Sem Folger, chefe da Tech3 fala em buscar substituto na Moto2 e avisa: “Não vou pegar um piloto de outro time”

Chefe da Tech3 avaliou que solução ideal para ausência de Jonas Folger é encontrar um piloto na Moto2. Hervé Poncharal descartou pegar um piloto que tem contrato com outra equipe, como é o caso de Jonathan Rea, Michael van der Mark e Alex Lowes

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Hervé Poncharal tem um belo pepino para resolver. Às vésperas do início da pré-temporada, Jonas Folger comunicou ao time que não vai correr em 2018, já que ainda não se sente preparado em razão da Síndrome de Gilbert, uma condição onde o fígado não processa corretamente a bilirrubina, e deixou a escuderia desfalcada.
 
Correndo contra o tempo, o chefe da Tech3 garante que terá o time completo para a temporada, mesmo que agora a escuderia tenha sentido o golpe da ausência de um de seus titulares.
Hervé Poncharal descartou 'roubar' piloto de outro time (Foto: Tech3)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

“Posso dizer que, certamente, correremos com dois pilotos em 2018, mesmo que tenha sido um duro golpe para a equipe”, afirmou Poncharal em entrevista ao site italiano ‘GPOne’. “Estava tudo pronto para Sepang, mas a uma semana do teste, é difícil encontrar alguém”, seguiu.
 
Questionado se já tinha sido procurado por agentes e pilotos, Poncharal respondeu: “Meu telefone está tocando desde a noite passada e eu sigo recebendo e-mails. São muitas ofertas”.
 
O dirigente entende, entretanto, que a melhor opção seria pegar um piloto da Moto2, já que não considera certo contratar alguém que já tem vínculo com outra equipe.
 
“[A melhor opção] seria pegar um jovem da Moto2 e fazê-lo crescer, este é o projeto que mais me interessa”, afirmou. “Até porque, temos Johann [Zarco], que agora tem um ano de experiência. Mas tem um ponto fundamental: não vou pegar um piloto que tem contrato com outra equipe. Não seria correto”, defendeu.
 
“Alguns pilotos me ligaram dizendo que estavam livres, mas eu sei que não é assim. Ou a equipe os libera e me assegura que já tem um substituto, ou não podemos nem começar a falar. Nisso, sou categórico”, reforçou.
 
Com o anúncio da ausência de Folger, o nome de Jonathan Rea ganhou força na internet, mas Hervé ressalta que o tricampeão do Mundial de Superbike tem contrato com a Kawasaki, assim como Alex Lowes e Michael van der Mark, os titulares da Yamaha.
 
“Ele tem contrato com a Kawasaki. O mesmo vale para Alex Lowes e Van der Mark com a Yamaha. É o que eu disse antes: não vou pegar um piloto de outro time”, sublinhou.
 
Perguntado se tem uma data limite para resolver o problema, Poncharal disse: “Quero ter uma decisão até o teste da Tailândia, mas, no momento, tenho de esperar. Estaremos no teste de Sepang com Zarco e toda a equipe. As reservas estão feitas, então se a Yamaha quiser colocar um de seus pilotos, nós estamos disponíveis”.
 
Por fim, Poncharal celebrou o apoio que recebeu de Kouichi Tsuji, diretor da divisão esportiva da Yamaha.
 
“Do Japão, eles me deram um grande apoio e isso me agradou. Tsuji me disse que vai apoiar a minha escolha”, completou.
EM BUSCA DO SONHO DA F1

PIETRO FITTIPALDI REVELA QUE NEGOCIOU COM A SAUBER PARA 2018

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube