Sem MotoGP, Dovizioso vê “golpe psicológico” com falta de rotina

Andrea Dovizioso reconheceu que ficou desapontado com o cancelamento do GP do Catar, uma prova que tradicionalmente é boa para a Ducati. O italiano ressaltou, porém, que o início do campeonato ainda vai depender do desenrolar da pandemia do coronavírus

Andrea Dovizioso avaliou que o adiamento do início da temporada 2020 da MotoGP é um “golpe psicológico” para os pilotos. Por conta da pandemia de coronavírus, o início da disputa está marcado apenas para maio, com o GP da Espanha
 
A MotoGP teve de cancelar o GP do Catar para a classe rainha e transferir para o fim da temporada as provas de Tailândia, Austin e Argentina.
 
Falando à emissora italiana Sky, Andrea fez um balanço das mudanças e reconheceu a tristeza com a cancelamento da corrida de Losail, onde a Ducati costuma ter um bom desempenho.
O capacete de Andrea Dovizioso em 2020 é inspirado no elmo de Seiya, o cavaleiro de Pégaso (Foto: Instagram/Andrea Dovizioso)
Paddockast #52
PREVISÕES CERTEIRAS E OUSADAS PARA A F1 2020

Ouça:

Spotify | iTunes | Android | playerFM

“Antes de mais nada, fiquei um pouco desapontado, porque o Catar é uma boa pista para nós, então estava confiante e mal podia esperar para começar”, disse Andres. “Em segundo lugar, existe um aspecto que preocupa os pilotos da MotoGP. Nós estamos acostumados a ter tudo dentro de um cronograma preciso. As datas são as mesmas e os horários também. Quando você tem algumas coisas definidas por anos, isso se torna um hábito, mais do que em outros esportes. Então, não ter essas coisas fixas, é um golpe psicológico. A coisa mais difícil é o adiamento. Vai durar até maio”, seguiu. 
 
“Você sente falta de fazer as coisas e é difícil. Você não pensa em descansar, só quer dizer: ‘Eu gostaria de ir para lá, gostaria de fazer isso’, mas os fatos são esses e temos de nos adaptar”, reconheceu.
 
Por conta dos adiamentos, o calendário da MotoGP acabou bastante apertado na reta final do campeonato, duas trincas de corridas: Japão-Austrália-Malásia e Austin-Argentina-Valência.
 
“Vai ser difícil e vai depender muito da sua velocidade. Se você for rápido, você pode vencer e tirar vantagem disso. Se você está com problemas, você corre o risco de afundar completamente”, ponderou. “De qualquer forma, não estou olhando para o calendário. Ainda é cedo e a situação no mundo ainda pode mudar bastante. Estão tentando entender a evolução das coisas até mesmo dentro da Ducati. Quando estiver certo que vamos começar numa data e terminar em outra, aí eu começo a pensar”, encerrou. 
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube