Hamlin ultrapassa Kyle Busch e Austin Dillon para vencer etapa de New Hampshire da Xfinity Series

Controlando a maior parte da etapa da Xfinity Series em New Hampshire, Denny Hamlin conseguiu uma vitória tranquila neste sábado (18). O #20 se recuperou de um incidente com Kyle Busch – mesmo piloto que precisou superar para tomar a liderança em definitivo. Mais tarde, o futuro vencedor se usou de uma manobra controversa para ultrapassar Austin Dillon: um toque na lateral do #33 serviu para recolocar o Toyota na ponta

Denny Hamlin não deixou dúvidas de quanto merecia a vitória na etapa da Xfinity Series em New Hampshire, disputada neste sábado (18). Assim que assumiu a liderança, o piloto da Sprint Cup tratou de mostrar velocidade e domínio incomuns para o certame. Era mais do que suficiente para sair vencedor.
 
O único momento de dificuldade para Hamlin foi logo no começo de prova, quando o #20 foi atingido por Kyle Busch e rodou. No fim do pelotão, Denny fez um pit antecipado – justamente o que o fez retornar ao top-5 quando os outros fizeram suas paradas.
Hamlin liderou a grande maioria das voltas em New Hampshire (Foto: Reprodução/Twitter)
Os enroscos de Hamlin e Kyle Busch não pararam aí. Já líder, Denny foi ameaçado pelo #54 e perdeu a liderança momentaneamente. Mas, voltas depois, uma manobra agressiva tratou de deixar o #20 na liderança outra vez. Enquanto isso, o irmão de Kurt perdia velocidade, posições e a chance de vencer.
 
Hamlin só voltou a ser ameaçado em uma relargada, quando foi ultrapassado por Austin Dillon. Tentando de tudo para se recuperar, Denny acabou tocando na lateral do #33, que perdeu o traçado ideal. Sofrendo para recuperar controle, o ex-líder saiu da briga pela vitória, que estava destinada ao #20.
 
A próxima etapa da Xfinity será disputada já no próximo sábado, em Indianápolis.

Saiba como foi a etapa de New Hampshire da Xfinity Series

 
A etapa de New Hampshire começou bastante tumultuada. Harrison Rhodes estourou o motor ainda nas primeiras voltas. Depois de uma breve bandeira amarela, outra foi acionada. Pouco depois, Kyle Busch e Denny Hamlin se enroscaram, fazendo com que o Pace Car retornasse à pista.
 
A bandeira verde foi acionada novamente pouco depois. A ordem passou a ser Brad Keselowski, Brian Scott, Austin Dillon, Daniel Suárez e Ty Dillon.
 
Na altura da volta 36, as posições dos cinco primeiros ainda não estavam definidas. Austin Dillon conseguiu a segunda posição depois de pressionar Brian Scott por algum tempo.
 
A terceira bandeira amarela surgiu pouco depois,quando o carro de Ross Chastain acertou o muro. Essa também foi a deixa para a primeira rodada de pits da tarde.
 
Completos os pits, a ordem passou a ser Hamlin, Scott, Kyle Busch, Austin Dillon, Keselowski e Ty Dillon.
Austin Dillon chegou perto de vencer, mas não triunfou (Foto: Nascar)
Com estratégias diferenciadas, Hamlin e Kyle Busch logo se destacaram. Denny ainda era líder, mas com uma vantagem mínima. Os dois andaram lado a lado por um bom tempo, até inverter as posições.
 
Mas Hamlin não se deu por derrotado. Depois de passar algumas voltas em segundo, Denny conseguiu superar Busch novamente. Kyle, que acabou ficando em uma parte suja da pista, perdeu velocidade – e mais posições. Scott tirou proveito, assim com Austin Dillon e Keselowski pouco depois. O #54 agora aparecia em quinto.
 
Os problemas de Kyle pareciam ser maiores do que apenas uma momentânea perda de velocidade. O #54 não conseguia encaixar voltas boas, possivelmente com problemas mecânicos. Mais algumas voltas e o ex-líder estava em sexto.
 
A bandeira amarela voltou no 58º giro. Mike Harmon perdeu a traseira, foi para a grama, rodou e ficou parado na pista.
Hamlin e Scott seguiram nas duas primeiras posições após a relargada, enquanto Keselowski passava Austin Dillon. Kyle Busch, se recuperando do momento ruim que vivera mais cedo, pegou o vácuo de Brad e pulou para quarto.
 
Mas a boa largada foi mais por causa do talento de Kyle do que por causa do carro, propriamente. Não tardou para o #54 perder um pouco de velocidade e cair para quinto.
 
As voltas passavam e as coisas pouco mudavam. A única mudança no top-5 em mais de 20 voltas foi a ultrapassagem de Austin Dillon sobre Brad Keselowski, na briga pela terceira colocação.
 
O longo trecho em bandeira verde fez com que os pilotos fossem aos boxes. A perigosa variável de fazer pits nessa situação contrariou a tendência e não prejudicou muito a vida de ninguém. Hamlin seguiu líder, ainda com Scott e Austin Dillon atrás. A única mudança foi entre dois pilotos da Sprint Cup: Keselowski perdeu o quarto lugar para Kyle Busch.
 
O ritmo de Hamlin era tão forte que apenas 13 carros estavam na mesma volta do líder.

A bandeira amarela retornou pouco depois. O motivo foi a existência de detritos na curva 2. Com carros reagrupados, Hamlin poderia voltar a ser ameaçado.
 
Ameaças foram feitas, mas Hamlin seguiu líder. Agora com Austin Dillon e Kyle Busch em seus retrovisores, Denny logo tratou de tentar abrir mais vantagem. Mas dessa vez estava mais difícil do que antes, o #33 estava colado.
 
Kyle Busch largou bem e pulou para terceiro, mas não pôde se sustentar. O #54 trocou apenas dois pneus, contra quatro de Brad Keselowski, justamente quem o ultrapassou. Brian Scott, quinto, também parecia capaz de tentar uma manobra.
 
Todas as possibilidades de ultrapassagens foram interrompidas pela sexta bandeira amarela da prova. O motor de Brian Scott havia explodido, enchendo a pista de óleo e fumaça.
 
A relargada resultou na primeira troca de líder em muito tempo. Austin Dillon deixou Hamlin para trás, na expectativa de vencer novamente na Xfinity. Keselowski, Kyle Busch e Suárez fechavam o top-5.
 
Mas a liderança de Austin Dillon foi curta. Hamlin, numa manobra discutível, deu um totó na lateral do #33, que saiu do traçado ideal. Sem velocidade, o ex-líder perdeu também a segunda posição, assumida por Keselowski.
 
A sorte de Austin Dillon é que Keselowski também cometeu um erro, permitindo que o #33 voltasse ao segundo lugar. Todavia, a briga pela vitória já não era mais possível.
 
Com poucas voltas para o fim, as posições não foram mais alteradas. O top-5 acabou sendo composto por Hamlin, Austin Dillon, Keselowski, Kyle Busch e Suárez.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube