Kyle Busch se recupera na última volta, passa Blaney e vence segunda do ano na Xfinity Series em Indianápolis

Kyle Busch está pegando fogo, na tradução livre de uma expressão genuinamente americana. Após dominar a prova inteira e quase ficar sem a vitória no fim, Busch acelerou de novo e passou Ryan Blaney na volta final para vencer em Indianápolis

Em determinado momento da corrida deste sábado (25), parecia que Kyle Busch ia colocar mais uma vitória em seu cinto nas últimas semanas. A vantagem, no entanto, sumiu e Ryan Blaney aproveitou para tomar a ponta na última relargada e caminhava para a vitória. Mas a bandeira branca foi acionada, Blaney se enrolou no retardatário e Busch passou nos últimos metros para vencer a segunda do ano na Xfinity Series.

 
Estava na cara desde o começo da prova que Busch não estava indo a lugar algum longe da briga pela vitória, mas ao passar da metade da corrida, quando tinha o melhor ritmo na pista e abria mais de 7s de frente, estava difícil imaginar que o #54 sequer seria desafiado no Brickyard. E então uma bandeira amarela causada por Erik Jones mudou tudo.
 
Na relargada, Blaney pulou para frente e conseguiu ser mais rápido que Busch. Apenas nas últimas voltas que Kyle voltou a impor um ritmo mais veloz, só que não dava mais tempo. A não ser que Blaney fizesse algo como se enrolar num retardatário – que foi exatamente o que aconteceu ao se encontrar com Derrike Cope. Resultado foi a perda de ritmo e, na volta final, a passada de Busch.
Kyle Busch voltou a vencer, agora na Xfinity Series e em Indianápolis (Foto: AJ Mast/AP)

Amanhã, Kyle larga na nona colocação na prova da Sprint Cup, podendo ser o primeiro a vencer nas duas categorias no mesmo final de semana. Ele nunca venceu em Indianápolis pela série principal.

Na classificação do campeonato – para qual Busch não está elegível -, Chris Buescher lidera com 651 pontos, seguido por Chris Elliott (626), Ty Dillon (621) e Regan Smith (600).A XFinity Series volta semana que vem, em 1º de agosto, com a prova em Iowa.

Confira como foi a prova:

Ao contrário da prova da semana anterior, em New Hampshire, a corrida no Brickyard começou de forma até que bem tranquila. E os dois ponteiros, Kyle Busch e Daniel Suárez, rapidamente começaram a fugir do pelotão e em poucas voltas já davam passadas em retardatários pelo superoval.
 
Mas Busch, que venceu três das quatro últimas provas da Sprint Cup, só conseguiu suster por alguns giros a pressão sofrida pelo mexicano Suárez, que logo foi à frente com seu carro laranja da Joe Gibbs.
 
Até que na 11ª volta, uma prova suave ganhou seu primeiro esteio de decisão. E com um momento importante para a classificação do campeonato entre os novatos, inclusive. Foi quando o carro de Darrell Wallace Jr. parou na pista com problemas, obrigando a primeira bandeira amarela. A importância está em Wallace ter entrado na corrida como o melhor novato do campeonato, exatos 31 pontos à frente de Suárez.
 
Aproveitando o ensejo, abriu-se a janela para paradas nos boxes. Busch conseguiu voltar com a vantagem, com Paul Menard e Ty Dillon logo atrás e Suárez apenas no quarto lugar. 
A relargada foi no giro 18, e Menard colocou o carro para a frente de Busch, tocou e passou, assumindo a ponta.
 
Volta 23, e a primeira pancada forte da prova foi entre Blake Koch e David Starr, que se tocaram na curva um. Os dois se deram mal, mas a pancada de Koch no muro foi com gosto e obrigou um cuidado para limpar a pista.

Então, a relargada número dois da prova foi para Dillon se manter na frente e Brendan Gaughan sair muito bem indo para a segunda colocação. Kyle Larson, Regan Smith e Ryan Sieg fechavam o top-5.
Largada da Xfinity Series em Indianápolis (Foto: AJ Mast/AP)
Na 38, mais uma janela de paradas nos boxes. Busch, que preferiu parar pela segunda vez ainda durante a bandeira amarela, se deu melhor e retomou a ponta, logo abrindo 2s148. Ryan Blaney e Suárez vinham atrás.
 
Marco da metade da prova, 50 voltas, e muito na frente Busch lapeava o 19º colocado, Regan Smith. Blaney, Suárez, Menard, Erik Jones, Elliott Sadler, Chris Buescher, Kevin Harvick, Brian Scott e Almirola formavam o top-10.
O ritmo do irmão mais novo do clã Busch era assustador. Na volta 60, ele tinha 5s1 de frente e aumentando. 
 
Mais uma janela aberta na 63, e Busch e Suárez, os dois primeiros colocados e também os dois pilotos de melhor ritmo, entraram na 65. E se saíram muito bem, especialmente Busch, sem problemas.
 
Só que a diferença de mais de 7s foi cortada a virtualmente zero na volta 69, quando Jones, então quinto colocado, relou no muro com força o carro com pintura do filme 'Mad Max' e decretou seu próprio fim de prova. E a terceira bandeira amarela, colocando o #54 na cúpula do trovão.
 
A corrida voltou a relargar no 74º giro, e Blaney acelerou muito bem, tomando a ponta de Busch. Suárez caiu para quinto, ainda atrás de Menard e Sadler.
 
Pelo sétimo lugar, Buescher, vice-líder do campeonato, forçou para cima do líder, Chase Elliott e levou.
 
Quase mais uma amarela quando Ryan Reed escapou da pista e veio cortando grama e sacolejando a traseira. Mas o #16 conseguiu se controlar para não atrapalhar o andamento do espetáculo.

Pelas próximas 20 voltas, Blaney conseguiu afastar Busch. Não muito, mas o suficiente para chegar aos dois giros derradeiros com a vitória em mãos. O que nem Busch, que agora impunha um ritmo melhor, contava era que o #22 ia se enroscar e perder tempo num encontro com o 30º colocado e retardatário Derrike Cope.
 
Com essa proeza realizada, Blaney perdeu campo. Após cruzar a bandeira branca, nos últimos metros da prova, Busch foi que foi e passou sem muita defesa do rival. Segunda vitória dele na Xfinity no ano, depois de Michigan – sua primeira corrida no retorno após a fratura que sofreu na perna no início da temporada.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube