano

Grande Prêmio / NATHALIA DE VIVO, de São Paulo
Lorenzo Dalla Porta mostrou ter aprendido na temporada 2019 da Moto3 o que era importante para colocar as mãos no título. Mais do que vitórias, apostou em desempenho regular durante o ano para fechar o campeonato com a coroa na cabeça e a taça na mão.
 
Em seu terceiro ano completo correndo na menor das classes do Mundial de Motovelocidade, o titular da Leopard Racing soube aproveitar a oportunidades e apesar de não ter sido presença frequente no degrau mais alto do pódio, ficou fora do top-10 apenas três vezes – uma com um abandono.
 
O começo da campanha do italiano foi lento. Seria mentira dizer que brigou pelo título desde o início da temporada, afinal, na primeira metade de 2019 chegou a figurar na quinta colocação e parecia carta fora do baralho, vendo adversários como Arón Canet, Marcos Ramírez e Tony Arbolino mais fortes na batalha.
Lorenzo Dalla Porta (Foto: Leopard Racing)
Mas se precisava remar para conseguir recuperar o terreno e alcançar os rivais, fechou a primeira parte do campeonato mostrando que começava a esboçar uma reação. Afinal, foi na Alemanha, corrida que antecedeu as férias de verão, que veio a primeira vitória. A partir de então, a subida começou.
 
O cenário começou a mudar verdadeiramente na Áustria. Apesar de ter cruzado a linha de chegada no Red Bull Ring na sexta colocação, viu Canet, no momento o principal adversário pela coroa, ser apenas o décimo. A partir de então, grudou na primeira colocação da classificação e dali não se soltou até o final.
 
E se a regularidade foi a principal chave para entregar o título ao #48, é verdade também que o destino chegou a ser bastante generoso com o piloto nascido em Prato. Em sua trilha para o Olimpo da Moto3, encarou adversários que contaram com a inconsistência e abandono como melhores amigos na temporada.
Lorenzo Dalla Porta (Foto: Leopard Racing)
A começar com o próprio Arón que, apesar de três vitórias, zerou em duas oportunidades, além de ter se colocado fora do top-10 em outras seis corridas. Enquanto isso, outros exemplos foram também bastante expressivos, como Jaume Masiá e seus abandonos, ou Kaito Toba que não pontuou em dez disputas e ainda não correu outra.
 
Dalla Porta se mostrou tão disposto a conseguir o título de 2019 que não deixou escapar na primeira oportunidade que topou. Na Austrália teve seu primeiro ‘match point’ e garantindo a vitória em Philipp Island, trouxe em definitivo o troféu para casa.
 
Com a regularidade que encontrou na pista e encarando adversários não tão consistentes. Lorenzo mostrou que nem sempre precisa ter uma campanha vencedora para ter uma temporada campeã.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.