Rossi fecha acordo com SRT Yamaha, mas sem assinatura: “Não temos pressa”

O multicampeão contou que os detalhes do contrato para 2021 foram discutidos em Misano, mas o vínculo ainda não foi assinado. O italiano não conseguiu assegurar a transferência de todos seus mecânicos

Falta pouco para o acordo entre Valentino Rossi e a SRT Yamaha ser consumado. O italiano de 41 anos garante que todos os detalhes foram acertados, mas a assinatura do novo contrato segue pendente.

Rossi faz em 2020 a última temporada com o time de fábrica da Yamaha, já que será substituído por Fabio Quartararo no próximo ano. Assim, vai descer para a equipe satélite, mas ainda contando com apoio integral da casa de Iwata.

Depois de muita demora e muitos rumores, o piloto assegurou que já está apalavrado com a equipe malaia, mas ninguém está com pressa de assinar o contrato.

Valentino Rossi garante que vai correr em 2021 (Foto: Divulgação/MotoGP)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

“Entre as corridas de Misano, acertamos tudo. Também nesses últimos dias. A situação é muito clara: vou correr com a Petronas no próximo ano”, disse Rossi. “Mas o contrato é um pouco longo, falta arrumar algumas coisas e não estamos com pressa, honestamente, porque já temos um acordo”, seguiu.

“Mas acho que vou assinar durante este fim de semana e estou muito feliz em continuar no próximo ano, junto com a Yamaha e a Petronas”, comemorou.

Ainda, Rossi explicou que a especificação da moto foi uma das causas para a demora no acordo. A Yamaha já tinha assegurado uma YZR-M1 de fábrica, mas ainda restavam detalhes como atualizações, por exemplo.

Além disso, Valentino também tentou levar toda a atual equipe técnica na Yamaha para a SRT, mas acabou não conseguindo. Assim, será acompanhado pelo engenheiro de dados Matteo Flamigni, pelo chefe de equipe David Muñoz e pelo analista de performance Idalio Gavira. Os mecânicos Alex Briggs e Brent Stephens não estarão com o piloto pela primeira vez desde a estreia do italiano das 500cc.

“Às vezes, as pessoas na MotoGP assinam contrato para o ano seguinte muito cedo. Muitas vezes você já começa a pensar na próxima temporada antes de pensar na atual”, comentou Rossi. “Acho que dia a dia, passo a passo, as pessoas assinam cada vez mais cedo, mais cedo que a Fórmula 1, por exemplo”, comentou.

“Já conversamos em Jerez e eu estava em acordo com a Yamaha e também com a Petronas, mas como estamos ok, não fazemos as coisas com pressa”, justificou. “É um contrato importante, então temos coisas a acertar, técnicas, a moto e também o time. Pois, alguns caras irão da Petronas para a Yamaha com Quartararo e vice-versa”, lembrou.

“Lamento muito por Alex e Brent. Eles queriam me acompanhar, mas não foi possível. Vai ser triste não tê-los na garagem”, reconheceu.

Pelo Twitter, Briggs lamentou não ter a chance de seguir Rossi até o fim da carreira. O australiano trabalhava com o piloto desde o começo da carreira nas 500cc.

“Você já deve ter ouvido a notícia de que não vou acompanhar o piloto para a Petronas no próximo ano. Embora eu quisesse ver o fim da carreira dele e ele tenha tentado tornar isso realidade, não era o que a Petronas tinha em mente”, escreveu. “Além disso, sei desde Jerez que não há lugar para mim na equipe Monster Factory no próximo ano. Então agora sou um agente livre e consideraria ofertas, mas muito provavelmente vou ficar na Austrália no próximo ano. Depois de 28 temporadas trabalhando no campeonato mundial para os melhores pilotos na história das corridas”, completou o mecânico, que também trabalhou com Mick Doohan.

O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do GP da Catalunha, nona etapa do Mundial de Motovelocidade 2020.

LEIA TAMBÉM
Com Dovizioso, MotoGP tem menor pontuação na liderança após sete etapas em 35 anos

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube