Logano se recupera de problemas nos boxes e vence etapa da Xfinity em Watkins Glen dominada pela Penske

O dia de Joey Logano parecia acabado depois de ficar com um galão de combustível preso e pagar um drive-through. Mas o piloto tinha um carro velocíssimo em mãos e se recuperou para ultrapassar seu companheiro, Brad Keselowski. Vitória veio em prova amplamente dominada pelos dois carros da Penske

Joey Logano saiu dos boxes com um galão de combustível preso no carro, foi punido e caiu para o fim do grid. Parecia um indicativo de um dia ruim para o piloto da Penske, mas foi justamente o contrário: o #12 deu a volta por cima e tirou a vitória de Brad Keselowski, seu companheiro de equipe, na etapa de Watkins Glen da Xfinity Series deste sábado (8).
 
A recuperação de Logano foi uma prova do ritmo avassalador dos dois carros da Penske em Watkins Glen. Se na classificação da Sprint Cup o desempenho foi mediano, na Xfinity a tradicional equipe liderou praticamente todas as 82 voltas da corrida.
Logano se recuperou de um incidente nos pits e fez uma bela prova (Foto: Reprodução/Twitter)
Keselowski, segundo colocado, também teve sua dose de punições. Depois de ser superado por Logano na pista, Brad excedeu o limite de velocidade nos boxes e, assim como Joey, recebeu um drive-through.
 
Dos pilotos que disputam o título da Xfinity, Chris Buescher foi o que somou mais pontos – justamente o líder do certame. O #60 fez uma prova sólida, passando boa parte do tempo em terceiro.
 
Chris Buescher saiu de Watkins Glen ainda líder da Xfinity, e com uma vantagem ainda maior. Se antes da corrida o #60 tinha 20 pontos sobre Chase Elliott, o dia mediano do segundo colocado, sétimo, fez com que a diferença subisse para 24 pontos.
 
A próxima etapa da Xfinity Series será em outra pista mista: Mid-Ohio, já no próximo sábado (15).

Saiba como foi a classificação da Xfinity em Watkins Glen

 
Joey Logano conseguiu manter a ponta na primeira volta, com Brad Keselowski em segundo. Kyle Larson, Chase Elliott e Chris Buescher fechavam os cinco primeiros.
 
Mas a liderança de Logano não durou nem cinco voltas. Keselowski, numa manobra arrojada, passou seu companheiro de equipe por fora na curva 1.
O primeiro problema mecânico da tarde aconteceu com Larson, que teve uma quebra no eixo já na volta 9.
 
A dupla da Penske era bem mais rápida do que os demais. A diferença sobre Buescher, terceiro, passou a ser de 2s8.
 
A primeira bandeira amarela da tarde veio na volta 10. E em um momento crítico: Logano passou Keselowski na entrada do carrossel, segundo antes do motor de John Wes Townley explodir na curva 1 e causar a intervenção.
Keselowski liderou boa parte da prova em Watkins Glen, mas não venceu (Foto: Reprodução/Twitter)
Mas a liderança de Logano foi curta. O piloto abriu muito na curva 1 e permitiu a ultrapassagem de Keselowski. Buescher manteve o terceiro lugar, com Elliott e Ragan Smith no vácuo.
 
Elliott iria perder o quarto lugar para Smith na volta 15, depois de sair mal de uma curva. Mas Chase não teve paciência para recuperar a posição: sem espaço para dar o troco na chicane, o #9 tentou passar na base da força, mas tudo que conseguiu foi bater em Ragan e rodar sozinho.
 
Enquanto isso, a briga pela liderança esquentava. Logano tracionou melhor na saída da última curva e passou Keselowski ainda na reta. Enquanto isso, Buescher já ficava para trás, sem conseguir acompanhar o ritmo.
 
Logano foi o primeiro a fazer um pit-stop, já na volta 21. Mas não sem passar por apuros: o galão de combustível ficou preso no carro, caindo na saída dos boxes. Isso, claro, fez o #12 ser punido com um drive-through, além de causar uma bandeira amarela.
 
A intervenção foi a deixa para o resto dos ponteiros parar – como Keselowski, por exemplo. O dia de Elliott, que já vinha ruim, ficou ainda pior quando o piloto entrou no pit-lane quando este estava fechado.
 
Com a reviravolta nos pits, a ordem passou a ser Keselowski, Smith, Menard, Landon Cassill e Ty Dillon. Buescher, que fez o pit antes da amarela, perdeu tempo e caiu para 13º.
 
Com Smith em segundo, Keselowski tratou de abrir alguma vantagem. Logano estava apenas em 14º, bem longe de seu companheiro.
 
Na volta 31, a ordem passou a ser Keselowski, Smith, Menard, Ty Dillon e Boris Said. Logano, em veloz recuperação, estava em décimo.
A metade da corrida se aproximava e vários problemas aconteciam ao mesmo tempo. Primeiro JJ Yeley foi prensado enquanto tentava ultrapassar, rodando na curva 1. Depois veio Bem Rhodes que, com problemas no motor, ficou parado na entrada dos pits. E, fechando com chave de ouro, Landon Cassill estava lento na pista. Bandeira amarela acionada, claro.
 
A relargada veio e foi bastante tumultuada. Ragan Smith rodou após ser tocado por Ty Dillon, causando um certo tumulto na curva 1. Enquanto isso, Keselowski segurava Menard e seguia líder. Buescher, um pouco mais atrás, se consolidava em terceiro.
 
Mas Buescher não conseguiu segurar o terceiro lugar por muito tempo. O motivo? Logano, em plena recuperação, estava em quarto e não poupou o #60 de ser ultrapassado.
 
Keselowski, Menard e Logano estavam colados. A diferença entre os três era de menos de 0s5.
 
Logano não tardou em passar Menard, na saída da última curva. E, pouco depois, deixou Keselowski para trás. E contou com a ajuda de um retardatário, que segurou Brad – justamente o contrário da primeira troca de líderes, que prejudicou Joey.
 
O super trecho de Logano fez com que o #12 fosse aos boxes antes de Keselowski. Duas voltas depois, Keselowski e Menard fizeram o mesmo.

Nos boxes, Keselowski perdeu posição para ambos Menard. E depois perdeu mais ainda: o piloto da Penske excedeu o limite de velocidade nos boxes e foi punido. Com isso, caiu para sétimo.
Logano teve problemas nos boxes de Watkins Glen (Foto: AP)
A bandeira amarela retornou com 21 giros para o fim. David Starr havia furado um pneu, deixando borracha pela pista.
 
Logano disparou na relargada, enquanto Keselowski tratava de remontar a dobradinha da Penske. Brad passou Menard e Buescher ao mesmo tempo na freada para a chicane, se colocando em posição de, quem sabe, atacar Logano.
 
Mas a bandeira verde foir breve: Smith tentou uma ultrapassagem impossível sobre Gaughan, bateu e rodou, indo rumo ao guard-rail.
 
Essa bandeira amarela, em especial, demorou bastante para acabar. O motivo foi o guard-rail, que ficou danificado após a batida de Smith.
Logano manteve a ponta quando a relargada finalmente aconteceu, ainda com Keselowski atrás. Mas o grande momento foi quando Ty Dillon, completamente desajeitado, acertou a traseira de Menard, rodando os dois.
 
Chris Buescher se consolidou novamente em terceiro, assumindo a condição de não-Penske mais rápido do dia. Scott e Said fechavam os cinco primeiros.
Habdul levou a pior em um acidente no fim da prova de Watkins Glen (Foto: Reprodução/TV)
Logano logo tratou de abrir sobre Keselowski, conseguindo 0s9 em poucas voltas. E a diferença sobre 3s6 sobre Buescher impressionava.
 
O problema é que todas essas vantagens foram anuladas pouco depois. A bandeira amarela voltou quando Gaughan e Kenny Habul se tocaram e rodaram. Parado na pista, Habul foi acertado em cheio por Ryan Reed.
 
A bandeira vermelha precisou ser acionada, para garantir que a prova não terminaria em amarela.
 
Logano não teve problemas para manter a ponta contra Keselowski. Isso se deve à péssima relargada de Brad, que precisou fechar a porta dos rivais para manter o segundo lugar. Buescher seguia em segundo, com Said e Ty Dillon atrás.

As poucas voltas para o final – três – não permitiram mais ultrapassagens. Logano venceu, seguido por Keselowski, Buescher, Said e Ty Dillon.

VIU ESSA? INDIANÁPOLIS RECEBE PEGA ENTRE MOTOGP E INDY

determinarTipoPlayer(“15565662”, “2”, “0”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube