Ogier dá troco em Meeke e Latvala, assume liderança na Austrália e fica a um passo do tricampeonato do WRC

Depois de uma sexta-feira protagonizada por Kris Meeke e Jari-Matti Latvala, o norte-irlandês liderou boa parte do sábado, mas perdeu a ponta no fim do dia, já na especial noturna, para Sébastien Ogier, que está a apenas um dia de conquistar o consagrador tricampeonato mundial

Um dia para o tricampeonato. Depois de dominar praticamente toda a temporada do Mundial de Rali, Sébastien Ogier tem menos de 24 horas de espera para confirmar o favoritismo no Rali da Austrália e entrar para a galeria dos grandes da história do WRC. Neste sábado (12), em Nova Gales do Sul, o francês deu mais uma amostra da sua superioridade — e também do ótimo conjunto Polo R WRC — para superar não apenas seu companheiro de equipe, Jari-Matti Latvala, mas também o bom norte-irlandês Kris Meeke, que vem fazendo belo rali com seu Citroën DS3 neste fim de semana.
 
Mas a estrela de Ogier parece brilhar mais uma vez para leva-lo novamente ao Olimpo do esporte.
 
Meeke cumpriu uma ótima manhã na Austrália ao levar a melhor na especial de Nambucca, a mais longa de toda a prova, com mais de 50 km de extensão. O piloto da Citroën arriscou tudo ao usar pneus macios nas quatro rodas e conseguiu garantir uma boa frente em relação a Latvala, assumindo a liderança geral do Rali da Austrália ao ser 4s6 mais rápido que o piloto finlandês.
 
Ogier e Andreas Mikkelsen, o terceiro piloto da Volkswagen, também apertaram o ritmo diante de uma jornada sem brilho de Latvala e conseguiram se aproximar do companheiro de equipe. A diferença entre Meeke, o líder, para Mikkelsen, o quarto, era de apenas 5s2. Hayden Paddon, da Hyundai, ganhou uma importante posição de Ott Tanak, da M-Sport, para assumir o quinto lugar geral da prova.
Sébastien Ogier assumiu a ponta na Austrália e está com a mão no tricampeonato (Foto: Volkswagen Motorsport)
Contudo, no período da tarde e, principalmente, na etapa noturna, o jogo virou em favor de Ogier.
 
Paddon manteve o bom rendimento com a Hyundai e venceu as duas primeiras especiais da tarde. Mas Ogier deu o troco e deu sequência ao seu desempenho constante para triunfar no 11º estágio do Rali da Austrália.
 
Restava, então, a especial noturna, em Valla. A realização da etapa foi alvo de críticas de vários pilotos pela falta de segurança gerada pela baixa visibilidade. Desta forma, a organização manteve a realização do estágio, mas deu um intervalo de cinco minutos entre os carros para que os competidores não fossem prejudicados pela poeira.
 
Entretanto, nem tal medida foi suficiente para melhorar as condições de visibilidade, e isso, obviamente, prejudicou o desempenho de muitos conjuntos. O que gerou palavras duras dos pilotos da Hyundai: Thierry Neuville disparou contra a organização ao dizer que uma especial com tais condições era “perigosa e estúpida”.
 
Mas Ogier não tomou conhecimento de tal questão e voou com seu Polo R para liderar sua segunda especial no dia, sendo 0s7 mais rápido que Latvala e 2s além de Neuville, o terceiro colocado. Meeke foi o quarto e ficou a 2s7 de Ogier, sacramentando assim a perda da liderança da prova para o francês da Volkswagen.
 
No acumulado geral, Ogier lidera com 0s3 de vantagem para Meeke. Latvala ainda sustenta um bom terceiro lugar, mas insuficiente para adiar a decisão do título, uma vez que o finlandês precisa abrir ao menos dez pontos para seu companheiro de equipe no fim de semana. Mikkelsen manteve o quarto lugar em Nova Gales do Sul, enquanto Paddon permanece em quinto lugar.
 
Tanak segue em sexto, à frente de Neuville. Dani Sordo, sensação das primeiras três especiais da prova, continua em oitavo, seguido por Elfyn Evans. Nasser Al-Attiyah, líder do WRC2, fecha o rol dos dez primeiros colocados na classificação geral.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube