MotoGP

Viñales vê colegas de Yamaha beneficiados por tática diferente e admite: “Tenho de melhorar nas largadas”

Maverick Viñales indicou um ponto que precisa melhorar para ter corridas melhores. Após o GP do Catar, o piloto reconheceu que precisa melhorar seu modo de largada, vendo nos colegas da Yamaha um exemplo a seguir

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Maverick Viñales apontou uma área que precisa melhorar em suas corridas. Nesta quinta-feira (28), o piloto afirmou que precisa mudar seu procedimento de largada, reconhecendo não começar as corridas da melhor maneira.
 
No GP do Catar, etapa de abertura da temporada, o espanhol largou da pole-position. Entretanto, logo nas primeiras voltas já acabou caindo para o meio do pelotão, cruzando a linha de chegada em sétimo.
 
O titular da Yamaha então pontuou qual a área que precisa rever: o início das corridas. “Tenho de melhorar nas largadas. O resto dos pilotos da Yamaha utiliza outra estratégia, outra maneira de sair e acredito que isso pode nos beneficiar”, falou.
 
“Saio com o gás no limite, os demais, com o gás diferente, então preciso terminar de ajustar a eletrônica. Isso é um bom dado e veremos se podemos ser rápidos”, completou.
Maverick Viñales (Foto: Yamaha)
Tanto na pré-temporada quanto nos primeiros treinos livres no Catar, Viñales tentou focar apenas em seu próprio ritmo. Mas agora, para o GP da Argentina, pretende rodar em grupo para entender onde pode melhorar.
 
“No Catar pensava que poderia ultrapassar fácil, não cruzei com nenhum piloto durante o final de semana e fui por minha conta. Aqui tentarei me mesclar nas primeiras voltas dos treinos livres para entender o que precisamos melhorar”, falou.
 
“Temos a velocidade. A moto está funcionando bem. Precisa melhorar certas coisas como a aceleração. A eletrônica não está no nível dos demais, mas temos muitos pontos fortes e temos que aproveitá-los. O que aprendemos no Catar vai valer para o ano e melhor que aconteça agora do que na metade da temporada”, seguiu.
 
Por fim, Maverick espera que a prova argentina marque um ponto de virada após o 2018 difícil que enfrentou. “No ano passado, fizemos tantas corridas ruins que é difícil mudar o sentimento. Aqui é um bom circuito para mudar as sensações das primeiras voltas”, disse.
 
“É uma pista que se adapta muito bem ao meu estilo. Tenho que tentar estar na primeira fila, o que nos vai dar mais opções. Ser calmos e cautelosos com o trabalho que fazemos”, encerrou.