Dominante, Kyle Busch não dá chances para rivais e vence etapa aborrecida da Xfinity em Phoenix

Kyle Busch sobrou em Phoenix, sem permitir que seus adversários conseguissem brigar pela vitória. Chase Elliot, sétimo, diminui a distância para Chris Buescher na classificação para 18 pontos e manteve vivo o sonho do bicampeonato

Kyle Busch sabe como dominar na Xfinity. O piloto da Sprint Cup, quando na categoria B da Nascar, costuma dar show. E o que se viu neste sábado (14) em Phoenix não foi diferente: o #54, salvo raras exceções, liderou todas as voltas e conseguiu um triunfo maiúsculo.
 
A única preocupação de Kyle não foi um piloto, mas sim o consumo de combustível. As poucas bandeiras amarelas em Phoenix fizeram com que os pilotos passassem muitas voltas sem ir aos boxes – e, consequentemente, levaram a economizar o máximo possível de combustível. O #54, todavia, passou incólume por tal problema.
 
Atrás de Kyle Busch, Brad Keselowski foi o melhor do resto e conseguiu chegar ao segundo lugar. O piloto da Penske chegou a estar à frente do #54 depois de fazer pit-stops mais velozes. Todavia, relargadas ruins acabaram com as chances de vitória do campeão da Sprint Cup.
Kyle Busch pilotou muito bem em Phoenix, neste sábado (14) (Foto: Nascar)
Erik Jones, que não disputa a temporada completa da Xfinity, chegou a um ótimo terceiro posto. Daniel Suárez e Ty Dillon fecharam o top-5.
 
Na briga pelo campeonato, Chase Elliott chegou em sétimo e conseguiu manter a disputa pelo título acessa. O #9 viu o líder do campeonato, Chris Buescher, ter um dia fraco e acabar em 13º. Agora, a distância entre os dois é de 18 pontos, com uma prova pela frente. Ty Dillon, 22 pontos atrás, e Regan Smith, devendo 24, também tem chances.A última etapa da temporada 2015 da Xfinity será em Homestead, no próximo fim de semana.

Saiba como foi a etapa de Phoenix da Xfinity Series

 
Kyle Busch liderou as primeiras voltas da etapa de Phoenix com facilidade impar. Mesmo as duas bandeiras amarelas que marcaram as 20 primeiras voltas, e suas consequentes relargadas, foram capazes de tirar o #54 da liderança.
 
Na volta 25, Brad Keselowski era o segundo colocado, com Erik Jones, Austin Dillon e Daniel Suárez atrás.
 
Austin não teve dificuldades para se aproximar de Jones e fazer a ultrapassagem. Dillon, todavia, não conseguiu abrir vantagem.
 
Na volta 57, todo mundo se uniu novamente. Isso por causa de Dylan Kwasniewski, que bateu com força no muro externo e exigiu mais uma bandeira amarela. Desta vez, os pilotos foram aos boxes.
 
Elliott Sadler, único a trocar dois pneus, saiu dos boxes na liderança. Dentro os que trocaram quatro, Keselowski foi o mais veloz, ficando em segundo. Busch, Austin Dillon e Jones fechavam o top-5.
 
Com pneus velhos, óbvio que Sadler ficou para trás. Keselowski assumiu a liderança em um primeiro momento, mas Busch retomou a ponta rapidamente. Jones e Dillon também deixaram Elliott para trás rapidamente.
Keselowski não conseguiu ameaçar Kyle Busch (Foto: Getty Images)
Suárez, um pouco depois, também conseguiu superar Sadler. Todavia, o #7 conseguiu se sustentar dentro do top-10, se consolidando em oitavo.
 
A bandeira amarela foi acionada novamente na volta 103. Nela, Jeremy Clemens bateu sozinho no muro externo de Phoenix, exigindo a intervenção.
 
Nos boxes, Keselowski voltou a levar a melhor sobre Kyle Busch, conseguindo o privilégio de liderar o pelotão na relargada.
 
Brevemente. O piloto da Penske escolheu a linha de fora para relargar, o que se mostrou um erro, já que Kyle Busch, por dentro, conseguiu muito mais ação. Em menos de uma volta o #54 já estava reafirmado na liderança.
 
Atrás dos dois, Jones, Austin Dillon e Suárez fechavam o top-5. O mexicano, pouco depois, conseguiu deixar Austin para trás, se afirmando em quarto.
 
Depois de cair para quinto, as coisas começaram a ficar ruins para Austin Dillon. O #33 começou a sofrer com uma roda solta, perdendo rendimento. A equipe não pensou duas vezes e o chamou para um pit emergencial, mesmo que isso o deixasse uma volta atrás do líder.
Nas primeiras posições, a briga era principalmente contra o consumo de combustível. O #54 de Kyle Busch,  que não ia aos boxes há um bom tempo, precisou economizar do jeito que dava. A sorte é que Keselowski e Jones, mais atrás, precisavam fazer o mesmo.
 
Com isso, todos começaram a pilotar mais cautelosamente. No fim das contas, Kyle conseguiu a oitava vitória em Phoenix, com larga margem sobre os demais.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube