Rali

Dakar admite imprecisão na planilha, mas descarta devolver tempo a Loeb: “Vale para todos”

Responsável pelas planilhas do Rali Dakar, Xavi Colomé reagiu as criticas de Daniel Elena e Sébastian Loeb e reconheceu uma imprecisão nos dados do terceiro dia de prova. Ainda assim, a organização não vai devolver o tempo perdido pelo multicampeão do WRC
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
Responsável pelas planilhas do Rali Dakar, Xavi Colomé admitiu o que chamou de “imprecisão” no ‘roadbook’ da terceira etapa da 2019. A peça de navegação foi duramente criticada por Daniel Elena, navegador de Sébastien Loeb, que afirmou que só segue na prova por sua amizade com o piloto multicampeão do WRC.
 
Por terem vencido a segunda especial, Loeb e Elena foram os responsáveis por abrir o caminho para os carros rumo a Arequipa. Nos primeiros quilômetros, o eneacampeão do WRC conseguiu acompanhar o ritmo dos ponteiros, mas acabou perdendo muito tempo na sequência da especial e fechou o dia apenas em 11º, 42min55s atrás de Stéphane Peterhansel, o vencedor do estágio.
Dakar admitiu falha em planilha (Foto: @World/ASO/Charly Lopez)
O tempo perdido, porém, se deu por conta da “imprecisão” da planilha, já que a dupla teve de ficar procurando um waypoint. Claramente irritado, Elena não mediu palavras em suas criticas a organização da prova.
 
“Nós saímos para uma nova etapa sem motivação nenhuma. Que todos saibam que se eu estou no carro esta manhã, é por Seb e por nossa amizade, por nossos patrocinadores, pela equipe e por vocês, os fãs”, desabafou Elena. “Quando eu cometo um erro, eu reconheço. Estou enormemente decepcionado por ver que as pessoas que gerem um evento com o renome do Dakar são incapazes”, continuou.
 
“Eu talvez seja um novato nos raids, mas e meus colegas especialistas que viram esse erro na planilha?”, questionou. “Que saibam, senhores organizadores, que a minha cabeça já não está aqui, mas em Monte Carlo e nos meus próximos meses de janeiro que eu não passarei aqui, mas na África Eco Race, porque, sim, a sua modalidade é muito bonita”, ironizou.
 
Ao braço espanhol do site ‘Motorsport.com’, Colomé reconheceu a falha na planilha, mas minimizou as perdas de Loeb e Elena.
 
“Nós recebemos criticas em relação a planilha, especialmente da terceira etapa, onde Loeb-Elena e outros participantes se perderam”, disse Colomé. “Neste ponto específico, é verdade que existiu uma imprecisão na planilha. Concretamente no km 177, aparece uma torre de energia que é muito evidente e é uma referência muito boa, que muitos pilotos usam para marcar a quilometragem e seguir adiante. Esta torre de energia não teria que estar neste ponto, mas no anterior, que é o km 175,01”, admitiu.
 
“Foi isso que causou a confusão e que fossem mal de quilometragem estes pilotos que utilizaram a referência para seguir o caminho. No que diz respeito as distâncias entre pontos de controle (WP) e o trajeto, os caminhos, está correto. O que confunde é a posição desta torre de energia”, ressaltou. 
 
Mesmo com a falha na planilha, os comissários decidiram não devolver o tempo perdido por Loeb/Elena, já que entendem que todos os pilotos foram afetados pela mesma falha.
 
“Os comissários esportivos analisaram e consideraram que essa imprecisão vale tanto para eles quanto para todos os pilotos, então os tempos não serão devolvidos. E, repito, os que usaram a torre como referência se perderam e os que não a utilizaram, seguiram o caminho sem problemas”, frisou. “É normal, são pessoas que disputam o Dakar, que se arriscam muito e, naturalmente, ninguém gosta de perder 15, 30 ou até dois minutos”, minimizou.
 
Loeb, por sua vez, apoiou as criticas de Elena e chegou a sugerir que um trecho que 4 km da especial fosse anulado. Assim, seguindo Sébastien, nenhum piloto seria prejudicado.