MotoGP

Zarco vê entrada de curva como maior falha da KTM e lamenta terminar teste “pior do que esperado”

Johann Zarco lamentou que o segundo e último dia de testes da MotoGP em Valência tenha sido “pior do que o esperado”. Francês apontou entrada de curva como principal problema da RC16
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Johann Zarco (Foto: Sebas Romero/KTM)
Johann Zarco ainda não se acostumou com a RC16. Recém-chegado à KTM, o francês avaliou que a experiência com a nova moto foi “pior do que o esperado” em Valência.
 
Bicampeão da Moto2, Zarco completou os dois dias de testes em Valência com o 21º tempo, 1s752 atrás de Maverick Viñales, o líder das atividades. 
Johann Zarco está estranhando bastante a RC16 da KTM (Foto: Sebas Romero/KTM)
“O que posso dizer depois do segundo dia? Pior do que o esperado”, disse Zarco. “Eu queria melhorar mais o tempo de volta, mas não pude. Em relação ao feeling, fomos melhorando e conseguimos um melhor controle da moto, mas a velocidade não está lá no momento. Então estou decepcionado com o resultado”, seguiu.
 
“É uma pena. Eu caí duas vezes, mas não me machuquei, o que é importante, e isso nos ajudou a realmente entender o ponto fraco da nossa moto. Também, eu entendi coisas sobre minha pilotagem que, nessa moto, vai ter de mudar um pouco. Então, passo a passo, estou construindo essa vantagem”, apontou. “O principal problema para mim ainda é a entrada de curva. Nós não conseguimos sentir bem o pneu quando a moto está inclinada e quando freio. Então nós estamos trabalhando para ter um feeling melhor, para ter alguma direção e informações para talvez desenvolver a moto de algum jeito”, continuo.
 
Questionado se terá de rever seu estilo suave de pilotagem para lidar com a RC16, Zarco respondeu: “É possível”.
 
“Vou ter de pensar a respeito. Já estou pensando em mudar algumas coisas no meu estilo de pilotagem, mas o que era forte na Yamaha também deve ser forte em outras motos”, ponderou. “Se sigo Marc [Márquez], posso ver que ele é forte na entrada, não só por causa da habilidade dele, mesmo que ele tenha alguma coisa que talvez seja melhor que outros pilotos, mas também porque a moto dá a ele essa possibilidade”, explicou.
 
“Então melhoramos o feeling, e isso é bom, eu sei brincar melhor com essa moto, é só a velocidade que não está lá”, frisou.