MotoGP

Rossi diz que evolução “não é suficiente” e mantém pressão para Yamaha “trabalhar em todas as áreas”

Valentino Rossi considerou que a evolução mostrada pela Yamaha nos testes de Valência e Jerez não é o suficiente para devolver a competitividade da YZR-M1. O #46 considerou que a casa de Iwata tem de seguir trabalhando em todas as áreas do protótipo 1000cc
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Valentino Rossi (Foto: Yamaha)
Depois de uma temporada bastante difícil em 2018, Valentino Rossi não quer nem saber de aliviar a pressão em cima da Yamaha. Passados os testes de Valência e Jerez, o #46 insiste que a casa de Iwata ainda precisa levar mais avanços para a atividade de Sepang, marcada para o início de fevereiro.
 
Apesar de Maverick Viñales ter fechado esses últimos dois testes confiante nas chances da Yamaha de brigar pelo time, Rossi mantém os pés no chão e insiste que os engenheiros do time dos três diapasões têm de fazer mais para recuperar a velha forma.
Valentino Rossi segue pressionando por melhoras da Yamaha (Foto: Divulgação/MotoGP)
“Para mim, nós temos muito trabalho a fazer se quisermos tentar sermos competitivos, especialmente com Ducati e Honda, mas também com a Suzuki. Então espero que a Yamaha continue trabalhando e forçando para ter algo melhor em fevereiro”, pressionou. “Nós temos de trabalhar em todas as áreas, pois ainda sofremos. Esses dois testes não foram ruins, especialmente este. Mas precisamos continuar trabalhando”, insistiu.
 
“Das coisas que nós tínhamos de decidir, nós já decidimos e acho que a situação está bem clara. Mas, para mim, ainda temos de trabalhar. Parece que melhoramos um pouco, mas não o bastante”, frisou. “Nós sempre temos dificuldade com a aderência em aceleração, escorregamos e patinamos. Nós melhoramos um pouco, mas, para mim, não o suficiente. Nós precisamos de um esforço maior no próximo ano”, pressionou.