Após disputa intensa nas voltas finais, Austin Dillon segura ímpeto de Blaney e vence em Las Vegas na Xfinity Series

Apesar de liderar grande maioria das voltas, Austin Dillon não teve vida fácil para cruzar a linha de chegada à frente e precisou segurar Blaney e Erik Jones durante boa parte da prova. Irmão do vencedor, Ty Dillon chegou em oitavo e assumiu liderança isolada do campeonato.

A proximidade dos competidores e as disputas constantes marcaram a terceira etapa da Xfinity Series, disputada na tarde deste sábado (7) em Las Vegas. Austin Dillon, que liderou 183 das 200 voltas da corrida, soube gerenciar a agressividade de seus rivais para ganhar a primeira em 2015. Com calma e um bom carro à mão, não precisou correr muitos riscos para cruzar a linha de chegada à frente.

A corrida, que não teve muita ação nas 100 primeiras voltas, começou a pulsar com vigor na segunda metade. Três acidentes trouxeram bandeiras amarelas – que, além de tumultuar o ritmo da prova, tirou líderes da disputa. Erik Jones, por exemplo, liderou algumas passagens e passou boa parte da tarde em terceiro. Isso até ser tocado por Ryan Blaney e encontrar o muro.

O líder do campeonato, todavia, não chegou a brigar pela vitória. Ty Dillon, irmão de Austin, chegou em oitavo e saltou para a liderança isolada do campeonato. Antes de Las Vegas, estava empatado com Chris Buescher – que chegou apenas em 14º e ficou para trás na tabela.

Austin Dillon celebra vitória em Las Vegas (Foto: Getty Images)
Saiba como foi a etapa da Xfinity Series em Las Vegas

O clima em Las Vegas nesse sábado (7) estava, uma vez mais, agradável. Com os termômetros registrando 22º e céu aberto, o ambiente era exemplar. O único fator negativo era a baixa umidade — de apenas 13% —, característica da seca cidade dos cassinos.

Com Austin Dillon e Brian Scott na primeira fila, a terceira etapa da Xfinity Series prometia disputas intensas — a exemplo do que foi visto em Daytona e Atlanta. Em termos de classificação do campeonato, os líderes Chris Buescher e Ty Dillon largariam em décimo e vigésimo, respectivamente.

Austin foi capaz de manter a liderança nas primeiras voltas, enquanto Brian Scott via um problema no motor acabando com suas chances logo nos primeiros instantes da corrida. Passados cinco gitos, já era o último, sem grandes chances de reação. Na volta 15, abandonou.

Quem emergiu para assumir a segunda posição foi Ryan Blaney, com Chase Elliot, Dale Earnhardt Jr. e Buescher logo atrás. Após 14 passagens, as diferenças entre os carros ainda eram pequenas.

A bandeira amarela não demorou a surgir. Mike Bliss, em meio à disputa por posições intermediárias, foi tocado e bateu de frente com o muro Austin Dillon que, felizmente, contava com safer-barrier.

O incidente trouxe uma variável nas estratégias dos pilotos. Earnhardt Jr., por exemplo, optou por fazer seu primeiro pit-stop logo no começo da prova.

Após sete voltas de paralisação, a relargada garantiu uma breve mudança na ponta da corrida. Austin Dillon foi ultrapassado por Blaney, mas não tardou em dar o troco e reassumir a primeira posição. Poucas voltas depois, foi a vez de Elliot tentar, em vão, uma manobra para tomar o segundo posto de Ryan. A briga deu ao líder a possibilidade de se distanciar dos adversários.

O segundo trecho de bandeira verde da corrida não mostrou grandes alterações na ponta. Dillon seguia na frente com Blaney e Elliot ainda nas posições de destaque.

Largada em Las Vegas (Foto: Getty Images)

Quando os pilotos cruzaram a linha de chegada para completar a volta 46, detritos na pista trouxeram a segunda bandeira amarela da tarde. Agora todos, sem exceção, foram aos boxes para fazer sua primeira parada. A bandeira verde voltou a ser agitada na sequência.

Mas por pouco tempo.

Na volta 52, a mesma em que a corrida recomeçou, Blake Koch encontrou o muro. Mais uma bandeira amarela, a terceira, que duraria oito voltas.

Completando o 75º giro, Austin Dillon liderava mais uma vez. De todas voltas disputadas até então, apenas uma não o tivera como líder. Mesmo sem abrir muito para Erik Jones – que se aproveitou dos pits para recuperar posições – seu domínio em Las Vegas era, em algum nível, inesperado. Atrás dos dois, vinham Blaney, Brendan Gaughan e Denny Hamlin.

Buescher e Ty Dillon, líderes do campeonato, vinham próximos. Eram 11º e 12º, respectivamente. A dupla não mostrava um desempenho ideal – ambos estavam mais de dez segundos atrás do líder.

O ritmo de Buescher, porém, ficou ainda pior. Na volta 96, Ty Dillon concretizou a ultrapassagem para assumir a 11ª posição – o suficiente para se tornar líder isolado.

Prestes a completar a centésima volta, Hamlin continuava ganhando posições entre os cinco primeiros postos. Assumindo o quarto lugar, sua nova vítima era Earndardt Jr. Em seguida, a segunda rodada de pits começou, mesmo sem bandeira amarela.

Foi a oportunidade para Jones ultrapassar Austin Dillon. Fazendo um pit mais rápido, o novo líder voltou à pista com uma margem mínima de vantagem sobre o segundo colocado.

O ritmo de Dillon, que pela primeira vez na tarde via alguém à frente, ainda era forte o suficiente para sonhar com a ponta. Colado em Jones, pouco tempo foi preciso para retomar o lugar que já tinha ocupado por mais de cem voltas. Com Jones em segundo, Blaney, Hamlin e Regan Smith vinham atrás.

Com 129 voltas completas, Jones errou o traçado na curva um do oval. Ao ficar mais lento, viu Blaney passar com tudo ao seu lado. Agora terceiro colocado, Jones precisava se concentrar visando uma recuperação.

Depois de algum tempo, a situação entre os primeiros se consolidou. Na volta 146, o quarto colocado, Hamlin, já vinha sete segundos atrás do líder. Gaughan, quinto, já vinha com 15 segundos de diferença.

Blaney foi aos boxes pela terceira vez na volta 150, logo seguido pelo líder Austin Dillon. Jones tentou se manter na pista, esperando por uma bandeira amarela que viraria o jogo ao seu favor. A espera, todavia, foi em vão. Após os três primeiros pararem, as primeiras posições se mostraram inalteradas.

Na marca de 161 passagens, a quarta bandeira amarela da tarde. O culpado agora foi Mario Gosselin, que errara a tangência, eventualmente tocando o muro e rodando.

Após cinco voltas, a corrida recomeçou. Hamlin largou bem e tomou o terceiro lugar de Jones. Paralelamente, Dakoda Armstrong era tocado por trás, sendo direcionado para o muro. Após a batida, a quinta bandeira amarela, segunda em sequência. Quando a relargada foi autorizada, outro acidente ocorreu. Dessa vez a vítima era Jones, que vinha mostrando um ritmo bastante competitivo – até ser tocado por Blaney e ir para o muro.

A bandeira amarela, sexta da tarde, seria acionada. E ainda faltavam 25 voltas. Os primeiros eram Austin Dillon, Gaughan, Smith, Hamlin e Ty Dillon.

Ty finalmente tinha conseguido entrar no grupo dos cinco primeiros, mas não por muito tempo. Um toque no muro logo o jogou para o oitavo lugar. Agora era a vez de Blaney ingressar o top-5, se recuperando do incidente com Jones.

Gaughan era outro que perdia rendimento. Tendo largado em segundo, foi caindo na classificação até chegar ao quinto lugar. Na direção oposta, Elliot tinha pneus mais novos e, em sexto, poderia beliscar uma posição ainda melhor.

Faltando dez voltas para o fim, a ordem era Austin Dillon, Smith, Hamlin, Blaney e Gaughan. Blaney não parava com sua recuperação. Dono de um rendimento incrível, voou rumo ao segundo lugar, deixando três adversários para trás.

Austin Dillon venceu etapa de Las Vegas (Foto: Getty Images)

Agora, a disputa pela vitória só pertencia a Austin Dillon e Blaney – mais rápido que o líder.

As últimas três voltas foram de uma disputa apertadíssima entre os dois, mas sem que Blaney transformasse seu ritmo melhor em uma ultrapassagem. Com tanto apetite, o segundo colocado chegou a sair de traseira e tocar o muro, mas sem grandes danos ao carro.

Mesmo perdendo ritmo quando mais importava, Austin Dillon levou a vitória após liderar 183 das 200 voltas. Ty Dillon, seu irmão, assumia a liderança do campeonato após segurar a oitavo coloção.

A próxima etapa da Xfinity Series será realizada em Phoenix, no próximo sábado (14).

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube