Rali

Kevin Benavides é flagrado com ‘cola’ da planilha, punido com 3h e despenca na classificação do Dakar

Kevin Benavides foi flagrado pela organização do Rali Dakar com anotações extras de navegação. Por conta da infração ao regulamento, o argentino da Honda foi punido com o acréscimo de 3h ao seu tempo de prova e, assim, despencou para a 14ª colocação na disputa entre as motos
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
A edição 2019 do Rali Dakar vai de mal a pior para a Honda. Depois de perder Joan Barreda e Paulo Gonçalves, a montadora da asa dourada viu o motor de Ricky Brabec quebrar enquanto o norte-americano liderava a disputa entre as motos, mas a má fase não parou por aí. Desta vez, o revés veio com Kevin Benavides.
 
O #47 foi flagrado pela organização da prova ‘colando’ e acabou punido com o acréscimo de 3h ao seu tempo de prova. Na oitava especial, disputada na terça-feira (15) entre San Juan de Marcona e Pisco, o Dakar anunciou que o argentino foi pego com anotações extras para ajudá-lo na navegação, um recurso proibido pelo regulamento.
 
A partir da terceira etapa do Dakar deste ano, a ASO passou a proibir esse tipo de anotações, uma tentativa de limitar os benefícios conseguidos pelas equipes maiores com o uso dos chamados ‘map-men’, especialistas que estudam as planilhas com base em mapas e oferecem indicações extras aos pilotos para facilitar a navegação.
Kevin Benavides foi punido por 'cola' (Foto: Antonin Vincent/DPPI)
Depois de uma primeira proibição, a organização ampliou os efeitos da medida, proibindo anotações “nas máquinas ou em qualquer outra parte do corpo ou da roupa do piloto ou em qualquer outro suporte”. E foi justamente neste complemento que Kevin foi pego.
 
Para garantir a aplicação do regulamento, a organização tem recolhido as planilhas e revisado, de maneira aleatória, os equipamentos dos pilotos. Benavides conseguiu largar sem problemas, mas durante o trajeto passou a utilizar anotações colocadas no tanque de combustível da Honda.
 
“Constatamos ― inclusive com fotos ― que Kevin Benavides contava com notas adicionais no tanque, que escondeu na saída da especial, mas que, depois, utilizou durante a corrida. Consideramos que esta atitude consiste em uma evidente conduta antidesportiva. Conforme o que foi anunciado no início do rali, esta infração corresponde a uma sanção de três horas”, anunciou a direção de prova.
 
O regulamento do Dakar prevê a pena de 3h para a primeira infração. Caso a situação se repita, o competidor será desclassificado.
 
Ao braço espanhol do site ‘Motorsport.com’, Benavides admitiu que fez uso das anotações “vários dias”, mas disse que tinha sido informado pela Honda que suas ações não contrariavam o regulamento.
 
“Me puniram por levar anotações na moto, mas elas são permitidas. A Honda me disse que podia fazer isso, não na planilha. Nós levamos isso vários dias, algumas anotações chave da rota, para evitar riscos, porque nós arriscamos a vida”, declarou Kevin. “Ontem, um piloto, em uma neutralização, fotografou as anotações na minha moto com o telefone. Sua equipe apresentou uma reclamação e ontem o comissário nos disse que não havia problema, mas colocaram um novo aditivo na moto ou na indumentária, como alguns outros pilotos também levam. Hoje nos deram 3h de penalização por algo que não é justo, já que hoje não levamos nada. A equipe está lutando para defender isso”, explicou.
 
Por conta da punição, Kevin despencou da oitava para a 14ª colocação e agora tem 3h21min41s de atraso para Toby Price, o líder da disputa. 
 
Sam Sunderland também foi punido na terça-feira, mas por uma infração diferente. O britânico recebeu a pena de 1h por ter alterado o iRitrack, o sistema de rastreio, atrasando sua largada e deixando que Jose Ignacio Cornejo abrisse a especial. Assim, o piloto da KTM caiu para o nono posto na tabela, 1h06min38s atrás de Price.