Suzuki se junta a Honda e Ducati em teste de Misano e foca no acerto do chassi e da eletrônica da GSX-RR

Com Maverick Viñales e Aleix Espargaró, a Suzuki completou uma bateria de dois dias de testes em Misano. Time nipônico aproveitou a passagem pelo traçado de San Marino para trabalhar no acerto do chassi e da eletrônica da GSX-RR

Além de Honda e Ducati, a Suzuki também aproveitou esses primeiros dias pós-GP da Alemanha para testar. Com Aleix Espargaró e Maverick Viñales, o time chefiado por Davide Brivio completou na quinta-feira (16) uma bateria de dois dias de testes privados.
 
Além de verificar as informações coletadas até aqui, os dois espanhóis trabalharam em novos acertos para a GSX-RR, focando especificamente em chassi e eletrônica.
Maverick Viñales se mostrou animado com o teste em Misano (Foto: Suzuki)
Ao longo desses dois dias, Viñales completou um total de 166 voltas, a melhor delas em 1min32s7. Na visão do jovem estreante, o exercício foi importante para indicar onde a Suzuki pode melhorar o protótipo.
 
 “Sinto que este teste foi muito útil para nós. Entendemos melhor onde podemos melhorar e trabalhamos para estarmos preparados para as próximas corridas”, comentou Maverick. “Fiz muitas voltas em um tipo de configuração de corrida, com tanque cheio e um acerto único, e me senti melhor e melhor a cada volta.”, seguiu.
 
“No começo, tive uma sensação ruim com a tração na saída, mas também tive problemas para ser rápido na entrada de curvas lentas. Nós aplicamos muitas melhoras ao chassi e elas deram resultados positivos”, relatou. “Agora temos muitas opções que já sabemos que podem ser úteis ou serem adaptadas a cada circuito. Com o feeling que tenho agora, gostaria que a corrida em Indy fosse na semana que vem, porque com essas melhorias, me sinto muito confortável com a minha máquina, mas nós também precisamos de um tempo para descansar e, ainda mais importante, para revisar todos os dados e consolidar nossas informações”, completou.
Aleix Espargaró quer deixar para trás desempenho de Sachsenring (Foto: Suzuki)
Espargaró, por sua vez, fez um total de 121 voltas, a mais rápida em 1min32s8. De acordo com o catalão, o forte calor de Misano dificultou o teste, mas foi possível melhorar a eletrônica da GSX-RR.
 
“O calor extremo dificultou bastante este teste, mas estou feliz pelo que coseguimos. Depois de Sachsenring, era importante recuperar o feeling com a frente, especialmente nas curvas mais lentas, e nós finalmente pudemos testar várias configurações de set-up que, no fim, me deram um feeling muito positivo”, explicou. “Nós também melhoramos a eletrônica e trabalhamos na configuração de corrida, verificando a consistência da performance com os pneus duros, apesar de não termos feito nenhum long-run ou simulação de corrida”, seguiu.
 
“A moto está reagindo bem, o feeling é positivo e o mais importante é que encontramos várias maneiras de abordar as próximas corridas e soluções de set-up. Isto é importante para um time novo como o nosso”, frisou. “Agora nós desconectamos um pouco e aproveitamos pequenas férias, mas, para ser honesto, estou ansioso para voltar a correr, porque sinto que preciso me recuperar de uma performance ruim em Sachsenring”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube