MotoGP

Viñales se destaca ao buscar tempo, mas segundo dia de testes traz MotoGP com nível equilibrado

A MotoGP concluiu mais um dia dos testes coletivos pré-temporada 2019 em Sepang. Nesta quinta-feira (7), Maverick Viñales esperou os instantes finais para cravar a melhor volta do dia, que foi marcado pelo grande equilíbrio apresentado pelos pilotos

Grande Prêmio / JULIANA TESSER, de São Paulo / NATHALIA DE VIVO, de São Paulo
Mais um dia de testes pré-temporada 2019 da MotoGP se foi. Nesta quinta-feira (7), os pilotos voltaram à pista para mais uma sessão de atividades em Sepang e mostraram na tabela de tempos que o grid está bastante equilibrado, ao menos neste começo.
 
Maverick Viñales foi um dos pilotos que mais rodou no circuito malaio. Com mais de 60 voltas completadas, tratou de cravar o tempo mais rápido do dia apenas no minuto final, virou 1min58s897 e quebrou o recorde da pista.
 
Na parte final da tarde, os pilotos passaram a testar diferentes estratégias, o que acabou por separá-los na folha de tempos. Entretanto, durante a maior parte do dia, as marcas anotadas seguiram bastante próximas e chegaram a indicar um nível padronizado do grid, com 19 pilotos separados por menos de 1s.
 
Líder das atividades, o espanhol da Yamaha explicou o trabalho feito pelo time japonês. “Honestamente, nós tentamos trabalhar muito duro hoje no ritmo de corrida. Usamos a especificação da corrida o tempo todo. Eu me senti bem e, por volta do meio dia, fizemos bons tempos de volta, especialmente durante a simulação de corrida, quando estava quente, sem aderência. Então eu, de fato, estou muito feliz com a forma como hoje correu”, indicou.
Maverick Viñales (Foto: Yamaha)
“Vamos tentar melhorar a aceleração. Tenho muito pouca aderência neste momento, e temos de seguir trabalhando nisso. Hoje conseguimos uma grande melhora na saída de curva, mas, com certeza, precisamos encontrar algo mais. Temos coisas novas para testar amanhã. Estou contente com o trabalho que a Yamaha fez neste inverno, que está se mostrando muito bom. Temos de melhorar alguns detalhes, mas já estamos polindo as coisas”.
 
Questionado se poderia ter sido ainda mais rápido se tivesse tentando sua melhor volta pela manhã, quando as temperaturas estavam mais baixas, Viñales respondeu: “Não sei. Depende muito se o pneu tem mais ou menos aderência. Temos de manter a calma e entender o caminho a seguir. Hoje nós melhoramos muito a moto. Temos de seguir tentando amanhã”.
 
Segundo colocado da tabela após passar brevemente pela liderança nos instantes finais, Álex Rins mostrou satisfação com o trabalho feito, especialmente com as novas áreas testadas. “Hoje também foi um dia produtivo. Tentamos algumas coisas diferentes, trabalhamos um pouco na área da eletrônica, foi bom”, apontou.
 
“Como pode ver, o ritmo de corrida também estava bom. Então, estou feliz. Mas precisamos confirmar muitas coisas. Tentamos muitas coisas, dei aos engenheiros minha opinião, eles também têm a sua. Mas se der para melhorar em algumas áreas, talvez na estabilidade e freios, gostaria de melhorar um pouco”, seguiu.
 
Nos boxes da Ducati, Andrea Dovizioso, que ficou em quarto, também demostrou felicidade com o cronograma completado junto à equipe, especialmente por voltar aos poucos ao ritmo após a pausa de inverno. “Eu estou feliz sobre hoje. Acredito que trabalhamos na direção certa, pois é o primeiro teste depois das férias. É importante conseguir o ritmo, trabalhar em alguns detalhes. Com Danilo [Petrucci], fizemos uma boa simulação de corrida, dez e dez voltas. Hoje foi bom, a velocidade estava boa. Estamos trabalhando para a temporada, olhando para os detalhes, nossa base é boa”, frisou.
 
Entretanto, o italiano apontou que não sai completamente feliz do dia, já que ainda existem pontos a melhorar. “Precisamos trabalhar em alguns detalhes para ser um pouco melhor. Há muitas coisas que podemos trabalhar, não estou 100% feliz. Temos estamos no caminho certo, um bom caminho, o feeling é bom, mas os competidores são muito fortes”.
 
Danilo Petrucci também não conteve as palavras após as atividades, indicando a importância das simulações de corrida feitas por seu novo companheiro de equipe. “Foi muito boa, muito boa. Difícil, porque foi na hora da corrida, entre 15h e 16h. Nós já tínhamos planejado isso ontem. Eu estou feliz, porque, especialmente na segunda parte, estava na frente com um pneu usado, e terminamos com tempos de volta muito, muito bons. Acho que, para nós dois, foi muito, muito importante, e útil, porque introduzimos uma maneira diferente de trabalhar como companheiros de equipe. Estou feliz com hoje”.
 
“No momento, acho que eu tenho mais coisas para aprender em comparação com Dovi. Eu acho que, neste momento, eu posso, digamos, que aprender muito mais seguindo-o. Foi importante para entender as linhas, entender a maneira de usar a moto. E, para ele, na segunda parte, quando eu estava à frente, foi útil por conta da temperatura do pneu, para ver a moto por trás, para ver quais são os pontos fracos da moto”. 
Danilo Petrucci (Foto: Divulgação/MotoGP)
Vindo de um longo processo de recuperação de seu tornozelo lesionado, Cal Crutchlow impressionou ao surgir no quinto posto da tabela. O inglês avaliou o dia positivamente, apesar de reconhecer que ainda precisa se ajustar a moto. “Tive um bom dia, fiquei satisfeito que a equipe foi bem, mas agora estou ansioso para olhar para o segundo dia e a nova moto para progredir para amanhã. Acredito que todo o pacote é muito bom, eles trabalharam muito bem com a moto no inverno”, falou.
 
“No momento, não tenho um bom feeling com a moto, para ser honesto, mas acredito que o pacote vai ser potencialmente melhor. Só precisamos ajustar a moto para a maneira que eu gosto no momento. Então, meu feeling na moto é um pouco pior, mas não significa que a moto é pior. Eu só preciso ajustá-la ao meu estilo e da maneira que eu quero, ou da maneira que preciso. No geral, estou feliz com o desempenho do motor, e estamos ansiosos para seguir com o programa amanhã”, continuou.
 
0s728 mais lento que seu companheiro, Valentino Rossi explicou como a Yamaha seguiu o trabalho iniciado no primeiro dia de atividades. “Continuamos o trabalho, pois tínhamos outras coisas para melhorar, mas hoje não foi tão ruim. Nós achamos algo que melhora o desempenho, acredito que foi bom. Meu ritmo sempre foi bem forte. Foi um segundo dia bastante positivo. Ainda temos coisas para amanhã, vamos continuar o trabalho. Vamos ver como é nossa situação após os três dias”.
 
O italiano ainda afirmou que o time está na direção certa, o que claramente foi mostrado por Viñales. “Sempre tentamos melhorar a aderência e ter um bom feeling com os novos pneus. Para mim, trabalhamos bem. Pelo que eu sei, estamos na mesma direção. Olhando para o tempo de volta, acredito que Maverick está bastante otimista, pois ele marcou o recorde de volta. Então, para nós é importante, pois significa que a moto tem um bom potencial”, comentou.
 
Já o dia não foi tão positivo para Marc Márquez. Fechando 0s893 atrás de Viñales, reconheceu que o seu ombro operado foi um problema, limitando sua pilotagem. “Hoje nós trabalhamos muito como ontem e tentamos algumas coisas novas, as mais importantes para a Honda. Eu comecei o dia bem, mas aí o ombro começou a ficar um pouco pior, então nós paramos para podermos rodar amanhã outra vez. Eu não posso pilotar exatamente como gostaria. Normalmente, sou um piloto que freia muito tarde e forte, mas eu não posso fazer isso no momento e tenho de frear mais cedo e suave. No que diz respeito à moto, nós trabalhamos mais com a saída de curva, mas, às vezes, a aderência muda muito neste circuito”, explicou.
Marc Márquez (Foto: Repsol)
Na KTM, uma boa evolução foi vista. Johann Zarco, que fechou o dia de abertura de atividades em 20º, ficou com o 11º tempo nesta quinta-feira. O francês exaltou o bom desempenho e o avanço que tem feito na nova casa. “Estou bastante feliz. De manhã, consegui começar bastante rápido. Então, com a condição mais quente trabalhamos com os dois pneus usados tentando achar coisas que queremos trabalhar”, disse.
 
“Na parte da tarde, não foi fácil, mas sinto que há algo que preciso trabalhar na moto, me acostumar com alguns ajustes. Vamos continuar nesse caminho, acredito que amanhã podemos melhorar. A entrada da curva era meu ponto fraco, agora parece que estamos alguns dias na Malásia, pude melhorar esse feeling. Depois eu também estava sofrendo na curva, de virar a moto na curva, agora também estou com um bom feeling dentro da curva e realmente feliz em melhorar com o novo pneu”, encerrou.