Nelsinho deseja ver mais investimento de pilotos brasileiros para construir carreira nos EUA

Disputando a Nationwide neste ano, Nelsinho Piquet falou das diferenças entre a categoria e a Truck Series, e pediu que pilotos brasileiros olhem mais para o automobilismo na América do Norte

Desde 2010 correndo no automobilismo norte-americano, passando por ARCA, Truck Series e Nationwide, Nelsinho Piquet mostrou que há vida fora da F1 e, principalmente, que é possível ter uma sólida e estruturada carreira na Nascar, algo impensado para a maioria dos brasileiros. Durante a apresentação do X Team Mitsubishi, na última segunda-feira (7), em São Paulo, Piquet afirmou que deseja ver os pilotos com a mesma vontade de construir uma carreia nos Estados Unidos.
 
“Quero que os pilotos tenham a mesma chance de ir ou invistam o mesmo nos Estados Unidos. Primeiro, tem muito mais categorias; segundo, economicamente ainda estão mais saudáveis. Na Europa tem a F1 e o DTM, e fora isso não sei mais o que tem para fazer uma carreira. Lá tem a Indy, tem a Nascar — com três categorias. É diferente da GP2, que é uma categoria em que não se cria carreiras. Na Nascar, há muitos pilotos fazendo carreira e ganhando dinheiro, e estão lá há muito tempo”, disse Nelsinho, quando perguntado pelo Grande Prêmio.

Nelsinho Piquet ainda sonha em terminar entre os dez melhores da Nationwide (Foto: Carsten Horst)

 
Aos 27 anos, Piquet Jr. também contou que o investimento de empresas brasileiras nos EUA faz muito mais sentido e citou a proximidade geográfica como um dos fatores determinantes para que o sonho de uma longa carreira na América seja possível para vários pilotos do Brasil.
 
“O investimento faz muito mais sentido porque tem muito mais ligação entre Brasil e Estados Unidos do que entre o Brasil e a Europa, na minha opinião. Vai levar um tempo, mas, pouco a pouco, os pilotos brasileiros vão ver que correr nos Estados Unidos também é um caminho”, explicou.
 
Falando da temporada, Piquet, apesar do início complicado na Nationwide, ainda mantém o objetivo de ficar no top-10. “Essa decisão de levar a equipe da Truck Series a Nationwide mostra que você precisa estar bem preparado, não apenas na pilotagem, mas de forma geral. Se não tiver preparado, é muito difícil ganhar corridas. Estamos começando a recuperação agora”, afirmou Nelsinho.
 
“A diferença na pilotagem [entre as categorias] é quase nula, mas o erro na Nationwide é muito pior. É mais difícil se recuperar do que na Truck Series. E ainda tem o fato de correr contra grandes equipes — muitas delas correm na Sprint Cup e têm uma estrutura muito forte. Mas quero ficar entre os dez e tentar ser o estreante do ano”, encerrou. Atualmente, Piquet ocupa a 14ª colocação na temporada e soma 131 pontos. O líder é o experientíssimo Sam Hornish Jr., com 210.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube