Mesmo ficando uma volta atrás do líder, Kyle Busch se recupera e vence etapa de New Hampshire da Nascar

Um pit-stop em bandeira verde poderia ter arruinado a prova de Kyle Busch. Uma volta atrás dos líderes, o #18 teve a paciência necessária para fazer voltas rápidas e deixar de ser um retardatário. Depois, com as paradas dos adversários, fez a última relargada em primeiro e de lá não mais saiu. Brad Keselowski tentou buscar o líder, mas em vão. Com o triunfo, o piloto da Joe Gibbs Racing soma três nas última quatro etapas

A atual fase de Kyle Busch na Nascar é digna de estudos da comunidade científica. Autor de uma prova brilhante em New Hampshire, neste sábado (19), o piloto do #18 chegou a ficar uma volta atrás dos líderes depois de uma parada em bandeira verde, mas se recuperou e partiu para a terceira vitória em quatro etapas.
 
Se Kyle Busch tivesse demorado mais uma volta para deixar de ser retardatário, uma bandeira amarela o impediria de voltar a volta do líder.
Kyle Busch, contra as probabilidades, venceu em New Hampshire (Foto: AP)
Com o triunfo, Kyle Busch dá outro passo importantíssimo em sua marcha rumo ao Chase da Sprint Cup. Depois de perder as oito primeiras provas por causa de um sério acidente em Daytona, o irmão de Kurt passou a necessitar de uma série de bons resultados para ficar entre os 30 primeiros colocados na classificação. Assim, passaria a ser elegível para a parte decisiva do campeonato.
 
O segundo colocado, Brad Keselowski, também fez uma prova digna de aplausos, mas foi vítima do desempenho incrível de Kyle Busch no último trecho da corrida. O piloto da Penske foi o que mais liderou voltas, mas não conseguiu diminuir a vantagem do #18 na hora da decisão.
 
Kevin Harvick, que terminou em terceiro, deu pinta de que poderia sair vencedor de Loudon. Mas um erro de estratégia – trocar dois pneus e não quatro – tirou velocidade do #4. Depois de uma relargada fraca, restou ao atual campeão da Sprint Cup brigar por um top-5.
 
A próxima etapa da Nascar será disputada em Indianápolis, no próximo final de semana.
 

Saiba como foi a etapa de New Hampshire da Sprint Cup

 
O clima em New Hampshire era bastante agradável. O sol voltava a brilhar depois de finais de semanas afetados pela chuva. Todavia, a chance de uma pequena garoa atingir Loudon existia – apenas 10%.
 
A corrida começou a Carl Edwards logo aproveitou para escapar na liderança. Kyle Busch, com uma bela largada e saltou para segundo, com Joey Logano colado atrás. David Ragan e Kurt Busch fechavam os cinco primeiros. Enquanto isso, Denny Hamlin e Jimmie Johnson batalhavam pelo sétimo lugar.
 
Ragan, apesar de ter conseguido o terceiro lugar no grid de largada, não tinha o melhor ritmo de corrida. O #55 não tardou em cair para sexto, abrindo caminho para Kurt Busch e Matt Kenseth.
 
Fora dos cinco primeiros, Brad Keselowski escalava posições. Largando em décimo, o piloto da Penske já estava batendo na porta do top-5, em sexto.
Keselowski fez uma prova boa, mas não suficientemente boa (Foto: AP)
A boa fase da Joe Gibbs seguiu dando seus frutos. Com todos os quatro carros entre os nove primeiros, ficava claro que a equipe tinha boas chances de brigas pela vitória. Nesse contexto, a briga particular entre os companheiros Edwards e Kyle Busch acabou com o #18 tomando a ponta.
 
A bandeira amarela foi acionada na volta 23 por causa de uma grande peça de carro que estava no asfalto. Os líderes não foram aos boxes, mas muitos pilotos – como Keselowski e Hamlin – optaram por entrar.
 
Kyle Busch manteve a ponta na relargada, enquanto Kurt pulava para segundo. Edwards, Logano e Ragan fechavam os cinco primeiros.
 
Keselowski, com pneus novos, já estava em sétimo. O #2 estava preso atrás de Kenseth, mas tinha tudo para crescer na prova.
 
Ao se livrar de Kenseth, Keselowski engoliu os rivais. Logano, Edwards… ambos ultrapassados. O #2 já estava em terceiro, atrás apenas dos irmãos Busch.
Mas não por muito tempo. Já na volta 70 Keselowski tinha assumido a ponta, com Kyle Busch em segundo. Harvick, também com pneus novos, passou Kurt Busch e virou terceiro. Dale Earnhardt Jr. era outro que conseguia encaixar um bom ritmo de prova, eventualmente pulando para quinto.
 
Edwards, sem o mesmo ritmo do começo da prova, foi caindo na classificação. A cereja no bolo foi o duvidoso privilégio de ser o primeiro a parar em bandeira verde. Ragan e Kenseth precisaram fazer o mesmo poucas voltas depois.
 
Eventualmente todos os líderes fizeram seus pits. Alguns, como Dale Jr. e Jeff Gordon, aproveitaram para ficar mais na pista, liderar uma volta e garantir pontos extra.
 
Com 98 voltas completas, apenas AJ Allmendinger ainda não havia parado. E o #47 teve sorte: o carro de Alex Bowman teve um princípio de incêndio nos freios e trouxe a segunda amarela da tarde.
Bowman se incendiou em New Hampshire (Foto: Reprodução/TV)
O #47 foi aos boxes e voltou em nono, um avanço em relação ao seu começo de prova. Na relargada, Keselowski seguiu líder, trazendo Kurt e Kyle Busch atrás. Dale Jr. era quarto e Edwards, se recuperando, quinto.
 
A prova seguiu sem grandes ações, até que detritos na reta oposta causaram mais uma bandeira amarela. Dessa vez nenhum piloto foi aos boxes.
 
A única alteração da relargada foi a ultrapassagem de Kyle sobre Kurt Busch, enquanto Keselowski fugia. Logo atrás, Dale Jr. segurou Kasey Kahne, que logo foi ultrapassado por Harvick, o novo quinto colocado.
 
Ryan Blaney, voltando a uma corrida depois de não se classificar duas vezes, tinha um dia difícil. Depois de fazer um pit fora do cronograma, em bandeira verde, o #21 foi punido por excesso de velocidade.
 
Este trecho em bandeira verde mostrava que dois pilotos tinham potencial para vencer: Brad Keselowski e Kyle Busch. Os dois já tinham 2s de vantagem sobre Kurt Busch. Mas a distância entre os dois primeiros, 1s, evitava uma briga pela liderança.
Harvick, que ainda não tinha conseguido brigar pela liderança, conseguiu mudar isso num pequeno espaço de tempo. Depois de passar Dale Jr. e Kurt Busch, o #4 precisou remar para chegar em Kyle Busch. Mas, quando colou, passou sem maiores cerimônias.
 
Passada metade da prova, os pits em bandeira verde voltaram a acontecer. Essa variável fez com que Harvick voltasse dos boxes à frente de Keselowski. Mas o #2 conseguiu inverter posições logo depois. A briga ainda não valia o primeiro lugar, já que muitos pilotos ainda não haviam parado.
 
A bandeira amarela voltou logo depois. Alguém havia atirado uma garrafa de energético na pista. Logano e Edwards, que ainda não haviam parado, se deram bem. A dupla teria a chance de recuperar posições.
Harvick até poderia vencer, mas pecou na estratégia (Foto: Nascar)
Todos já haviam feito seus pits e os líderes relargariam nas primeiras posições. Harvick tomou a ponta de Keselowski, que ficou preso atrás de Kyle Busch. O #2 perdeu tempo até voltar para o segundo posto, vendo Kevin escapar. Dale Jr e Truex Jr. fechavam o top-5.
 
A bandeira amarela voltou um pouco depois, por um motivo deveras tosco. Paul Menard ficou lento na pista e tentou entrar nos boxes, mas passou da entrada. Na volta seguinte, rodou sozinho ao se aproximar do pitlane. Via rádio, os pilotos reclaram do #27, acreditando que foi uma manobra intencional.
 
Na relargada, Harvick segurou o ímpeto de Keselowski, mantendo a ordem. Kyle Busch, Kenseth e Truex Jr. fechavam os cinco primeiros.
 
A prova seguiu com um domínio maior de Harvick. Era a melhor prova do #4 desde o começo da temporada, quando Kevin conseguiu uma sequência incrível de top-5.
 
Com os dois primeiros abrindo cada vez mais sobre os demais, a briga pelo terceiro lugar ganhou em importância. Kyle Busch e Logano vinham brigando pelo P3, até que Kenseth, com pneus mais novos, passou os dois.

Pouco a pouco, Keselowski conseguiu tirar toda a vantagem de Harvick. O #2 dava pinta de que faria a manobra, mas não conseguiu a tempo. Isso porque uma bandeira amarela foi agitada na hora em que os dois vinham colados.
 
Kyle Busch quase ficou em situação muito ruim na prova. Depois de fazer um pit em bandeira verde, o #18 perdeu uma volta. A sorte de piloto da Joe Gibbs Racing é que deu para recuperar a volta logo antes da intervenção.
 
Como fez o pit antes, Kyle assumiu a liderança, já que todos os outros pilotos fizeram a parada na bandeira amarela.
 
Na relargada, Kyle seguiu líder. Enquanto isso, Keselowski ganhava preciosas posições, saltando para segundo. Logano, depois de superar Kenseth, virou terceiro. Edwards fechava os cinco primeiros. Harvick aparecia em sexto.
 
A queda de Harvick teve um motivo: o #4 trocou apenas dois pneus, pensando em se sustentar entre os líderes. Keselowski trocou quatro, caiu para sexto, mas deu a volta por cima com facilidade.
 
Enquato isso, Kyle Busch nadava de braçada rumo a mais um triunfo. O #18 conseguiu 2s sobre Keselowski com inesperada facilidade.
 
Keselowski precisou de um pouco de tempo para voltar a diminuir a diferença de Kyle Busch. Com 26 giros para o fim, a diferença passou a ser de 1s2.
 
Mas o bom momento foi momentâneo. Kyle Busch conseguiu manter a vantagem sempre acima de 1s. Não tinha como Keselowski tirar a vantagem do líder.
 
Ao fim da prova, o top-5 acabou sendo formado por Kyle Busch, Keselowski, Harvick – que se recuperou nas últimas voltas, Logano e Dale Jr.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube