Larson brilha na relargada em Michigan, desbanca Elliott no final e alcança tão aguardada primeira vitória na Nascar

Kyle Larson é um dos pilotos mais azarados na Nascar. Sempre perto da vitória, mas perdendo por detalhes. Pois a zebra desencantou: o #42 foi perfeito quando precisou, desbancando Chase Elliott

Kyle Larson já pilota na Nascar há três anos. Foram temporadas promissoras, mas sempre marcadas pelo azar: a primeira vitória nunca veio, sempre por detalhes. Pois o jogo virou em Michigan, neste domingo (28): o piloto do #42 foi perfeito na última relargada, superou Chase Elliott e carimbou a tão sofrida vaga no Chase.
 
Chase Elliott, apesar de ter conseguindo um belo resultado para os padrões da capenga Hendrick, fica com um gosto amargo na boca. O #24 voltou a ter um carro capaz de brigar pela vitória, mas pecou nos detalhes: nas duas vezes que relargou em primeiro, Elliott, entregou a liderança de bandeja.
 
Em terceiro, Brad Keselowski. O #2 tentou a estratégia de fazer uma parada a menos, mas se viu vítima da última bandeira amarela, que neutralizou tudo. Ryan Blaney e Kevin Harvick completaram o top-5.
Kyle Larson celebra a vitóra (Foto: Reprodução)

A próxima etapa da Nascar será no oval de Darlington, já no próximo final de semana. Trata-se da penúltima antes do início do Chase, cujas vagas estão cada vez mais afuniladas.

Saiba como foi a etapa de Michigan da Nascar

 
Joey Logano largou bem, sustentando a liderança contra Jimmie Johnson, ainda segundo. Kevin Harvick, Alex Bowman e Ryan Blaney fechavam o top-5.
 
O segundo lugar de Johnson não se sustentou por muito tempo. O #48, vivendo um momento bastante ruim na Nascar, cedeu a posição para Harvick, que logo começou a abrir. Assim, Jimmie precisou focar em segurar os pilotos que vinham imediatamente atrás.
 
Mais atrás, Chris Buescher começava a tomar um susto. O piloto do #34, perto de garantir uma vaga no Chase, começou a relatar perda de potência já na volta 4. O #34 caiu para a 40ª e última posição, mas conseguia acompanhar os pilotos do fim do grid.
 
Na frente, Logano e Harvick começavam a abrir sobre os rivais. A dupla, separada por 0s3, tinha mais de 1s sobre Johnson. E olha que o #48 já nem servia tanto de escudeiro: Jimmie começava a abrir sobre Bowman, mas não conseguia seguir com os dois líderes.
 
Harvick colou em Logano, mas não se apressou em ultrapassar. Nem havia necessidade: a bandeira amarela de competição foi acionada na volta 20, consequência da chuva que havia caído no sábado.
 
Nem todos foram aos boxes: Regan Smith e David Ragan assumiram as duas primeiras posições. Logano, Harvick e Johnson fechavam o top-5.
Chase Elliott foi o segundo colocado (Foto: Nascar Media)
Na relargada, Harvick tomou a liderança com alguma facilidade – pneus novos fazem milagres. Logano seguiu em segundo. Mas houve pouco tempo para o resto das posições serem definidas: Kyle Busch logo apareceu rodando, vítima de um pneu furado. A bandeira amarela foi acionada na mesma hora, com 27 voltas disputadas.
 
Na relargada, Harvick voltou a abrir bastante. Hamlin também relargou bem, tomando o segundo lugar. Logano, Truex Jr e Johnson eram os outros pilotos do top-5, mas já bem atrás de Harvick.
 
Truex Jr., aliás, que fazia uma bela prova. O #78, que havia largado em 24º, tinha toda a cara de que brigaria pela vitória, tendo conseguindo ganhar muito terreno em um curto espaço de tempo. Depois de saltar para quarto na relargada, Martin levou o terceiro lugar ao superar Logano.
 
Alex Bowman, antes em sexto, começou a ficar para trás na volta 36. Pelo rádio, o #88 relatou problemas no motor. Estava na cara – Bowman estava muito mais lento do que os demais, caindo para 27º.
 
No top-5, Truex Jr. seguia remando. O #78 passou Hamlin em seguida, mas já estava 1s6 atrás de Harvick. Estar em segundo é bom, mas não servia para muito: na volta 50, a diferença já estava em 2s2.
 
Atrás, uma briga tripla por posições no top-5. Johnson passou Logano e tomou o quarto lugar. Mais algumas voltas e quem chegou para passar o #22 era Chase Elliott. O piloto do #24 fez uma manobra bem calculada, tomando o quinto lugar com autoridade.
Brad Keselowski (Foto: Nascar Media)
Mais um pouco e a briga que esquentava era pela liderança. Truex Jr. começou a registrar algumas das melhores voltas da prova, cortando os 2s de Harvick com alguma facilidade. Chegada a volta 58, lá estava o #78 em primeiro lugar.
 
A liderança acabou sendo breve: durante o ciclo de pits em bandeira verde, Truex Jr. foi vítima de um erro crasso de seus mecânicos. O macaco não prendeu bem no carro, custando muito tempo na troca do pneu traseiro direito. Assim, Martin despencou para oitavo.
 
Mas o novo líder não seria Harvick. O #4 fez uma série de voltas ruins antes de parar, o que resultou em uma ultrapassagem de Johnson. Quando o ciclo de pits se encerrou, o #48 levou o primeiro lugar.
 
Com 70 voltas, o top-5 estava reformulado: Johnson, Harvick, Elliott, Kasey Kahne (!!!) e Kyle Larson.
 
Mas essa ordem seguiu se alterando. Elliott começou a crescer, passando Harvick e formando uma rara dobradinha da Hendrick – ano de vacas magras dá nisso. Pouco atrás, Larson roubava o quarto lugar das mãos de Kahne. Tratam-se de dois pilotos que provavelmente só entrariam no Chase com uma vitória.
 
Mais algumas voltas e Larson colou em Harvick, levando a terceira posição depois de algumas voltas de briga. Com 95 voltas de corrida, o top-3 da prova contava com dois pilotos ainda sem vitórias na Nascar – Elliott e Larson.
O segundo ciclo de pits em bandeira verde começou na volta 108. E já começou com problemas de Truex Jr. – dessa vez os mecânicos do #78 sofreram para trocar o pneu dianteiro direito. Em seguida o zicado foi Johnson: o combustível não entrou direito no #48, custando muito tempo nos pits.
 
Neste ciclo, um novo fator surgiu: Brad Keselowski, até então apagado, vinha tentando passar o maior tempo possível na pista. Assim, o #2 tentava fazer um pit a menor em relação aos demais.
 
Quando a ordem se reestabeleceu, Elliott pintou como líder. Johnson conseguiu segurar a segunda posição, beneficiado pela enorme vantagem para Larson, ainda em terceiro. Harvick e Blaney fechavam o top-5.
 
A bandeira amarela voltou a aparecer na volta 118, agora por conta de detritos na pista. Quase nenhum dos líderes foi aos boxes, a única exceção sendo Johnson – o #48 não tinha reabastecido tanto combustível quanto precisava, e corria o risco de furar um pneu.
 
Na relargada, Larson foi perfeito. O #42, partindo do segundo lugar, levou a melhor sobre Elliott. Harvick, Blaney e Hamlin fechavam o top-5, mas já ficando um pouco atrás dos dois primeiros.
 
Com ar limpo pela primeira vez no dia, Larson começou a abrir um pouco. Em oito voltas, o #42 abriu pouco mais de 1s sobre Elliott. Claro, isso significava muito pouco para uma prova que poderia muito bem ter mais 70 giros em bandeira verde.
 
Os dois primeiros colocados sustentavam uma margem boa sobre o resto. Harvick pintava 2s4 atrás de Elliott, agora com Keselowski e Blaney no espelho retrovisor. Johnson, único com pneus novos, não conseguia fazer progresso com facilidade – o #48 estava apenas em oitavo, tendo relargada em 12º.
 
O último ciclo de pits em bandeira verde começou na volta 155, 45 antes do fim. Lá, consequências importantíssimas para a prova: o pit de Elliott foi melhor do que o de Larson, suficiente para assumir a liderança novamente.
 
Conforme outros paravam, começou a ficar claro que o prejuízo de Larson foi maior do que se esperava: o #42 também perdeu posição para Harvick e Keselowski. Assim que todos parassem, Kyle se veria na quarta colocação.
 
Mas Larson começou a esboçar uma reação em seguida. O #42 passou ambos Harvick e Keselowski com alguma facilidade, deixando claro que tinha velocidade. A questão assim, passava a ser outra: Elliott conseguiu abrir 2s2 sobre a concorrência, tirando proveito das brigas que se desenrolavam.
O azar do Larson começou a se desenhar através dos retardatários. Matt DiBenedetto, brigando por posição, quase jogou o #42 contra o muro. Ninguém bateu, mas Kyle perdeu muito terreno em relação ao líder Elliott.
 
Mas aí a sorte voltou a ajudar Larson. Michael Annett encheu o muro, trouxe a amarela e reascendeu a esperança do #42 na corrida.
 
Na relargada, um repeteco do que se viu antes: Larson sendo perfeito, Elliott ficando para trás. O #24 abriu passagem para Keselowski, agora segundo, mas recuperou em seguida. Mas já era tarde: o #42 já tinha 1s de vantagem e, com 9 voltas para o fim, não perderia mais.

Nascar 2016, Michigan, corrida, final:

1 42 KYLE LARSON EUA GANASSI CHEVROLET 200 voltas  
2 24 CHASE ELLIOTT EUA HENDRICK CHEVROLET +1.479  
3 2 BRAD KESELOWSKI EUA PENSKE FORD +2.064  
4 21 RYAN BLANEY EUA WOOD BROTHERS FORD +4.108  
5 4 KEVIN HARVICK EUA STEWART-HAAS CHEVROLET +4.559  
6 48 JIMMIE JOHNSON EUA HENDRICK CHEVROLET +4.773  
7 19 CARL EDWARDS EUA JOE GIBBS TOYOTA +6.371  
8 1 JAMIE McMURRAY EUA GANASSI CHEVROLET +6.722  
9 11 DENNY HAMLIN EUA JOE GIBBS TOYOTA +7.748  
10 22 JOEY LOGANO EUA PENSKE FORD +7.791  
11 16 GREG BIFFLE EUA ROUSH FENWAY FORD +8.284  
12 41 KURT BUSCH EUA STEWART-HAAS CHEVROLET +9.020  
13 20 MATT KENSETH EUA JOE GIBBS TOYOTA +9.419  
14 5 KASEY KAHNE EUA HENDRICK CHEVROLET +9.729  
15 3 AUSTIN DILLON EUA RICHARD CHILDRESS CHEVROLET +10.256  
16 47 AJ ALLMENDINGER EUA JTS DAUGHERTY CHEVROLET +10.108  
17 31 RYAN NEWMAN EUA RICHARD CHILDRESS CHEVROLET +11.323  
18 27 PAUL MENARD EUA RICHARD CHILDRESS CHEVROLET +11.547  
19 18 KYLE BUSCH EUA JOE GIBBS TOYOTA +1 volta  
20 78 MARTIN TRUEX JR. EUA FURNITURE ROW TOYOTA +1 volta  
21 14 TONY STEWART EUA STEWART-HAAS CHEVROLET +2 voltas  
22 13 CASEY MEARS EUA GERMAIN CHEVROLET +2 voltas  
23 10 DANICA PATRICK EUA STEWART-HAAS CHEVROLET +2 voltas  
24 6 TREVOR BAYNE EUA ROUSH FENWAY FORD +2 voltas  
25 43 ARIC ALMIROLA EUA RICHARD PETTY FORD +2 voltas  
26 7 REGAN SMITH EUA TOMMY BALDWIN CHEVROLET +2 voltas  
27 17 RICKY STENHOUSE JR. EUA ROUSH FENWAY FORD +2 voltas  
28 44 BRIAN SCOTT EUA RICHARD PETTY FORD +3 voltas  
29 23 DAVID RAGAN EUA BK TOYOTA +4 voltas  
30 88 ALEX BOWMAN EUA HENDRICK CHEVROLET +5 voltas  
31 95 MICHAEL MCDOWELL EUA LEAVINE CHEVROLET +5 voltas  
32 83 MATT DIBENEDETTO EUA BK TOYOTA +5 voltas  
33 46 MICHAEL ANNETT EUA H SCOTT CHEVROLET +5 voltas  
34 98 COLE WHITT EUA PREMIUM CHEVROLET +6 voltas  
35 34 CHRIS BUESCHER EUA FRONT ROW FORD +7 voltas  
36 55 REED SORENSON EUA PREMIUM CHEVROLET +7 voltas  
37 32 JEFFREY EARNHARDT EUA GO F A S FORD +7 voltas  
38 30 JOSH WISE EUA GO F A S FORD +8 voltas  
39 38 LANDON CASSILL EUA FRONT ROW FORD +26 voltas NC
40 15 CLINT BOWYER EUA H SCOTT CHEVROLET +40 voltas NC
PADDOCK GP #43 DEBATE INDY E MOTOGP E FAZ PRÉVIA DA F1

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube