Porsche

Neugebauer/Jimenez faz valer pole, domina corrida e vence Porsche Endurance Series em Goiânia

Werner Neugebauer e Sergio Jimenez não deram chance para qualquer adversário em Goiânia. Neste sábado (13), a dupla fez excelente prova, controlaram o ritmo e acertaram na estratégia para vencer a segunda etapa da Porsche Endurance Series. Na classe 3.8, Maurizio/Marco Billi subiu ao degrau mais alto do pódio

Warm Up / NATHALIA DE VIVO, de Goiânia
Werner Neugebauer e Sergio Jimenez teve um final de semana iluminado em Goiânia. Neste sábado (13), fazendo valer a pole-position e fazendo uma corrida livre de problemas, a dupla venceu a segunda etapa da Porsche Endurance Series.
 
As coisas já começaram a se desenhar na classificação da sexta-feira, já que os companheiros fizeram uma volta voadora para conquistar a posição de honra do grid. Com ritmo semelhante, apenas a dupla Lico Kaesemodel e Ricardo Zonta.
 
Na corrida, então, os pilotos do Porsche #8 não deram abertura aos adversários. Mantendo bom ritmo durante toda a disputa e apostando em estratégia certeira, a segunda vitória do campeonato veio sem grandes problemas.
 
Nos giros finais as coisas apertaram no Autódromo de Goiânia. Zonta começou a tirar muito a desvantagem para Jimenez, se aproximando do ponteiro. Entretanto, o esforço não foi suficiente, com Sergio e Werner subindo ao degrau mais alto do pódio.
 
Quem apareceu na segunda colocação foi Zonta/Kaesemodel, com Luca Seripieri/Dennis Dirani, Cacá Bueno/Sylvio de Barros e  Vitor Baptista/Pedro Queirolo completando o pódio da classe 4.0.
 
Na classe 3.8, Maurizio/Marco Billi, dupla de pai e filho, foi quem fez a estratégia certeira para receber a bandeira quadriculada na primeira colocação. Pedro Aguiar/Kreis Jr, William Freire/Chico Horta, Matheus Iorio/Carlos Renaux e Patrick Choate/Brisaco em seguida.
O carro de Neugebauer/Jimenez (Foto: Luca Bassani)
Saiba como foi a corrida da Porsche Endurance Series em Goiânia:
 
Quando os carros alinharam para a prova em Goiânia, o céu tinha poucas nuvens, mas o sol brilhava forte e o calor se fazia presente, como em todo o final de semana. O termômetro indicava 34ºC.
 
Com as luzes apagadas na capital goiana, Neugebauer manteve a ponta, mas Kaesemodel parte para cima do ponteiro. Quem aparecia em terceiro era Dirani, que poucos metros mais para frente superou o #63.
 
Na classe 3.8, Renaux conseguiu manter a primeira colocação, enquanto Chico Horta pulou para a segunda colocação, enquanto Totaro caiu para terceiro. Kreis Jr, Maurizio Billi e Patrick Choate completavam a lista de pilotos na pista.
 
Na parte da frente do pelotão, as coisas estavam movimentadas, mas como pede uma corrida de longa duração, as coisas foram limpas para todos. O primeiro piloto a sofrer uma escapada foi Rodrigo Baptista, que acabou encostando no carro de Rodrigo Mello, sendo jogado para cima e indo para a grama.
 
Nos primeiros postos, Neugebauer conseguia se manter na liderança, seguido por Dirani. Kaesemodel, De Barros, Carbone, Elias, Figueiredo, Valle, Queirolo e Schneider completavam o top-10 da tabela.
 
A briga no pelotão intermediário da classe 4.0 estava bastante animada. No terceiro giro da prova, as posições vinham mudando constantemente, especialmente entre Elias, Figueiredo e De Barros.
 
Após os primeiros giros bastante agitados em Goiânia, a corrida estava estabilizada. Neugebauer estava na primeira colocação, com uma vantagem de 0s670 para Dirani. Kaesemodel, Carbone e Figueiredo completavam o top-5.
 
Na classe 3.8, as posições também se mantinham, com Renaux na liderança da corrida, seguido por Horta, Totaro, Kreis Jr, Maurizio e Choate. Baptista e Mello eram os primeiros abandonos da tarde.
 
No fechamento da sétima volta, Paludo também apresentou problemas em seu carro. Precisando fazer reparos no Porsche #7, Allgaier já aproveitou para substituir o brasileiro.
 
Dennis começou a caçar mais uma vez Werner. Tirando a diferença que tinha para o ponteiro, agra estava apenas 0s286 atrás. Neste ponto, os primeiros pilotos já estavam indo aos boxes para a troca da dupla.

No giro 19, foi a vez de Kaesemodel fazer seu primeiro pit-stop da prova. A ordem era Neugebauer, Dirani, Carbone, Elias e Figueiredo completando os cinco primeiros do pelotão. 
 
Na volta seguinte, era o líder Werner quem ia aos boxes, mas não trocou com Jimenez, permanecendo no comando do carro. Quem assumiu a primeira colocação virtual foi Dirani.
Lico Kaesemodel e Ricardo Zonta (Foto: Luca Bassani)
Na classe 4.0, os oito primeiro colocados ainda não haviam realizado a parada. Enquanto isso, na classe 3.8, Horta, que sustentava a primeira colocação, também não havia realizado o pit-stop.  Pouco depois, foi para os boxes.
 
Com 51 voltas faltantes para a bandeira quadriculada, todos os pilotos do grid já haviam parado nos boxes. Neugebauer, que se manteve no carro, seguia na liderança. Agora comandando o #63, Zonta era o segundo, com Piquet Jr em terceiro. Seripieri e Papis completavam o top-5.
 
As coisas estavam se mantendo as mesmas há algum tempo. Werner, Zonta, Seripieri, Papis, Pedro Piquet, Ricardo Baptista, Cacá Bueno, Vitor Baptista, Teysseyre e Gresse completavam o top-10.
 
Então, Ricardo se aproximou de forma ameaçadora de Neugebauer. O #63 estava apenas 0s340 atrás do ponteiro, começando a atacar o #8, mas via a porta ser constantemente fechada.

Então, o líder da classe 3.8 sofreu um grande revés. Iorio acabou perdendo a roda traseira esquerda durante a corrida, escapando do traçado. Ele logo já foi aos boxes em sua segunda parada. Quem assumiu a ponta foi William Freire, com Guerra e Aguiar em seguida.
 
Depois de 37 voltas, então, Neugebauer mais uma vez foi aos boxes. Com isso, Zonta assumiu a liderança da disputa goiana, com Seripieri, Ricardo Baptista, Cacá e Vitor Baptista vindo logo em seguida. Aos poucos os demais pilotos também foram aos boxes.
 
Jimenez assumiu o #8 e já no primeiro lance na corrida passou de passagem em cima de Kaesemodel. Com isso, assumiu a décima posição, com todos os pilotos na frente da dupla ainda com só uma parada na conta.
 
Com apenas 28 giros faltantes para o encerramento da disputa, a corrida seguia sem grandes problemas e incidentes. Vitor Baptista era quem puxava o pelotão, mas com apenas uma parada. O líder virtual era Jimenez, com Seripieri e Kaesemodel em seguida.
 
Na classe 3.8, Horta era o primeiro colocado, com Totaro, Maurizio Billi, Brisac e Renaux completando os pilotos da classe.
 
Então, com 51 giros completados, Paulo Totaro e Chico Horta acabaram se envolvendo em um leve incidente. Quando o #45 tentou superar o #77, os dois acabaram rodando e saindo do traçado. Mas logo voltaram para a disputa.
 
A corrida começava a se aproximar de sua fase final. Quem estava puxando a fila no traçado era Dirani, com Queriolo, Ricardo Baptista, Papis e Carbone fechando a lista dos cinco primeiros colocados.
 
Enquanto isso, alguns dos pilotos já estavam nos boxes para a terceira parada obrigatória da disputa. Com 21 voltas para o fim, Jimneez, Kaesemodel, Ambrósio e De Barros eram exemplos de quem estava parado.
 
Na reta final, Zonta começava a tirar de forma gradual a desvantagem que sustentava para Jimenez. Com cinco voltas para o fim, tirou 1s e agora estava 3s403 atrás. Nelsinho, Seripieri e Cacá Bueno vinham completando o top-5.
 
Na classe 3.8, Maurizio Billi apostou em estratégia certeira com Marco para assumir a liderança do pelotão. Pedrinho Aguiar, Freire, Iorio e Choate fechavam os cinco melhores colocados.
 
Dois giros mais tarde, a diferença para o #8 e o #63 era de 2s075. Ricardo vinha em um ritmo alucinante na pista para ir limando de forma eficaz a diferença para Sergio. Nos boxes, Werner e Lico estavam apreensivos.
 
Com duas voltas para o final, Jimenez reagiu e começou a girar mais forte, não dando descanso para o adversário. O adversário da Academia Shell ficou preso nos 2s de desvantagem. Com isso, a vitória ficou nas mãos de Neugebauer/Jimenez, com Kaesemodel/Zonta, Seripieri/Dirani, Bueno/De Barros e Vitor Baptista/Queirolo completando o pódio.