Para aumentar disputas por posição, Pirelli muda pneus da GP3, que terá compostos mais duros

Após a degradação elevada na etapa de Barcelona da GP3, quando os pilotos não conseguiam brigar por posição sem acabar com a borracha, a Pirelli resolveu mudar os compostos das categorias de base

Não é só na F1 que a Pirelli se encontra no olho do furacão. Enquanto está em meio a uma polêmica envolvendo um teste secreto com a Mercedes, a fornecedora de pneus anunciou nesta quarta-feira (29) que resolveu mudar os compostos usados na GP3, para uma construção ainda mais dura, após o desgaste elevado que os carros tiveram em Barcelona.

Com isso, a partir da rodada de Valência, marcada para os dias 15 e 16 de junho, as equipes terão à disposição um composto superduro, desenvolvido desde os treinos da última pós-temporada. Assim, a Pirelli espera evitar o desgaste da borracha e voltar a proporcionar boas brigas na pista.

A Pirelli também enfrentou polêmicas na GP3 (Foto: Pirelli)

O chefe da categoria, Bruno Michel, afirmou que as mudanças feitas pela Pirelli servem para devolver à GP3 os duelos entres os pilotos, já que na etapa da Espanha, os competidores conhecidos por acelerarem mais ficaram sem pneus e tiveram uma queda brusca de desempenho.

“As corridas da GP3 sempre tiveram os pilotos dando o máximo para atacar, enquanto tentavam aprender como controlar a degradação dos pneus. Depois de Barcelona, nós analisamos isso e tivemos que ajustar nossa seleção de componentes para os mais duros para manter esse equilíbrio intacto”, declarou.

Apesar dos problemas com os compostos, o dirigente elogiou o rápido trabalho da fabricante italiana, que mudou a borracha das próximas corridas. “Nós estamos muito satisfeitos em como a Pirelli trabalha e reage em qualquer situação. Eles têm sido rápidos para se adaptar à situação em termos de produção de pneus”, completou.

O diretor da Pirelli, Mario Isola, explicou que o novo carro da categoria desgastou os compostos de uma maneira maior que a esperada pela fabricante.

“Após as duas primeiras corridas, nós analisamos as informações juntos com os organizadores do campeonato e decidimos rever algumas das escolhas iniciais, que acabaram tornando o desempenho um pouco orientado para a economia dos compostos, considerado as forças maiores que o novo carro da GP3 estava colocando nos pneus”, disse o dirigente.

O italiano disse, ainda, que os testes feitos antes do campeonato não identificaram esse problema da degradação, já que a Europa enfrentava uma onda de frio, o que não se repetiu durante a etapa de abertura do campeonato.

“Nos treinos de pré-temporada, as equipes tiveram a oportunidade de testar o novo carro com os nossos novos pneus, mas dada a temperatura naquela época do ano as condições de pista não correspondiam completamente, e o potencial todo do equipamento do carro não poderia ser explorado”, acrescentou.

Mesmo com os problemas, Isola se mostrou confiante em ver as dificuldades resolvidas já em Valência. “Agora que somos 4s ou 5s mais rápidos por volta que no ano passado e com muitas informações recolhidas de Barcelona, nós decidimos fazer uso de compostos mais duros para as corridas das GP3, então os pilotos podem levar o carro mais rápido ao limite, mas ainda conseguem aprender sobre economia dos pneus”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube