MotoGP

Rins se diz “estimulado” por responsabilidade na Suzuki e crê que saída de Iannone “não muda nada”

Álex Rins se mostrou tranquilo com o papel de líder da Suzuki e avaliou que a saída de Andrea Iannone “não muda nada”. Espanhol considerou que a responsabilidade de orientar a evolução da GSX-RR lhe serve de motivação
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Álex Rins (Foto: Suzuki)
Álex Rins não está preocupado com o aumento de responsabilidade na Suzuki. Com a troca de Andrea Iannone por Joan Mir, o #42 passa a ser o piloto mais experiente do time e, assim, a ter maior peso nos rumos do desenvolvimento da GSX-RR.
 
Em entrevista ao site italiano ‘GPOne’, Rins celebrou o novo contrato com o time comandado por Davide Brivio e disse que segue com as mesmas responsabilidades.
Álex Rins não está preocupado com a maior responsabilidade na Suzuki (Foto: Divulgação/MotoGP)
“Me sinto em casa na Suzuki e fico feliz por ficar mais dois anos”, comentou Rins. “Terei as mesmas responsabilidades de antes, mesmo sem Iannone”, seguiu. 
 
“Nós todos estamos trabalhando duro no time com a meta de alcançar o topo”, frisou.
 
Questionado sobre o que muda com a saída de Iannone e a chegada de Mir, Rins respondeu: “A saída de Andrea não muda nada”. 
 
“Eu tenho mais experiência do que tinha dois anos atrás, embora Iannone, claro, seja um piloto forte”, ressaltou. “A responsabilidade não me preocupa. Na verdade, isso me estimula e me dá força”, contou.
 
Apesar de a Suzuki ter dado um passo importante em 2018, Rins entende que Honda, Ducati e Yamaha ainda estão um pouco à frente.
 
“Ainda existe uma diferença, mas é menor”, apontou Álex. “Honda, Ducati e Yamaha claramente têm algo a mais, mas não vamos esquecer que a Suzuki retornou às competições apenas recentemente”, completou.