Após acidente e ida ao hospital, Villas-Boas anuncia fim da aventura no Rali Dakar 2018: “Melhor sorte na próxima”

O treinador português de futebol André Villas-Boas abandonou o Rali Dakar em 2018 após um acidente na etapa da última terça-feira. Villas-Boas fazia uma boa estreia na competição, mas acabou tendo uma queda de frente após levantar numa duna. Ele indicou que volta

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Ainda na primeira semana, um acidente forçou André Villas-Boas a declarar como encerrada a sua participação no Rali Dakar 2018. O técnico de futebol bateu numa duna durante a etapa interna de San Juan de Marcona e viu seu 4×4 da Toyota cair de bico no solo e precisou ir ao hospital com fortes dores nas costas.

 
Antes do abandono, Villas-Boas fazia uma ótima estreia no Dakar e ocupava uma colocação dentro do top-50 – chegou a ser 39º. Algumas horas depois do incidente, o treinador foi às suas contas nas redes sociais para assegurar que ele e o copiloto Rúben Faria estavam bem de saúde. A aventura, no entanto, terminou.
 
"Só para dizer a todos que eu e o Rúben Faria estamos bem e de regresso ao acampamento em Bivouac. Nós saltamos uma duna e a parte da frente do carro bateu. Infelizmente o Dakar terminou para nós. Melhor sorte na próxima vez. Obrigado a todos pelas vossas mensagens de apoio", escreveu.
 
Villas-Boas havia descrito a participação no Dakar como "um sonho de menino" e disse que sempre foi grande apaixonado pela velocidade – embora, reitere, que o futebol ainda é o seu negócio.
André Villas-Boas (Foto: Eric Vargiolu/DPPI)

Após cinco dias de Rali Dakar, quem lidera entre os carros é Stéphane Peterhansel – e, após os acidentes de Cyril Despres, Sébastien Loeb e Nasser Al-Attiyah, com uma ampla vantagem.

 
Aos 40 anos de idade, o treinador já é um nome de certo peso no futebol internacional. Ele começou a carreira com a Académica de Coimbra em 2009 e no ano seguinte foi para o gigante português do Porto. Lá, foi campeão português e da Copa de Portugal, além da Liga Europa – segundo maior torneio interclubes do continente. De lá, pulou para o Chelsea, da Inglaterra, onde começou a temporada 2011/12. Foi demitido na metade, mas o time que arquitetou acabou vencendo a Liga dos Campeões. Ainda passou pelo Tottenham, da Inglaterra, pelo Zenit, da Rússia, e, mais recentemente, pelo Shanghai SIPG, da China.

Embora Villas-Boas fale em próxima vez, é difícil imaginar como ele fará para se desvincular do mundo do futebol no mês de janeiro para disputar outro Rali Dakar no futuro. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube