Viñales usa queda de Márquez e vence 2ª seguida. Rossi vai ao pódio e Lorenzo não passa da primeira curva na Argentina

Maverick Viñales completou o fim de semana de ‘replay’ no Mundial de Motovelocidade e escapou na ponta para vencer a segunda consecutiva na temporada 2017. No 350º GP da carreira, Valentino Rossi superou Cal Crutchlow e ficou com o segundo lugar

O GP da Argentina foi realmente atípico. Depois de Joan Mir e Franco Morbidelli repetirem as vitórias do Catar em Moto3 e Moto2, respectivamente, Maverick Viñales voltou a corresponder à expectativa neste domingo (9) e conseguiu sua segunda vitória na temporada 2017.
 
Largando na pole-position, Marc Márquez começou bem a corrida e tratou de abrir um caminhão de vantagem em relação a Cal Crutchlow ainda nos primeiros giros. A aventura do espanhol, no entanto, durou pouco, já que um tombo acabou por tirá-lo de campo.
A classificação do Mundial de Motovelocidade após o GP da Argentina
Maverick Viñales venceu a segunda seguida em 2017 (Foto: Yamaha)

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Saindo da sexta colocação, Viñales não tardou a escalar o pelotão e aproveitou a queda de Márquez para assumir a liderança. Uma vez na ponta, o espanhol não foi mais visto e escapou na frente para se tornar o primeiro piloto da Yamaha a vencer as duas primeiras provas da temporada desde Wayne Rainey em 1990.
Bem desde o início da corrida, Cal Crutchlow passou a ser pressionado por Valentino Rossi, mas resistiu ao italiano até o 18º giro, quando foi ultrapassado na curva cinco. Restando três voltas para o fim, o multicampeão escapou de vez e consolidou a dobradinha da Yamaha. 
 
Também em uma boa corrida de recuperação, Álvaro Bautista saiu de décimo para receber a bandeirada em quarto, à frente de um ótimo Johann Zarco, 14º no grid. 
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Já com duas voltas para o fim, Jonas Folger conseguiu tomar o sexto posto de Danilo Petrucci, o único a receber a bandeirada com a GP17. Scott Redding aparece atrás do companheiro de equipe, com Jack Miller e Karel Abraham completando o top-10.
 
Depois de uma classificação ruim, a Ducati viu o fim de semana ficar ainda pior em Termas de Río Hondo. Atingido por Andrea Iannone, que queimou a largada, Jorge Lorenzo não passou da primeira curva. Andrea Dovizioso foi um pouco mais longe, mas abandonou ao ser derrubado por Aleix Espargaró.
A KTM, por sua vez, pontuou pela primeira vez apenas em sua segunda corrida na MotoGP. Pol Espargaró recebeu a bandeirada em 14º, logo à frente de Bradley Smith.
 
Saiba como foi o GP da Argentina de MotoGP:
 
A chuva que atrapalhou o treino classificatório de sábado parece ter encontrado algo melhor para fazer. A previsão do tempo aponta para um domingo nublado em Termas de Río Hondo, mas sem chance de chuva. Segundo os meteorologistas, a temperatura ao longo do dia varia entre 13 e 23°C.
 
Quando os pilotos da MotoGP alinharam no grid argentino, a temperatura estava na casa dos 21°C, com o asfalto chegando aos 26°C. A velocidade do vento era de 10 km/h.
 
No circuito localizado a 1.146 km da capital Buenos Aires, a pole-position era de Marc Márquez, que não conhece nenhuma outra posição de partida no traçado construído entre 2007 e 2008 e remodelado em 2010.
 
Com o domínio do #93 na briga pelos treinos classificatórios, a surpresa fica mesmo por conta de Karel Abraham, o melhor entre os pilotos equipados pela Ducati e o primeiro tcheco a sair na primeira desde a criação da MotoGP em 2000.
 
Cal Crutchlow aparece para completar a primeira fila, com Danilo Petrucci vindo na sequência para repetir as melhor posição de partida. Dani Pedrosa ficou com o quinto posto, seu melhor grid desde o GP da Grã-Bretanha do ano passado.
 
Dominante nos treinos, Maverick Viñales teve mais dificuldades com a YZR-M1 no piso molhado de Termas de Río Hondo e fecha a segunda linha da grelha, à frente de Valentino Rossi, que faz neste domingo seu 350ºGP. É a primeira vez desde a abertura da temporada 2015, no Catar, que a Yamaha não coloca um piloto no top-5 do grid.
 
Na equipe de fábrica da Ducati, a situação não é muito melhor, já que é a primeira vez desde Laguna Seca em 2006 que o time de Bolonha não tem um de seus pilotos oficiais no top-12. Andrea Dovizioso vai sair em 13º, com Jorge Lorenzo apenas em 16º.
 
Para esta segunda etapa do Mundial, a Michelin levou pneus dianteiros e traseiros macios, médios e duros, além dos compostos macios e médios de chuva. A fábrica francesa chegou até a levar um quarto pneu dianteiro para a Argentina, com uma construção mais rígida, mas um atraso provocado por uma greve geral no país acabou tendo o uso deste composto vetado pela Comissão de Segurança.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Em um fim de semana onde a escolha de pneus foi alvo de muitas dúvidas dos pilotos, a escolha acabou variada. Na primeira fila, Márquez, Abraham e Crutchlow optaram pelo composto duro na frente e o médio atrás, mesma escolha de Pedrosa, Dovizioso e Lowes. Viñales, Rossi e Lorenzo, por outro lado, foram com um par de médios, enquanto Petrucci, Aleix e Lowes, por exemplo, escolheram dois duros.
 
Quando as luzes se apagaram na reta de Termas de Río Hondo, os 61.223 espectadores viram Márquez sair bem e manter a ponta, com Crutchlow passando Abraham pelo terceiro posto. Viñales vinha em quarto, com Pedrosa e Rossi fechando o top-6.
 
Ainda nos metros iniciais, Lorenzo caiu, mas não se feriu. O espanhol correu em direção à Ducati para tentar voltar para a corrida, mas não conseguiu.
 
Já na volta inicial, Márquez abriu 1s3 de margem para Crutchlow, enquanto Viñales vinha pressionando em terceiro, seguido por Rossi, Petrucci, Pedrosa, Folger, Dovizioso, Abraham e Bautista. Lá atrás, o lesionado Rins tinha avançado oito posições e aparecia em 15º.
 
Imprimindo um ritmo fortíssimo, Márquez foi se afastando mais e mais de Crutchlow, chegando a 1s858 ainda na segunda volta. Viñales e Rossi vinham colados em Cal, já escapando do alcance de Petrucci.
 
Líder do Mundial, Viñales não esperou muito atacar e assumiu o segundo posto ao superar o #35 na curva cinco. Neste ponto, o piloto da Yamaha já tinha 2s de atraso para Marc.
 
Forçando desde os metros iniciais, Márquez acabou caindo, entregando a liderança no colo de Maverick. O #93 não voltou para a corrida após o acidente na curva dois, o mesmo ponto do tombo da manhã de sexta.
 
Quem também não teve o melhor dos inícios foi Iannone, que levou um ride-through por queimar a largada.
 
Sem Márquez, a briga pela vitória ficou ligeiramente mais animada, já que Crutchlow tinha só 0s4 de atraso para Maverick e Rossi vinha pertinho também.
Com Lorenzo de volta aos boxes, a Ducati encontrou uma explicação para a queda prematura: um toque com Iannone na curva um, algo que foi confirmado pelas imagens.
 
Na abertura do sétimo giro, Viñales já tinha levado para 0s810 sua vantagem na ponta, com Crutchlow aparecendo com 0s630 de diferença para Rossi. Petrucci vinha quase 2s atrás.
 
Completando o dia ruim da Suzuki, Rins, que está lesionado, caiu na curva 13, mas levantou e voltou para a corrida.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Na ponta, Viñales apertou o passo e cravou a melhor volta da corrida — 1min39s700 —, passando de 1s de margem. Rossi, por sua vez, tentava chegar em Cal.
 
Mais atrás, Zarco ia escalando o pelotão. 14º no grid, o francês aparecia em sexto, pressionando Pedrosa. Bautista vinha junto na briga.
 
Na nona volta, Rossi baixou para 0s2 a vantagem de Crutchlow, entrando de vez na briga pelo segundo posto.
 
Livre de Pedrosa, Zarco foi buscar Petrucci e não demorou para colocar o piloto da Pramac para escanteio. Com 15 voltas pela frente, o titular da Tech3 tinha 3s6 de atraso para Rossi.
 
Na 11ª volta da corrida, Rins foi para os boxes da Suzuki e abandonou a corrida. Um esforço hercúleo do espanhol que tem uma fratura na canela e precisou ser retirado da moto pelos mecânicos por conta de fortes dores.
 
Pedrosa, então, passou ao ataque. Depois de se livrar de Petrucci, o espanhol não demorou para dar o bote em Zarco e assumir a quarta colocação.
 
Na ponta, Viñales voltou a apertar o passo, baixando para 1min39s694 o registro de melhor volta da corrida.
 
Como desgraça pouca é bobagem, a Honda viu Pedrosa cair na 13ª volta em Termas de Río Hondo e encerrar mais cedo sua participação na corrida. O #26 caiu na mesma curva que Márquez, a dois.
 
Assim, Zarco subiu para quarto, à frente de Bautista, Petrucci, Dovizioso e Aleix, que formavam um pequeno pelotão. 
 
Com 11 voltas para o fim, Rossi subiu o ritmo e reduziu para 0s201 a margem de Crutchlow.
 
No giro seguinte, mais desfalques. Aleix Espargaró caiu e acabou levando Dovizioso junto. O italiano tem uma zica danada em Termas de Río Hondo.
 
Com sete giros para o fim, Rossi, enfim, conseguiu quebrar a resistência de Crutchlow, passando por dentro na curva cinco. O britânico não conseguiu demonstrar reação e permitiu uma ligeira escapadela do #46.
 
Mais rápido aqui e ali, Rossi foi impedindo uma aproximação mais efetiva de Crutchlow, mas não dava para dizer que os dois estavam separados. Com três voltas para o fim, Valentino escapou de vez, consolidando a dobradinha da Yamaha.
 

#GALERIA(6986)

MotoGP, GP da Argentina, Termas de Río Hondo, Corrida:

1 25 MAVERICK VIÑALES ESP YAMAHA 41:45.060  
2 46 VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA +2.915  
3 35 CAL CRUTCHLOW ING LCR HONDA +3.754  
4 19 ÁLVARO BAUTISTA ESP ASPAR DUCATI +6.523  
5 5 JOHANN ZARCO FRA TECH3 YAMAHA +15.504  
6 94 JONAS FOLGER ALE TECH3 YAMAHA +18.241  
7 9 DANILO PETRUCCI ITA DUCATI +20.046  
8 45 SCOTT REDDING ING PRAMAC DUCATI +25.480  
9 43 JACK MILLER AUS MARC VDS HONDA +25.665  
10 17 KAREL ABRAHAM RTC ASPAR DUCATI +26.403  
11 76 LORIS BAZ ESP AVINTIA DUCATI +26.952  
12 53 TITO RABAT ESP MARC VDS HONDA +41.875  
13 8 HECTOR BARBERÁ ESP AVINTIA DUCATI +42.770  
14 44 POL ESPARGARÓ ESP KTM +43.085  
15 38 BRADLEY SMITH ING KTM +43.452  
16 29 ANDREA IANNONE ITA SUZUKI +46.219  
  4 ANDREA DOVIZIOSO ITA DUCATI NC  
  41 ALEIX ESPARGARÓ ESP APRILIA NC  
  26 DANI PEDROSA ESP HONDA NC  
  22 SAM LOWES ING APRILIA NC  
  42 ÁLEX RINS ESP SUZUKI NC  
  93 MARC MÁRQUEZ ESP HONDA NC  
  99 JORGE LORENZO ESP DUCATI NC  
             
POLE MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 1:47.512 160.9  km/h
VOLTA MAIS RÁPIDA MAVERICK VIÑALES ESP YAMAHA 1:39.694 173.5 km/h
RECORDE VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA 1:39.019 174.7 km/h
MELHOR VOLTA MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 1:37.683 177.1 km/h
             
    Condições do tempo   PISTA SECA   ar: 20ºC | pista: 25ºC
PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube