Rossi avalia retorno à Yamaha e encerra problema com Lorenzo: “Mudou muita coisa”

Valentino Rossi afirmou que não pode esperar muito para decidir futuro e avaliou permanência na Ducati como opção de risco. Italiano garantiu que problemas com Jorge Lorenzo ficaram no passado

O GP dos Estados Unidos de MotoGP foi palco para muita especulação sobre o futuro de Valentino Rossi. Após Ben Spies anunciar que não ficará no time nipônico em 2013, o caminho na casa Iwata ficou aberto para o italiano, mas o multicampeão afirmou que ainda não decidiu o que fazer.

Em Laguna Seca, Rossi recebeu o presidente da Ducati, Gabriele Del Torchio, que lhe comunicou a proposta da esquadra vermelha. Em entrevista à TV italiana, o piloto contou que o time lhe ofereceu menos dinheiro e não entrou em detalhes sobre o projeto técnico, mas destacou que segue atraído pelo desafio de tornar a GP12 uma moto vencedora.

Antes de iniciar suas curtas férias, Valentino conversou com a revista britânica ‘Motorcycle News’ e reconheceu que a opção na Ducati é a mais arriscada.
 

Rossi avalia opção por permanecer na Ducati como arriscada (Foto: Ducati)

“É um risco também porque eu não posso esperar para tomar uma decisão. Ou [Andrea] Dovizioso vai ficar muito bravo”, brincou. “Mas ao mesmo tempo o problema é esperar pela Audi e pela Ducati. É muito cedo para entender quem virá para ajudar a Ducati, então terei de fazer uma aposta sem ver a situação de forma muito clara”, afirmou.

Questionado se suas opções são Yamaha e Ducati, Rossi contou: “Eu também tenho uma terceira opção, mas não é de uma equipe de fábrica. Eu considero esta opção, mas, com certeza, quero ficar com um time de fábrica.”

Entre 2008 e 2010, período em que dividiu os boxes da Yamaha com Jorge Lorenzo, a dupla não teve uma relação amistosa, provocando uma divisão na garagem do time. Apesar do conflito do passado, Rossi garantiu que a presença do espanhol não o incomoda e mostrou que a desavença entre os dois chegou ao fim.

“Meu sentimento mudou porque mudou muita coisa. Tive alguns problemas no passado com o Jorge, especialmente porque eu estava bravo com a Yamaha. Depois de tudo que fiz pela Yamaha, eles colocaram no time um companheiro muito forte, então eu fiquei mais puto com a Yamaha do que com ele”, contou. “Agora é uma situação diferente e eu entendo que a Yamaha fez a escolha certa para a Yamaha. Isso não é um grande problema”, defendeu.

Ao contrário do que sempre aconteceu em sua carreira, se optar por voltar para o time nipônico, Valentino o fará na posição de segundo piloto. “Este é outro ponto importante para fazer a escolha, porque na Ducati eu posso ser o número um e na Yamaha tem o Lorenzo”, avaliou. “É outra coisa para considerar”, completou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube