MotoGP

Viñales vê pódio em Jerez como “fruto da largada”: “É muito importante sentir a confiança de largar bem”

Maverick Viñales relembrou as dificuldades que têm com Jerez e considerou que o terceiro lugar conquistado no GP da Espanha foi fruto de sua boa largada. O #12 considerou que é importante recuperar a confiança em suas largadas

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Resultado de imagem para emoji racing Grandes Entrevistas: Luca Marini
🏍️ Confira a classificação do Mundial de MotoGP após o GP da Espanha

Maverick Viñales considerou que pódio conquistado no GP da Espanha no domingo (5) foi fruto de uma boa largada. O #12 reconheceu que começou 2019 abaixo de sua capacidade, mas celebrou o fato de ter recuperado a confiança para largar.
 
A prova em Jerez de la Frontera foi a primeira das quatro disputadas até aqui em que o espanhol conseguiu ganhar posição na hora da largada, pulando de quinto para quarto.
 
Mais adiante, Viñales se beneficiou do abandono de Fabio Quartararo e segurou as Ducati para celebrar seu melhor resultado na temporada.
Maverick Viñales avaliou que o pódio em Jerez foi consequência da largada (Foto: Divulgação/MotoGP)
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #16: Devemos amar Senna acima de tudo e todos? E domínio da Mercedes torna F1 chata?

 Ouça no Spotify
 Ouça no iTunes
 Ouça no Android
 Ouça no playerFM

“Na verdade, acho que o resultado é fruto da largada. Nós cometemos muitos erros nas corridas anteriores, quando me senti ainda melhor do que em Jerez”, disse Viñales. “Mas, de qualquer forma, é muito importante sentir a confiança de largar bem, de estar lá nas primeiras voltas”, seguiu.
 
“Estar no pódio em Jerez é como uma vitória, porque é uma pista onde realmente tenho dificuldade, uma das piores do calendário para mim, então foi muito importante ficar na frente das Ducati, porque eles também estavam forçando muito no fim da corrida”, comentou.
 
Viñales contou que vinha trabalhando com sua equipe para melhorar as largadas, mas avaliou que já tinha feito um bom trabalho em Austin, quando foi punido por queima de largada.
 
“Nós trabalhamos muito na largada neste fim de semana, tentando encontrar um método de ser mais consistente no início, e acho que finalmente encontramos”, comentou. “Além disso, em Austin, eu larguei bem ― só me movi no último segundo, por causa do acionamento da embreagem, e foi uma pena, porque me senti realmente bem na corrida”, lembrou.
 
Por fim, Maverick reconheceu que não teve o início de temporada dos sonhos, mas exaltou o trabalho feito pela Yamaha em 2019.
 
“Nas duas primeiras corridas, nossos resultados, foi realmente difícil”, admitiu. “Pois o potencial que tínhamos era muito maior do que o que estávamos fazendo. Mas, de qualquer forma, em Jerez eu não esperava estar no pódio, é um pista onde tive dificuldades em todos os anos”, recordou.
 
“A Yamaha está fazendo um ótimo trabalho, mas ainda temos muito a melhorar. Ainda tenho de entender a moto, estou pilotando de maneira bem agressiva na moto, travado, talvez este não seja o melhor estilo para a moto, então eu também de melhorar, não só a moto”, concluiu.


 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.