Em dia de abandono de Loeb, Peterhansel mantém Peugeot na ponta do Dakar e vence no adeus ao Atacama

O Rali Dakar está apenas no seu quinto dia, mas Stéphane Peterhansel começa a dar toda a pinta de que tem totais condições de chegar à inacreditável marca de 14 títulos. O ‘Monsieur Dakar’ aproveitou o abandono de Sébastien Loeb e Daniel Elena para disparar na ponta. Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin venceram a etapa nos SxS e assumiram a liderança do Dakar

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

5ª ETAPA | 10 de janeiro

San Juan de Marcona (PER) – Arequipa (PER)
Trecho cronometrado: 267 km
Percurso total: 932 km
 
A caravana da 40ª edição do Rali Dakar chegou apenas ao fim do seu quinto dia de provas nesta quarta-feira (10), quando a disputa chegou à sua última parada no Peru, em Arequipa, na despedida do Deserto do Atacama. Mas mesmo com tanto chão a percorrer até o próximo dia 20, já dá para cravar que apenas um grande problema vai ser capaz de tirar o 14º título do maior rali do mundo das mãos de Stéphane Peterhansel. 
 
Ao lado do inseparável navegador Jean-Paul Cottret, o ‘Monsieur Dakar’ venceu a quinta etapa da prova e ainda aproveitou o revés do seu maior adversário na luta pelo título. Sébastien Loeb sofreu um acidente, ficou atolado por quase três horas na areia e teve de abandonar em razão de lesões com seu navegador, Daniel Elena. Um duro revés também para a Peugeot, que sonhava em ver Loeb lutando pelo título até o fim do Dakar na despedida da marca da competição neste ano.
Sébastien Loeb e Daniel Elena deixaram o Dakar nesta quarta-feira (Foto: Dakar/Twiter)
Peterhansel e Cottret concluíram os 267 km da especial em 2h51min19s. Apesar da vitória de Peterhansel e da Peugeot, não é exagero dizer que a grande marca do dia entre os carros no Dakar foi a Toyota, que encaixou três Hilux no top-5 na chegada a Arequipa. O holandês Bernhard Ten Brinque fechou a especial na segunda posição e ficou apenas 4min52s atrás do tempo de Peterhansel.
 
Em terceiro, terminou o sul-africano Giniel de Villiers, campeão do Dakar em 2009 pela Volkswagen. O piloto da Toyota bateu outros dois campeões do Dakar e sempre favoritos ao título: Carlos Sainz, da Peugeot, foi o quarto colocado, enquanto Nasser Al-Attiyah completou a lista dos cinco primeiros.
 
Só então apareceu o primeiro Mini da equipe X-Raid, que vem sendo a grande decepção do Rali Dakar. Coube ao argentino Orlando Terranova ser o mais rápido da equipe alemã. O veterano foi o sexto em Arequipa, à frente do Peugeot privado do Sheikh Khalid Al Qassimi, dos Emirados Árabes Unidos. 
 
Patrick Sireyjol, francês que corre com um Buggy, foi o oitavo da especial, e só então fechou o último dentre os Peugeot, de Cyril Despres, que vai se recuperando aos poucos dos problemas sofridos na última terça-feira. Coube ao polonês Jakub ‘Kuba’ Przygonski, com outro Mini, fechar a relação dos dez primeiros colocados da especial dos carros nesta quarta-feira.
Stéphane Peterhansel está a mais de 30 minutos à frente de Carlos Sainz (Foto: Dakar/Twitter)
Além de Loeb, outro ex-piloto do WRC enfrentou problemas rumo a Arequipa. Mikko Hirvonen, que vinha em 12º com o Mini e tinha sido o quarto mais rápido da especial de terça-feira em San Juan de Marcona, perdeu muito tempo no segundo waypoint e ficou distante dos líderes na classificação geral.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Com os resultados desta quarta-feira nos carros, Peterhansel abriu um ‘caminhão’ de vantagem para o segundo colocado, que agora é Carlos Sainz, seu companheiro de equipe na Peugeot. Ten Brinke subiu para terceiro, mas está uma enormidade atrás do sempre regular e constante ‘Monsieur Dakar’: nada menos que 1h15min16s.


Varela e Gugelmin assumem liderança do Dakar nos SxS
 
O Brasil tem totais condições para ver novamente uma dupla no topo do ódio do Rali Dakar na categoria UTV. Rebatizada de SxS para a 40ª edição do maior rali do mundo, a modalidade, que viu o triunfo de Leandro Torres e Lourival Roldan em 2017, agora tem grandes chances de ter Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin no topo do pódio. A dupla assumiu a liderança da competição nesta quinta etapa após vencer ela segunda vez uma etapa no rali, desta vez entre San Juan de Marcona e Arequipa, ainda em solo peruano, ao percorrer o trecho cronometrado em 3h25min48s.
 
Dentre os dois conjuntos que rivalizam diretamente com Varela e Gugelmin, o peruano Juan Carlos Uribe Ramos, que acelera um Can-Am, assim como a dupla brasileira, conseguiu fazer uma boa especial ao lado do navegador Javier Uribe Godoy. A tripulação do UTV #359 ficou 13min43s atrás do tempo dos brasileiros. Jose Luis Pena Campos e Rafael Tornabell, espanhóis que aceleram com um UTV Polaris, terminaram em terceiro.
Varela e Gugelmin venceram as dunas do Atacama e triunfaram nesta quarta-feira (Foto: José Mário Dias/photosdakar.com)
O revés do dia ficou por conta de Patrice Garrouste. O francês, que corre pela equipe de fábrica da Polaris, a Xtremeplus, e é tripulado pelo suíço Steven Griener, começou o dia como líder dos SxS, mas enfrentou problemas logo no início da prova e ficou para trás, perdendo muito tempo e, consequentemente, a liderança da prova, que acabou ficando com a dupla brasileira. 
Nikolaev leva susto, mas vence etapa e mantém liderança nos ‘brutos’
 
Eduard Nikolaev deu mais um passo rumo ao tricampeonato do Rali Dakar como piloto. O russo de 33 anos, que já foi campeão do maior rali do mundo em 2010 como um dos navegadores do ‘Czar do Dakar’ Vladimir Chagin, teve uma jornada um tanto complicada nesta quarta-feira (10), a caminho de Arequipa e chegou a sofrer um pequeno acidente em meio às dunas do Atacama, ocasionando óbvia perda de tempo. Mas não o bastante a ponto de fazê-lo perder a vitória na especial.
 
Ao lado dos também russos Evgeny Yakovlev e Vladimir Rybakov, Nikolaev completou o percurso cronometrado em 3h37min12s com o caminhão da Kamaz, liderando o ‘império russo’ no Dakar. 
Nikolaev sustenta com autoridade a liderança do Dakar nos caminhões (Foto: Dakar/Twitter)
A tripulação do ‘bruto’ #500 foi 6min23s mais rápida que o trio de Belarus comandado por Siarhei Viazovich, que pilota um caminhão da MAS. Ao lado de Pavel Haranin e Andrei Zhyhulin, o piloto completou o trecho à frente do Iveco da equipe chefiada por Gerard de Rooy. Grande ausente da prova nos caminhões, o holandês deixou os trabalhos no Rali Dakar ao volante para o sucessor, também holandês Ton Van Genugten, que corre ao lado de Bernard Der Kinderen e do belga Peter Wilemsem. 
 
Em quarto lugar ficou outro caminhão da Kamaz, guiado por Dmitry Sotnikov e tripulado também por Ruslan Akhmadeev e Ilnur Mustafin. E em quinto chegou o primeiro conjunto sul-americano, formado por Federico ‘Coyote’ Villagra, Ricardo Adrián Torlaschi e Adrián Yacopini.
 
No acumulado, Nikolaev ostenta uma liderança tranquila de 58min05s de vantagem para Vilagra, enquanto Viazovich aparece em terceiro, mas distante 2h28min46s. Teruhito Sugawara, japonês que compete com um caminhão Hino ao lado do compatriota Mitsugu Takahashi, não fez uma boa especial, completou a disputa em 4h29min46s e agora ocupa a quarta colocação geral, 3h49min atrás de Nikolaev, que tem o companheiro de equipe Sotnikov fechando o top-5 dos caminhões.
 
Agora os pilotos deixam as dunas do Atacama e encaram outro desafio tão duro quanto: a altitude extremamente elevada da Bolívia rumo à capital, La Paz, para uma especial de 313 km e trecho total de 758 km.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube