Lidando melhor com retardatários, Keselowski supera Jones e vence etapa da Xfinity Series em Kentucky

Erik Jones bobeou na hora de deixar retardatários para trás e, ao abrir caminho para Brad Keselowski, perdeu a chance de vencer a etapa de Kentucki da Xfinity Series. Kyle Busch, outro que brigou pela vitória, foi vítima de um pit ruim e terminou apenas em terceiro

Na briga pela vitória, a experiência de Brad Keselowski foi decisiva para superar o jovem Erik Jones na etapa da Xfinity Series desta sexta-feira (10), em Kentucky.
 
Jones, após uma bela relargada, havia tomado a ponta de Keselowski. O #20 até deu pinta de que poderia segurar o campeão da Sprint Cup, mas, na hora de ultrapassar retardatários, o jovem perdeu tempo e abriu espaço para o #22 tomar a liderança – dessa vez, para não mais perder.
Keselowski superou Jones na base da experiência (Foto: Nascar)
Outro que apareceu na briga pela vitória foi Kyle Busch. O piloto do #54 foi o líder no começo da etapa, mas foi vítima de pit-stops ruins. Na última rodada de paradas, sua equipe lhe fez o favor de perder tempo e o rebaixar para a quarta posição. O erro no pitlane fez com que o piloto terminasse a prova em terceiro.
 
A próxima etapa da Xfinity Series será disputada em New Hampshire, já no próximo final de semana.

Saiba como foi a etapa da Xfinity Series em Kentucky

 
O clima em Kentucky não era dos melhores. O céu estava nublado e a chance de chuva – que já havia cancelado os treinos classificatórios da Xfinity Series e da Sprint Cup – ainda existiam. Além disso, as temperaturas eram baixas: apenas 21ºC na cidade de Sparta.
JJ Yeley perdeu a liderança logo na largada, abrindo caminho para Brendan Gaughan, novo líder, e Ty Dillon. Kyle Busch e Erik Jones fechavam os cinco primeiros.
 
Mas a ação foi interrompida logo na sequência. John Wes Townley perdeu o controle do carro na curva 4 e acabou atolado na grama. Bandeira amarela.
 
Ty Dillon passou Gaughan já na relargada. Kyle Busch e Jones também fizeram o mesmo com Brendan. Enquanto isso, Yeley perdia várias posições, logo saindo do top-10.
 
A briga pela liderança logo esquentou entre Ty Dillon e Kyle Busch. Eventualmente, o piloto da Sprint Cup tomou a posição do novato. Para o #3, restava tentar segurar Jones – em vão.
 
A disputa pelo quarto posto, entre Gaughan e Menard, também era boa. Paul conseguiu fazer a manobra sobre Brendan – assim como Brad Keselowski, que logo tomou o quinto lugar do #62.
 
Jones, apesar de se livrar com certa facilidade de Dillon, não conseguia acompanhar Kyle Busch. A vantagem do #54 já era de mais de 1s7.
 
Ty Dillon, ex-líder, tinha grandes dificuldades para se sustentar. O #3 foi facilmente ultrapassado por Menard e Keselowski.
 
A bandeira amarela de competição, programada para a volta 25, foi logo acionada. Os pilotos foram obrigados a fazer seus primeiros pits.
 
Kyle Busch manteve a ponta, mas o segundo colocado passou a ser Menard. Jones, agora terceiro, era seguido por Daniel Suárez e Elliott Sadler.
 
Menard conseguiu assustar Busch, mas não pôde tomar a liderança de fato. Restou o segundo lugar para o #33. Enquanto isso, Suárez tomava o terceiro lugar e ameaçava os ponteiros.
 
Mas Suárez não foi capaz de sustentar os ganhos de sua boa relargada. Ambos Jones e Keselowski conseguiram tomar posição, deixando apenas o quinto posto para o mexicano.
 
Quarto, Keselowski tinha velocidade para alçar voos mais altos. Assim sendo, o piloto da Penske não tardou em passar Jones.

Keselowski precisou de um pouco mais de tempo para passar Menard, mas assim o fez, na altura da volta 68. Pouco depois, Ryan Sieg rodou sozinho e trouxe a terceira bandeira amarela da tarde.
 
Os pilotos foram aos boxes pela segunda vez. As três primeiras posições – Kyle Busch, Keselowski, Menard – não foram alteradas, mas Suárez conseguiu passar Jones – que também perdeu posição para Elliott Sadler.
 
Keselowski tomou a ponta já na relargada. Busch, que não fizera uma boa relargada, perdeu posição o segundo lugar para um incrível Suárez. Jones e Menard fechavam os cinco primeiros.
 
Suárez, que vinha fazendo uma bela prova, não conseguiu segurar Kyle Busch por muito tempo. Logo o mexicano foi ultrapassado, caindo para terceiro.
Kyle Busch obviamente havia perdido tempo enquanto preso atrás de Suárez, o que permitiu que Keselowski abrisse uma boa vantagem. Mas, ao ficar com caminho livre, o #54 conseguiu baixar a diferença. Na volta 110, a diferença era de apenas 0s7.
 
Começando a ser ameaçado, Keselowski precisou reagir. E assim o fez: poucas voltas e o #22 já tinha uma liderança de 1s8. Além disso, Kyle Busch também via Suárez se aproximando aos poucos.
 
Faltando 75 voltas para o fim, a ordem era Keselowski, Kyle Busch, Suárez, Jones e Menard.
 
Concluidas 50 voltas em bandeira verde, alguns pilotos começaram a parar em bandeira verde. Ty Dillon e Gaughan correram esse risco, por exemplo. Se a bandeira amarela fosse acionada na sequência, estes pilotos estariam em apuros.
 
Os líderes optaram pela mesma estratégia, logo depois. Keselowski, Busch, Suárez e os demais, todos nos boxes.
 
Mas, quando todos terminaram seus pits, o líder passou a ser outro. Kyle Busch, com um pit stop mais rápido, conseguiu superar Keselowski. Suárez ainda aparecia em terceiro, com Jones e Menard fechando os cinco primeiros.
 
Passados os pits, Keselowski não conseguia apresentar a mesma constância de antes. O piloto da Penske não vinha rápido nas primeiras voltas do trecho, mas reverteu a situação com o passar do tempo. Mesmo assim, não foi suficiente para chegar realmente perto do líder.
 
A oportunidade para dar uma bagunçada nas posições veio quando, com 35 voltas para o fim, Townley causou mais uma bandeira amarela. Os pilotos, preocupados com o consumo dos pneus, optaram por mais um pit.
 
E Keselowski se deu bem nos boxes. Muito bem. Kyle Busch perdeu tempo e caiu para o quarto lugar. Com isso, a liderança sobrou para o #22. Entre os dois, Jones e Suárez. Sadler fechava os cinco primeiros.
 
Pena que Keselowski estragou sua vantagem ainda na relargada. O #22 largou mal, passando a liderança para Jones. Enquanto isso, Busch partia bem, tomando o terceiro posto e colando em Brad. Suárez e Sadler fechavam os cinco primeiros.
 
Jones liderava, mas não era necessariamente o mais rápido. A diferença do #20 para Keselowski caía lentamente, chegando a 0s5 com 12 voltas para o fim. Kyle Busch, terceiro, também tinha uma diferença pequena para o segundo colocado.
 
Apesar de fazer uma boa prova, Jones pagou pela inexperiência. O #20 não soube lidar muito bem com os retardatários e, ao optar por passar um carro lento por fora, deu a chance para Keselowski fazer o mesmo por dentro. Essa foi a diferença que fez o #22 tomar a ponta – talvez em definitivo, com 6 voltas para o fim.
 
As poucas voltas para o fim evitaram qualquer reação. No fim das contas, o top-5 foi Keselowski, Jones, Busch, Suárez e Sadler.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube