Período olímpico tem Barrichello reclamando da Indy e sonhando com F1 e retorno de Rossi à Yamaha

Do GP da Hungria de F1 à etapa de Watkins Glen da Nascar, saiba o que aconteceu no mundo da velocidade enquanto você assistia à Olimpíada de Londres. Destaque para Rubens Barrichello reclamando da Indy e o retorno de Valentino Rossi à Yamaha

  Revista WARM UP: criador da Stock revela calote e briga com Galvão e família

Tudo deveria parar enquanto são disputados os Jogos Olímpicos mas, infelizmente, nem sempre é assim. Enquanto os olhos do mundo estavam voltados para Londres e a busca de mais de 10 mil atletas por medalhas, algumas corridas aconteceram pelo mundo afora. Não muitas, é verdade.

F1, MotoGP e Indy correram uma vez cada. No Brasil, teve Brasileiro de Marcas, GT Brasil, F3 Sul-Americana e Copa Fiat. Mas a grande prova de que o automobilismo esteve meio parado foi o último fim de semana, quando, das principais categorias nacionais e internacionais, apenas a Nascar realizou provas.

Vitória em Hungaroring representou renascimento de Hamilton no Mundial (Foto: McLaren/Facebook)

Fora das pistas, uma coleção de declarações e um grande anúncio: o retorno de Valentino Rossi para a Yamaha, após duas temporadas frustrantes com a Ducati. Além disso, Barrichello abriu a boca para reclamar da KV e dizer que não descarta uma mudança de equipe para 2013, e voltou a afirmar que retornaria à F1. E à Revista Warm Up, o criador da Stock Car, Washington Bezerra, disse que o atual comandante, Carlos Col, é "desonesto" e contou um problema com a família de Galvão Bueno que envolveu calote.

Para você que, nas últimas duas semanas, ficou concentrado no que acontecia na terra da rainha, o Grande Prêmio traz uma recapitulação do noticiário do mundo da velocidade à medida em que, aos poucos, tudo vai voltando à normalidade.

Fazendo fumaça

A matéria de capa da Revista Warm Up é a entrevista com o criador da Stock Car, Washington Bezerra, que foi chefe de equipe da categoria até 2008. Dentre tantas revelações, Bezerra contou uma desavença que teve com a família Bueno e o tempo que ficou afastado do narrador e pai de Cacá, Galvão.

"A briga foi porque eles achavam que o Popó era o melhor piloto do mundo, mas não é. Não é", ressaltou Bezerra. Achavam que eu não fazia o carro direito e tal. Aí eu falei que eles poderiam fazer o carro em outro lugar. ‘Paguem o que vocês me devem e vão embora. A porta da rua é a serventia da casa’. Eles não me pagaram. Eu esperei e tal, mas quando chegou o fim do ano, eu processei o Popó. Aí as coisas ficaram um pouco estremecidas", completa. A história completa está aqui

Alonso mais líder do que nunca

Kimi nem parece que ficou dois anos fora da F1. Só não conseguiu superar Lewis (Foto: Lotus F1/LAT)

Entre a estreia do Brasil no basquete masculino e o segundo jogo do time de Mano Menezes em Londres, uma chata corrida aconteceu em Budapeste. Lewis Hamilton largou na pole e venceu o GP da Hungria, sua segunda vitória na temporada. Os principais adversários foram Kimi Räikkönen e Romain Grosjean, da Lotus, que completaram o pódio. Fernando Alonso terminou só em quinto, mas Mark Webber, vice-líder, foi só o oitavo e, assim, a vantagem do espanhol subiu de 34 para 40 pontos.

Bruno Senna foi o sétimo, em sua melhor apresentação como piloto da Williams. O desempenho do brasileiro rendeu elogios de Frank Williams, o dono da equipe. Seu companheiro, Pastor Maldonado, foi mal, mas esta não foi sua única apresentação ruim no período olímpico. No domingo do encerramento dos Jogos, o venezuelano fez uma demonstração nas ruas Caracas e conseguiu bater o carro da Williams, ao rodar e acertar o meio-fio.

Felipe Massa não foi bem na Hungria. Terminou apenas em nono, sem fazer nada demais. Seu futuro na Ferrari segue incerto. No fim de semana de Budapeste, um novo nome entrou na lista dos que poderiam ocupar seu lugar em Maranello: Kimi Räikkönen. E o finlandês não descartou um retorno ao time pelo qual conquistou o mundo, em 2007.

Depois de Budapeste, todos entraram de férias. Fora da pista, as especulações a respeito do mercado de pilotos da F1 não cessaram. Sergio Pérez, que sonha em ir para a Ferrari, se mostrou ansioso por uma definição. Seguiu também a novela Lewis Hamilton na McLaren, ainda sem desfecho conhecido. E nada de Michael Schumacher dizer se fica ou não na F1. A próxima etapa do Mundial está marcada para 2 de setembro, na Bélgica.

De volta à velha casa

Na MotoGP o ponto alto dos últimos dias foi o retorno de Valentino Rossi para a Yamaha. Cansado de lutar para tentar melhorar a Ducati, o italiano optou por não renovar seu vínculo com o time vermelho e assinou por dois anos com a equipe onde conquistou quatro de seus sete títulos mundiais na categoria rainha. Com a decisão, Rossi voltará a ser companheiro de Jorge Lorenzo, mas, desta vez, com o espanhol como nº 1 na casa de Iwata.

O retorno de Rossi à Yamaha era uma das notícias mais aguardadas pelos fãs nos últimos tempos(Foto: Yamaha)

Com Nicky Hayden garantido para 2013, o time de Borgo Panigale agora busca um substituto para o multicampeão. Depois de flertar com Cal Crutchlow, a negociação agora parece pender para o lado de Andrea Dovizioso, com a imprensa italiana garantindo que o piloto já assinou por dois anos com o time vermelho.

Se a contratação de Dovi se confirmar, a Tech 3 pode ter um time 100% britânico, já que a chegada de Bradley Smith ao time chefiado por Hervé Poncharal é certa.

A nova meta da Ducati é a criação de um time Júnior, uma vez que a presença de AB e Pramac ainda não está garantida no grid do ano que vem. Entre os mais cotados para a equipe vermelha estão Andrea Iannone e Scott Redding, que chegaram a testar com a GP12 neste período de férias da categoria.

Barrichello sem papas na língua

Assim como a maioria das categorias, a Indy também não teve muita movimentação no período olímpico e apenas uma prova aconteceu enquanto os Jogos rolavam. No início de agosto, a categoria disputou a etapa de Mid-Ohio e quem se deu bem foi Scott Dixon, da Ganassi, que faturou sua segunda vitória na temporada – a primeira havia acontecido em Detroit.

A segunda colocação da prova ficou com Will Power e foi um bom resultado, olhando para o campeonato. Sem vencer desde a etapa em São Paulo, o piloto da Penske recuperou a liderança da tabela ao finalizar a etapa em segundo e tirou Ryan Hunter-Reay, da Andretti, da ponta. A diferença entre os dois pilotos é de apenas cinco pontos faltando três etapas para o final. O melhor brasileiro ainda é Hélio Castroneves, que ocupa a terceira colocação e tem chances de título.

A temporada de Barrichello não está tão fácil quanto muita gente pensava que seria (Foto: IndyCar/LAT USA)

Mas o que movimentou mesmo a Indy foram as declarações mais recentes de Rubens Barrichello, atual companheiro de Tony Kanaan na KV Racing. Primeiro, o ex-piloto da Williams afirmou que está na categoria para vencer. Depois, reclamou do novo chassi fornecido pela Dallara na atual temporada, criticou os circuitos, falando que seriam vetados na Europa, falou que está “com o coração sangrando” por não estar na equipe comandada por Frank Williams e disse seria um bom professor para Pastor Maldonado, Bruno Senna e Valtteri Bottas.

Enquanto isso, no Brasil…

O período olímpico não afetou o automobilismo no Brasil. Na realidade, a única pausa das competições aconteceu apenas por causa do Dia dos Pais, comemorado no dia 12. Antes, Copa Fiat, Brasileiro de Marcas, F3 Sul-americana e F-Truck foram à pista. Apenas a Stock Car ficou de fora, já que a categoria está de férias e só volta no dia 26 de agosto, em Salvador.

A Copa Fiat esteve em Curitiba, onde Cacá Bueno conseguiu diminuir a vantagem de Christian Fittipaldi para apenas dois pontos na classificação do campeonato. No entanto, a prova paranaense ficou marcada pelo forte acidente do piloto carioca, que capotou várias e várias vezes. Os torcedores da F-Truck também viram um equipamento ser destruído ao longo da corrida. Na etapa do novo e reformado autódromo de Cascavel, um incêndio tomou conta do caminhão de Adalberto Jardim. O piloto até tentou conter as chamas sozinho, mas o dano foi bastante extenso. A corrida teve vitória de Leandro Totti – a terceira seguida em 2012 – e ainda teve a ‘rica’ Débora Rodrigues no pódio.

Fernando 'Kid' venceu uma das provas da F3 Sul-Americana no Rio de Janeiro (Foto: Bruno Terena/Vicar)

O Brasileiro de Marcas se despediu do autódromo de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, no dia 5 de agosto. A pista agora será demolida para a construção de instalações para os Jogos Olímpicos de 2016, mas teve uma última oportunidade de ver boas corridas. Na primeira, Denis Navarro dominou após largar na ponta. Já a segunda bateria teve Thiago Camilo como destaque. Largando no final do grid, o atual campeão do certame ultrapassou todos os adversários para triunfar debaixo de chuva. Na F3 Sul-americana, que serviu como preliminar do evento, Pedro Nunes (substituindo Nicolas Costa) e Fernando ‘Kid’ Resende foram os vencedores.

Paludo briga por vitória na etapa de Watkins Glen da Nationwide

Miguel Paludo vai competir na Nationwide pela segunda vez na carreira (Foto: CIA Stock Photo/RF1)

Longe do Brasil, mas representando as cores do país, Nelsinho Piquet e Miguel Paludo seguem na disputa da Nascar Truck Series. O ex-piloto de F1 dominou a etapa de Pocono, ao largar na pole-position e liderar as primeiras 30 voltas com ampla vantagem com relação aos adversários. No entanto, uma relargada faltando apenas sete voltas para o fim permitiu que Joey Coulter pulasse do terceiro lugar para a liderança. Enquanto o americano venceu pela primeira vez na categoria, o brasileiro amargou o terceiro posto. Paludo, por sua vez, voltou a competir na Nationwide, em Watkins Glen. O gaúcho terminou em 13º depois de liderar algumas voltas em uma estratégia diferenciada de parada nos boxes. O vencedor foi Carl Edwards.

  Revista WARM UP: criador da Stock revela calote e briga com Galvão e família

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube