Outras

Museu Fittipaldi ingressa ação na Justiça para reaver carros de corrida penhorados por dívidas de Emerson

Em comunicado enviado ao GRANDE PRÊMIO nesta sexta-feira (8), a assessoria de Emerson Fittipaldi informou que está entrando na Justiça para reaver a Copersucar Fittipaldi de 1977 e a Penske de 1989 que acabaram levados do escritório em São Paulo como parte da penhora de bens do ex-piloto

Warm Up / VICTOR MARTINS, de São Paulo
A assessoria de Emerson Fittipaldi informou na tarde desta sexta-feira (8) ao GRANDE PRÊMIO que o Museu que leva o nome do piloto, localizado na Av. Rebouças — local onde também funciona seu escritório —, entrou com uma ação na Justiça para resgatar os dois carros de corrida que foram penhorados. 

A ação é de embargo de terceiros, isto é, a alegação é de que o carro não é propriedade de Fittipaldi, mas um objeto de uso dele. Desta forma, a Copersucar Fittipaldi de 1977 e a Penske Chevrolet de 1989 que pertencia à equipe Patrick não poderiam ter entrado na penhora.
Emerson Fittipaldi Indy 500 1989 (Foto: Getty Images)

 O CASO DE EMERSON
Fittipaldi: vítima ou responsável pela situação de sua falência? Opine
Os contratos publicitários de Emerson também foram penhorados, mas nenhum deles acabou encontrado. A Justiça também chegou às fazendas de laranja de Fittipaldi em Araraquara. Por estar largada e abandonada, as frutas não puderam ser penhoradas. Na cidade do interior de São Paulo, o ex-piloto foi proprietário de três empresas, sendo que apenas uma ainda pertence a ele.

O GRANDE PRÊMIO apurou que as dívidas também cresceram quando Fittipaldi esteve na organização do WEC para realização da corrida de 6 Horas em Interlagos. Emerson ficou devendo a grande parte das empresas contratadas, de cathering, informática, sinalização e até mesmo à assessoria de imprensa.

Ao menos quatro empresas com que o GP conversou e teve acesso aos documentos e contratos, estão na Justiça pedindo o pagamento dos serviços prestados ainda na edição de 2014 do Mundial de Endurance. Os valores ultrapassam R$ 500 mil. 

No pedido de penhora, o Banco ABC Brasil informou, em dezembro do ano passado, que a dívida de Emerson supera R$ 20 milhões. Estima-se que hoje já esteja na casa de R$ 27 milhões.