Outras

Construtora confirma que Fittipaldi comprou em Miami apartamento que vale metade das dívidas no Brasil

Uma das empresas responsáveis pelo empreendimento Park Grove, em Miami, ratificou ao GRANDE PRÊMIO que Emerson Fittipaldi é dono de um apartamento de 260 m² pelo qual desembolsou R$ 10 milhões, valor que equivale à metade da soma de suas dívidas no Brasil

Warm Up / VICTOR MARTINS, de São Paulo

Uma das construtoras responsáveis pelo empreendimento Park Grove, de Miami, corroborou ao GRANDE PRÊMIO que Emerson Fittipaldi é, de fato, dono de um apartamento no condomínio de luxo. A informação vem à tona diante da revelação da situação financeira delicada, no Brasil, do bicampeão da F1 e campeão da Indy.

Com 62 ações judiciais contra ele e suas empresas, que podem ser consultadas no site do Tribunal de Justiça de SP, Fittipaldi teve seus bens penhorados pela justiça e se viu sem grande parte dos troféus que conquistou na carreira e dos carros da Patrick, que conquistou as 500 Milhas de Indianápolis e seu título na categoria norte-americana em 1989, e o Copersucar Fittipaldi da temporada de 1977 da F1.
 
O Related Group, que se uniu ao Terra Group para conceber o espaço na cidade da Flórida, respondeu ao questionamento do GP, que noticiou a compra do apartamento na última terça-feira com base nas informações do jornal especializado em notícias imobiliárias ‘The Real Deal’. Segundo a publicação, Emerson havia comprado uma cobertura de 465 m² no valor de US$ 4,5 milhões, equivalente a R$ 16,4 milhões. Ao GRANDE PRÊMIO naquele mesmo dia, a assessoria de imprensa “negou categoricamente” que o ex-piloto tivesse adquirido o imóvel e que foi apenas um “promotor do empreendimento”. 
A Mansao adquirida por Fittipaldi em Miami (Foto: Divulgação)

A porta-voz do Related Group enviou, por e-mail, a seguinte informação: “Fittipaldi adquiriu uma unidade na Torre 2, onde a média dos apartamentos de 2.800 pés-quadrados é de US$ 2,8 milhões”. A área equivale a 260 m² e o valor, convertido em reais, a 10,4 milhões.
 
Procurada por e-mail, a assessoria de Fittipaldi respondeu na manhã desta sexta-feira (8) o seguinte: "O Sr. Emerson Fittipaldi não é proprietário de um apartamento ou casa no condomínio Park Grove em Coconut Grove. Ele, sim, promoveu o empreendimento. Em contrapartida, recebeu uma opção de compra que não exerceu."
 
O GRANDE PRÊMIO também apurou que o pedido para a penhora dos bens aconteceu em 7 de dezembro do ano passado e que o valor do débito de Fittipaldi com seus credores é de cerca de R$ 20 milhões. Isso significa dizer que o apartamento que o Related Group diz ter vendido a Emerson vale metade de suas dívidas.
 
Ainda no tema valores, o GP levantou que a prefeitura de São Paulo deu um apoio total de R$ 23,5 milhões a Fittipaldi para a realização das três edições das 6 Horas de São Paulo, válidas pelo Mundial de Endurance (WEC), entre 2012 e 2014. Muitos dos fornecedores, de empresas de informática, catering e comunicação visual, por exemplo, ficaram sem receber pelo trabalho nos eventos. Em nota, a assessoria de Emerson confirmou as dificuldades e atribuiu ao “cenário financeiro e político instável que o Brasil inteiro enfrenta” pela não quitação das dívidas. 

Dois carros de corrida penhorados pela justiça foram parar no galpão de um banco que pediu penhora dos bens.
PADDOCK GP #23, FALA SOBRE FITTIPALDI E FIM DE SEMANA MOVIMENTADO NO ESPORTE