Zarco vence duelo com Márquez e fatura primeira pole da carreira na MotoGP na Holanda. Viñales sai apenas em 11º

Johann Zarco voltou a surpreender neste sábado (24) e conquistou sua primeira pole-position na MotoGP ao bater Marc Márquez por 0s065. Danilo Petrucci foi igualmente brilhante na sessão e completa a primeira fila. Jorge Lorenzo teve uma atuação para esquecer e vai sair apenas em 21º

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Johann Zarco segue conquistando os corações dos fãs da MotoGP. Neste sábado (24), o francês voltou a apresentar uma de suas impressionantes performances e bateu Marc Márquez por 0s065 para conquistar a primeira pole-position da carreira na classe rainha.
 
Localizada no norte da Holanda, Assen é uma região onde os dias ensolarados em junho são uma raridade — possibilidade de apenas 13% —, enquanto a chance de chuva chega a 54%. Em um cenário como este, claro que o clima desempenhou um papel na MotoGP, com os treinos desta tarde testemunhando um verdadeiro vai-e-vem de pneus de chuva.
 
Na hora da classificação, no entanto, os pneus de chuva reinaram soberanos e calçaram uma sessão para lá de movimentada. Danilo Petrucci ficou boa parte do tempo no topo da tabela, mas viu Marc Márquez e Johann Zarco pressionarem no fim.
Johann Zarco faturou a pole em Assen  (Foto: Michelin)
Márquez foi o primeiro a destronar Petrucci, que reagiu e recuperou a ponta da tabela. Na volta final, porém, Márquez bateu o italiano por 0s320, mas não foi páreo para Zarco, que surgiu com um giro em 1min46s141 para agarrar a primeira pole-position da Tech3 desde 2013, ainda com Cal Crutchlow.
Valentino Rossi chegou a brigar pela pole, mas acabou em quarto, 0s564 mais lento que Zarco. Scott Redding aparece no meio da segunda fila, à frente de Jonas Folger.
 
Álvaro Bautista fez sua melhor volta em 1min47s812 e ficou com o sétimo posto, à frente de Cal Crutchlow e Andrea Dovizioso, que sofreu uma queda em meados da sessão.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Cobrado pela Aprilia, Sam Lowes teve sua melhor apresentação do ano, avançando do Q2 para o Q1 pela primeira vez. O esforço do britânico, porém, não deu frutos, já que a RS-GP teve uma quebra de motor na parte final da classificação.
 
Líder do Mundial, Maverick Viñales foi discretíssimo na classificação. O espanhol fez sua melhor volta apenas em 1min48s266 e vai sair em 11º, 1s357 à frente de Dani Pedrosa.
 

Depois de um início promissor na manhã deste sábado, Jorge Lorenzo mostrou sua já tradicional dificuldade com o piso molhado — especialmente em Assen após 2013 — e acabou com o 21º posto no grid. O piloto da Ducati foi 1s5 mais lento que a melhor volta de Scott Redding no Q1 e sequer chegou a brigar para avançar para a fase seguinte. 

 
Assim, o #99 larga apenas à frente de Bradley Smith, que ainda se recupera de uma lesão na mão, e de Tito Rabat, o último entre os 23 participantes. Esta, aliás, foi a pior classificação de Lorenzo na MotoGP e a pior desde a etapa de Jerez de 2003, quando saiu em 22º.
 
Chuva tumultua, e Zarco lidera TL4 à frente de Lorenzo
 
Antes de embarcarem para a Holanda, os pilotos alertaram para o clima instável do país. Neste sábado (24), a natureza não deixou os competidores passarem por mentirosos. Depois de uma manhã bastante chuvosa, o sol conseguiu furar o bloqueio das muitas nuvens e começou a secar — mesmo que em um ritmo não muito impressionante — o asfalto de Assen. Na hora do quarto treino livre da MotoGP, os termômetros marcavam 20°C, com a pista chegando a 23°C. A velocidade do vento era de 10 km/h.
 
Apesar de alguns trilhos secos já se formarem no asfalto, ninguém se arriscou e todos os pilotos deixaram os boxes com o pneu de chuva mais macio disponibilizado pela Michelin.
Marc Márquez ficou com o segundo posto no grid de Assen (Foto: Michelin)
Depois de uma única volta, muitos pilotos voltaram aos boxes, já que acharam que a pista estava seca demais para os compostos de chuva. Alguns, no entanto, permaneceram rodando, com Zarco se instalando no topo da tabela, à frente de Lorenzo, Bautista, Miller, Rossi, Rabat e Crutchlow.
 
Aos poucos, todos voltaram para os boxes, e Zarco foi o primeiro a se aventurar com os slicks. O francês da Tech3 seria, então, a referência dos demais.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

O desfile dos pneus slicks, porém, durou pouco, já que a chuva voltou a aparecer em Assen, sendo sinalizada pelos fiscais. Conforme a mudança climática foi ganhando intensidade, os pneus de chuva voltaram a aparecer. 
 
Aos poucos, os pilotos foram marcando tempo, mesmo que as condições de pista não estivessem uniformes ao longo dos 4.5 km. Em alguns pontos da pista, como no setor final, a chuva já era bastante encorpada.
 
Ao fim dos pouco aproveitados 30 minutos de sessão, Zarco ficou com o melhor tempo, 0s211 à frente de Lorenzo, que cravaram tempo bastante antes dos demais. Abraham, Lowes, Viñales e Aleix foram os quatro que sequer marcaram tempo.
Redding e Lowes avançam ao Q2 após Q1 eletrizante
 
Como estabelecido pelo resultado combinado dos três primeiros treinos livres — neste caso, dos dois primeiros, já que o sábado foi o primeiro dia em que a chuva afetou os trabalhos na província de Drenthe —, a primeira fase da classificação contou com Barberá, Abraham, Lowes, Iannone, Smith, Aleix, Rins, Miller, Pol, Redding, Rabat, Baz e Lorenzo.
 
Quando o pit-lane foi aberto, os pilotos não tardaram a sair, com Miller sendo o primeiro no topo da tabela, 0s077 à frente de Baz. Terceiro, Lowes vinha a 0s384 de uma vaga na fase seguinte.
 
Baz reagiu e tomou a liderança, abrindo 0s633 de margem para Miller, mas logo caiu para segundo, com Lowes aparecendo 0s516 mais veloz. Miller, então, acabou com a graça do britânico e assumiu o topo da tabela, 0s144 à frente.
Líder da MotoGP, Maverick Viñales vai largar apenas em 11º (Foto: Michelin)
Na quarta volta, Lowes, que tinha um par de pneus de chuva macios, anotou 1min48s259 e retomou a ponta, mas caiu para segundo pouco depois, com Redding virando 0s281 melhor. Terceiro, Miller estava a 0s485 da linha de corte, seguido por Aleix e Iannone.
 
Na sequência, Baz alcançou 1min47s832 e assumiu a ponta, abrindo 0s146 de margem para Redding. Sam foi para terceiro, 0s281 atrás de uma vaga no Q2.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Redding, então, respondeu ao avanço do piloto da Avintia e foi para a liderança, mas viu Miller aparecer 0s270 mais veloz para pegar a primeira posição. Enquanto isso, Lorenzo vinha em décimo, 1s7 atrás do líder.
 
Mais uma vez, Redding respondeu, chegou em 1min47s327 e voltou à liderança do Q1, abrindo 0s133 de margem para Miller. Aleix era terceiro, 0s242 abaixo da linha de corte.
 
Com 1min47s298, Baz recuperou o comando da sessão, mas levou um imediato ‘chega pra lá’ de Lowes, que virou 0s107 melhor. Redding entrou na brincadeira na sequência e retomou o topo. Restava pouco mais de um minuto de sessão.
 
Já com o cronômetro zerado, Aleix saltou para o terceiro posto, mas foi derrubado por Miller na sequência, que ficou a 0s026 de uma vaga na fase seguinte.
 
Com um último giro na manga, Baz era a última ameaça ao avanço de Lowes à fase seguinte. Depois de cravar as três primeiras parciais da pista, o francês foi menos impecável na parcial final e conseguiu apenas avançar para a quinta colocação, garantindo o avanço de Redding e Lowes.
 
Assim, Iannone larga em 13º, à frente de Miller, Baz, Aleix, Rins, Abraham, Pol, Barberá, Lorenzo, Smith e Rabat. Andrea, porém, teve a volta cancelada por exceder os limites da pista na primeira perna da Geert Timmer Bocht e acabou com o tempo anulado, caindo para 16º.
 
Zarco brilha e coloca Tech3 na pole
 
Aprovados no Q1, Redding e Lowes se juntaram a Viñales, Folger, Márquez, Dovizioso, Crutchlow, Rossi, Petrucci, Zarco, Bautista e Pedrosa na briga pela pole-position.
 
Ao fim do primeiro giro, Petrucci tinha a ponta, 1s135 à frente de Rossi. Redding vinha em terceiro, seguido por Lowes e Bautista. 
Jorge Lorenzo fez sua pior classificação na MotoGP (Foto: Ducati)
No giro seguinte, Petrucci baixou sua marca e permaneceu no comando, agora com 0s378 de margem para Márquez, o segundo colocado. Redding vinha em terceiro, escoltado por Folger, Rossi e Lowes.
 
Com cerca de sete minutos para o fim da sessão, Dovizioso sofreu uma queda na Stekkenwal, a oitava curva de Assen, quando vinha caminhando para a ponta da tabela. O vice-líder do Mundial aparecia apenas em 11º.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Dominante, Petrucci baixou sua marca mais uma vez, alcançando 1min47s176 e ampliando para 0s551 a vantagem em relação a Márquez. Zarco, então, saltou para o segundo posto, mas foi tirado de lá logo depois, com Rossi se instalando a 0s372 do ponteiro.
 
Faltando menos de cinco minutos para a bandeirada, Redding caiu na chicane final e nem deu bola para a moto: saiu correndo em busca de uma carona para voltar aos boxes.
 
Enquanto isso, Márquez tomou a ponta com 1min46s947. Vindo em ótima volta, Rossi errou a parcial final e apenas conseguiu subir para segundo, 0s221. Petrucci caiu para terceiro, à frente de Zarco.
 
Depois de fazer um ótimo trabalho no Q1, Lowes foi deixado na mão pela Aprilia, que teve uma nova quebra de motor. Rossi, coitado, engoliu bastante fumaça ao passar pelo britânico.
 
Com poucos segundos para o cronômetro travar, Petrucci alcançou 1min46s526 e retomou a pole provisória, à frente de Márquez e sua nova volta voadora.
 
Com 1min46s206, Márquez pegou a ponta, mas foi derrubado por um voador Zarco, que foi 0s3 melhor. Rossi fechou sua última volta em quarto.
 

MotoGP, GP da Holanda, Assen, Grid de largada:

1 5 JOHANN ZARCO FRA TECH3 YAMAHA 1:46.141  
2 93 MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 1:46.206 +0.065
3 9 DANILO PETRUCCI ITA DUCATI 1:46.526 +0.385
4 46 VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA 1:46.705 +0.564
5 45 SCOTT REDDING ING PRAMAC DUCATI 1:47.574 +1.433
6 94 JONAS FOLGER ALE TECH3 YAMAHA 1:47.663 +1.522
7 19 ÁLVARO BAUTISTA ESP ASPAR DUCATI 1:47.812 +1.671
8 35 CAL CRUTCHLOW ING LCR HONDA 1:48.042 +1.901
9 4 ANDREA DOVIZIOSO ITA DUCATI 1:48.079 +1.938
10 22 SAM LOWES ING APRILIA 1:48.128 +1.987
11 25 MAVERICK VIÑALES ESP YAMAHA 1:48.266 +2.125
12 26 DANI PEDROSA ESP HONDA 1:48.623 +2.482
13 43 JACK MILLER AUS MARC VDS HONDA 1:47.217 +1.076
14 76 LORIS BAZ ESP AVINTIA DUCATI 1:47.234 +1.093
15 41 ALEIX ESPARGARÓ ESP APRILIA 1:47.277 +1.136
16 29 ANDREA IANNONE ITA SUZUKI 1:47.649 +1.508
17 42 ÁLEX RINS ESP SUZUKI 1:47.804 +1.663
18 17 KAREL ABRAHAM RTC ASPAR DUCATI 1:47.947 +1.806
19 44 POL ESPARGARÓ ESP KTM 1:47.957 +1.816
20 8 HECTOR BARBERÁ ESP AVINTIA DUCATI 1:48.080 +1.939
21 99 JORGE LORENZO ESP DUCATI 1:48.219 +2.078
22 38 BRADLEY SMITH ING KTM 1:48.448 +2.307
23 53 TITO RABAT ESP MARC VDS HONDA 1:48.700 +2.559
             
RECORDE MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 1:33.617 174.6 km/h
MELHOR VOLTA VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA 1:32.627 176.5 km/h
             
    Condições do tempo   PISTA MOLHADA   ar: 18°C | pista: 20ºC

#GALERIA(7090)

NOVA DERROTA EM 2017 MOSTRA QUE TOYOTA E LE MANS SÃO COMO ‘ÁGUA E ÓLEO’

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube