Earnhardt Jr. bate Johnson e leva etapa de Daytona da Nascar marcada por forte acidente na linha de chegada

Sempre próximos, Dale Earnhardt Jr. e Jimmie Johnson deixaram bem claro que eram os melhores carros desta segunda-feira (6), em Daytona. Mas, quando a hora da decisão chegou, o #48 não conseguiu largar muito bem e perdeu tempo precioso – e que pode ter determinado a vitória do #88. Austin Dillon, que fazia uma prova constante, foi catapultado contra as grades de proteção e terminou com um carro destruído, poucos metros depois de cruzar a linha de chegada

Dale Earnhardt Jr. e Jimmie Johnson passaram a maior parte da etapa de Daytona da Sprint Cup se revezando na liderança. Sempre próximos, os companheiros de equipe não queriam saber de aliviar e estiveram próximos durante todas as 160 voltas. Mas, no fim das contas, que conseguiu a vantagem necessária para vencer foi o #88.
 
Em uma pista marcada pela necessidade constante de vácuo, o posicionamento em relação aos rivais é vital. Ambos Earnhardt Jr. e Johnson cometeram erros nesse sentido. Todavia, Dale conseguiu fazer ultrapassagens com mais velocidade – e risco – do que Jimmie.
Earnhardt Jr. venceu a tumultuada prova de Daytona (Foto: Nascar)
Na última relargada, Johnson perdeu uma posição para Hamlin. O hexacampeão conseguiu recuperar o posto, mas não o tempo perdido para se recuperar. Quando voltou ao segundo lugar, Dale Jr. já estava consolidado na ponta.
 
Mas nada foi mais espetacular – e assustador – do que o acidente de Austin Dillon ao cruzar a linha de chegada. O carro #3 foi catapultado contra a grade de proteção. O impacto foi tão forte que terminou desmanchando o Chevrolet, além de derrubar a grade de proteção. Ninguém se feriu.
 
Esta é a segunda vitória de Dale Jr. em 2015. E foram dois triunfos em duas pistas semelhantes: Talladega e Daytona.
 
A prova foi longa. A bandeira verde deveria ter começado na noite do domingo (5), mas a forte chuva que atingiu a Florida resultou numa largada atrasada em 4h. Todo esse atraso deixou os fãs da Nascar esperando por um cancelamento, mas a organização não viu problemas em uma prova na madrugada.

Saiba como foi a etapa de Daytona da Sprint Cup

 
A prova começou com mais de 4h de atraso, passadas as fortes chuvas que atingiram a Flórida neste final de semana. As temperaturas seguiam amenas, na casa dos 26ºC.
 
Antes mesmo da largada, drama para Brad Keselowski. O #2, com problemas na direção, estava parado no pitlane.
Dale Earnhardt Jr. conseguiu segurar a liderança na largada – mas por apenas meia volta. Austin Dillon tomou a ponta do #88, que agora aparecia em segundo. Paul Menard, Clint Bowyer e David Gilliland fechavam os cinco primeiros. Os nomes estranhos eram consequência do grid bagunçado.
 
O primeiro acidente veio logo na volta 3. Gilliland, tocado por Bowyer, rodou e começou uma reação em cadeia. Assim como David, pilotos como Joey Logano, Greg Biffle e Danica Patrick também estavam envolvidos. No fim das contas, ninguém parecia estar efetivamente fora da prova.
 
Na relargada, a ordem seria Dillon, Dale Jr., Menard, Kasey Kahne e Clint Bowyer.
 
Mas, ao balançar da bandeira verde, Dale Jr. retomou a primeira posição. Enquanto isso, seu companheiro de equipe Kahne aparecia em segundo. Dillon, Menard e Jimmie Johnson estavam logo atrás.
 
As coisas não paravam de melhorar para a Hendrick Motorsport. Dale Jr. seguiu liderando, ainda com Kahne em segundo. Mas os outros dois pilotos da equipe, Johnson e Jeff Gordon, estavam em terceiro e quarto. Keselowski, recuperado dos problemas no volante, era o quinto.
 
Keselowski, aliás, que conseguiu quebrar o 1-2-3-4 da Hendrick. O #2 passou Gordon e colou em Johnson. Enquanto isso, Kyle Busch raspava no muro e comprometia o carro – mas sem acionar a bandeira amarela.
Johnson não conseguiu bater o companheiro de equipe (Foto: Nascar)
Entre os líderes, as coisas eram selvagens. Johnson tomou a posição de Kahne e assumiu o segundo lugar. Logo atrás, um surpreendente Landon Cassill deixava ambos Gordon e Keselowski para trás. Todavia, o #24 se recuperou e reassumiu o quarto lugar.
 
A vida de Gordon, aliás, não sossegava nunca. Mais umas voltas e Jeff passou a ser ameaçado por Jamie McMurray. E, pouco depois, por Matt Kenseth.
 
A bandeira amarela de competição foi acionada na volta 25. Na ocasião, Kenseth havia completado suas ultrapassagens, tomando o quarto lugar de Gordon.
Os pilotos aproveitaram a interrupção para fazer seus primeiros pits. Johnson voltou na liderança, trazendo Dale Jr., Kahne, Gordon e Truex Jr. atrás. O líder só havia colocado mais gasolina, enquanto os outros trocaram dois pneus.
 
Com uma borracha melhor, Dale Jr. reassumiu a ponta, enquanto Johnson se contentava com a segunda posição. Kahne, Hamlin e Truex fechavam os cinco primeiros, enquanto Gordon caia para 20º. Como se vê, não se trata de uma prova muito lógica ou constantes.
 
Mas a liderança do #88 foi curta. O #48 inverteu as posições na volta 36, trazendo Kahne, Kenseth, Hamlin e Truex Jr. consigo. Dale, pouco depois, aparecia apenas em 10º.
 
Mais algumas voltas e dois pilotos começaram a se destacar. Truex Jr. apareceu em terceiro, enquanto Kyle Larson surgia em quarto. Hamlin ocupava o quinto posto.
 
Truex Jr. e Larson ganharam mais uma posição quando Kahne, encurralado, ficou sem vácuo e caiu para décimo. Outro que apareceu na briga pelo segundo lugar era Hamlin, pouco atrás dos outros dois. Johnson ainda liderava.
 
A bandeira amarela voltou no 53º giro. Carl Edwards perdeu o carro na saída da curva 4 e tocou de leve no muro. No momento, Johnson liderava Hamlin, Dale Jr., Cassill e Larson.
 
Os pilotos foram aos boxes mais uma vez. Johnson seguiu líder, mas agora com Earnhardt Jr. em segundo. Dillon, sem trocar pneus, saltou para terceiro. Kahne e Larson fechavam o top-5.
 
Dale Jr. tomou a ponta de Johnson na segunda volta após a relargada. Enquanto isso, Kahne tomava a posição de Dillon; e Gordon superava Larson. E foi importante que toda essa ação acontecesse rapidamente, já que Gilliland perdeu o controle do carro e causou mais uma amarela.
 
As posições não foram alteradas na relargada, propriamente. Gordon precisou esperar três voltas até tomar a quarta posição de Dillon. Agora, o carros estavam majoritariamente em uma única linha e ultrapassar estava mais difícil.
 
Mas ultrapassar ainda não era impossível. Pouco depois, Larson e Truex Jr. deixaram Dillon com o sétimo lugar.

As manobras foram facilitadas quando, poucas voltas depois, as linhas se separaram – e se uniram novamente, depois. Com isso, exceção feita aos dois primeiros, as posições se embaralharam: Kevin Harvick, Kenseth e Truex Jr. fechavam o top-5.
 
O monopólio da Hendrick na liderança foi quebrado pouco depois. Kenseth conseguiu deixar Johnson e Earnhardt Jr., agora segundo e terceiro, para trás. Harvick e Hamlin estavam por perto, tentando fazer o mesmo.
 
Mas Kenseth não teria vida fácil para segurar a liderança. Estava claro que os Chevrolets rendiam mais do que sua Toyota. Johnson se aproveitou disso para ficar lado a lado com o #20, até concretizar a manobra e trazer Dale Jr. no vácuo.
 
A ação foi interrompida logo depois, como um acidente envolvendo múltiplos carros. Larson perdeu a traseira, tocou em Edwards e Ricky Stenhouse Jr. que, por sua vez, vitimaram Brian Scott. Kyle, logo quem começou o enrosco, foi o que sofreu menos danos.
 
Bandeira amarela acionada; carros nos boxes. De todos que fizeram pits, Kahne apareceu como líder, com Hamlin, Harvick, Gordon e Johnson atrás. Dale Jr. era apenas o décimo.
 
Na relargada, Kahne conseguiu segurar Hamlin e Harvick, enquanto Johnson, quarto, tentava recuperar o terreno perdido nos boxes. Eventualmente Kasey cedeu, permitindo que Denny liderasse a prova.
 
Kahne, perdendo território, se via em uma situação complicada. O #5 tentou sustentar, em vão, uma segunda linha que acabou não sendo tão rápida. O resultado foi a perda de mais quatro posições e a saída do top-5. Harvick assumiu o segundo lugar.
 
Se Kahne perdia muito, Dale Jr. deu um jeito de ganhar bastante. Em quinto após o pit, o #88 conseguiu encaixar uma grande volta e retomou a liderança com muita rapidez. Johnson aproveitou e tomou o segundo lugar.
 
Enquanto isso, os retrovisores da dupla indicavam uma grande batida. Kenseth fechou a porta para Kahne e deu início a um ‘big-one’. Além do #20 e do #5, Larson, Almirola, Truex Jr e muitos outros também foram vitimados. A bandeira amarela seria duradoura.
 
Os cinco primeiros eram Earnhardt Jr., Johnson, Menard, Kurt Busch e Hamlin.
Mais uma rodada de boxes aconteceu – e se o final fosse todo em bandeira verde poderia ser a última. Dale Jr., Johnson e Menard não trocaram pneus, voltando à frente. Gordon e Kurt Busch, trocando dois pneus, fechavam o top-5.
 
Mas, para não perder o costume, o #88 e o #48 seguiram trocando de posição. Agora era a vez de Johnson assumir a ponta, enquanto Dale perdia a segunda posição para Menard.
 
Mas Earnhardt Jr. não tardou em dar o troco. Sem querer perder nada de tempo, costurou ambos Johnson e Menard, reassumindo a ponta com ímpeto. Jimmie tentou retribuir, mas perdeu o vácuo – e várias posições, fechando a volta em oitavo.
 
Com Johnson afastado, a grande preocupação de Dale Jr. passou a ser Menard, que tinha chances de ser a zebra da noite. Outros azarões fechavam o top-5: Trevor Bayne, Bowyer e David Ragan.
 
A bandeira amarela voltou com 32 voltas para o fim, após um pneu furado de Danica mandar o #10 com força contra o muro.

Dale Jr. manteve a ponta na relargada, ainda com Menard em segundo. Bowyer, terceiro, também pensava em beliscar algo. Oitavo, Johnson precisava se recuperar logo para brigar pela vitória.
 
E foi assim que o hexacampeão fez. Se aproveitando de uma linha de baixo veloz, Johnson colou na traseira de Dale Jr. Uma vez mais, os dois estavam brigando pela ponta. Hamlin, após uma carona no vácuo do #48, aparecia como intruso da vez. Gordon e Bayne fechavam o top-5.
 
Com 12 voltas para o fim, mas uma amarela. Ragan tocou de leve em um rival, furou um pneu e saiu rodando pela reta oposta de Daytona. Bandeira amarela acionada.
 
Na relargada, as três primeiras posições não foram alteradas: Dale, Jimmie, Denny. A única mudança no top-5 foi Bayne passando Gordon.
 
Mas a chance de termos uma relargada movimentada ainda iria pintar novamente. Isso porque Sam Hornish Jr. cometeu erro semelhante ao de Ragan e rodou na reta oposta. Era a nona bandeira amarela.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube