Porsche

Paludo ressalta importância da participação de Allgaier e Papis na Endurance Series: “Agregam muito”

Miguel Paludo tem dividido a pista com velhos conhecidos neste final de semana na Porsche Endurance Series. Max Papis e Justin Allgaier vieram ao Brasil para a etapa de Goiânia, reencontrando o brasileiro, com quem já dividiram as pistas na Nascar
Warm Up / NATHALIA DE VIVO, de Goiânia
O grid da segunda etapa da Porsche Endurance Series está recheado de grandes nomes. Além dos já tradicionais da categoria, Justin Allgaier e Max Papis juntaram-se aos pilotos em Goiânia para elevar ainda mais o nível, e Miguel Paludo não poderia estar mais satisfeito.
 
Os três citados têm algo em comum além de acelerarem muito: correm ou correram na Nascar. Enquanto o brasileiro disputou as temporadas entre 2011 e 2013 na Truck Series, o italiano fez parte do grid em 2011, além de ter corrido algumas disputas em 2008, 2009, 2010 e 2013. Já o americano está desde 2009 na Xfinity Series – onde é o atual vice-líder.
 
Paludo chamou Allgaier para ser seu par na Endurance Series pelo terceiro ano consecutivo. A reedição da parceria, é claro, foi muito comemorada. “Nosso terceiro ano, o Justin é um grande companheiro de equipe. Como disse nos anos anteriores, ele sai da zona de conforto”, apontou ao GRANDE PRÊMIO.
 
“Ele guia um carro totalmente diferente na Nascar e vem andar aqui. Tem feito um excelente trabalho nos últimos anos, temos conquistado campeonatos. Então vamos de novo em busca de mais um”, completou.
Miguel Paludo (Foto: Reprodução)
Miguel também celebrou o fato de Papis se juntar a categoria brasileira, afirmando que “é muito legal ter o Max aqui no Brasil. Lembro-me, em 1997, indo para a Indy no Rio [de Janeiro], na corrida inaugural, e o Max estava correndo lá. Tirei uma foto com ele. Depois dividimos as pistas na Nascar, na Truck Series”, relembrou.
 
“É bem legal de ter ele aqui, é um cara que eu admiro muito como piloto e como pessoa, é um mega prazer ter ele aqui. A diversificação de pilotos com diferentes experiências agregam muito a categoria, pois o carro tem um acerto com uma receita. Então os pilotos que estiveram em outras categorias chegam aqui e dividem a mesma receita.”
 
“Isso mostra que são pequenos ajustes que podem ser feitos e quem conseguir acertar melhor tudo isso consegue ter o melhor resultado. É bem legal”, completou.
 
Por fim, o piloto fez sua previsão para a corrida. Com o forte calor que tem feito em Goiânia, é preciso se cuidar. “Goiânia tem sido sempre assim, muito quente. Eu perdi minha voz por conta do calor, passei mal e tudo mais”, revelou.
 
“Então, na corrida é ficar hidratado para fazer uma boa prova e cuidar dos pneus. Acredito que isso vai ser essencial, pois uma vez que o pneu passa da temperatura a aderência vai embora, e torcer para que o melhor aconteça”, encerrou.