Vice em 2015, Gonçalves cai e morre durante especial do Dakar

Vice-campeão do Dakar nas motos em 2015, Paulo Gonçalves, de 40 anos, sofreu uma parada cardíaca após acidente durante a especial disputada neste domingo (12). Português foi socorrido e levado ao hospital depois de ter sofrido a queda, mas não resistiu

O motociclista português Paulo Gonçalves, de 40 anos, morreu durante a especial deste domingo (12) do Dakar 2020. O piloto sofreu uma queda no km 276 do trecho entre Riad e Wadi Al Dawasir. Depois do acidente, Paulo ainda teve uma parada cardíaca. Após anos correndo pela Honda, o luso disputava o maior rali do mundo deste ano representando a marca indiana Hero.
 
Gonçalves ocupava a moto #8 e era o 46º na classificação geral. Os organizadores do Dakar foram alertados do incidente às 10h08 no horário local. Um helicóptero chegou oito minutos depois e encontrou o português inconsciente. Ele foi levado ao Hospital Layla, onde foi declarado morto, tornando-se a 29ª vítima fatal na história do Dakar, a primeira desde o polonês Michal Hernik, em 2015.
Paulo Gonçalves (Foto: Honda)
Com 40 anos de idade, Paulo Gonçalves participava do Dakar pela 13ª vez. Sua estreia foi em 2006. O luso terminou no top-10 na classificação final em quatro oportunidades, incluindo o vice-campeonato em 2015, perdendo para Marc Coma, e a liderança em 2016 até a chegada do dia de descanso. Contudo, abandonou no 11º estágio.

Além de competir no Dakar, Gonçalves era muito conhecido por suas campanhas em ralis cross-country, com direito ao título mundial da FIM em 2013. Em 2014, conquistou o título do Rali dos Sertões, a principal prova off-road do Brasil.

Em entrevista ao site do Dakar antes do início da fatídica competição, o piloto falou sobre o desafio de competir na Arábia Saudita e a troca da Honda pela Hero. Gonçalves era um dos poucos pilotos que teve a oportunidade de correr nas três eras do rali mais famoso do mundo: África, América do Sul e Oriente Médio.

"É um grande desafio para todos e um novo capítulo para mim. Depois de cinco grandes temporadas com a Honda, venci várias corridas e conquistei o título mundial. Fui segundo no Dakar em alguns estágios, agora fui para a Hero e estou animado pelo desafio. De vez em quando, você precisa fazer mudanças", disse o piloto.

Compatriota de Gonçalves, o piloto Bernardo Vilar deu um depoimento emocionado em entrevista à emissora lusa RTP nesta manhã. “O Dakar é a prova mais perigosa do mundo. Este ano é a prova disso mesmo. Paulo Gonçalves fica para a história. Esteve perto de ganhar o Dakar várias vezes”, comentou.
 
“O Paulo era muito forte, muito forte. Todo mundo o conhecia por isso. Ele começou no motocross, que é uma modalidade muito exigente, e há muitos anos era um piloto profissional. Ou seja, há muitos anos que não fazia nada na vida a não ser se preparar para correr. O Paulo estava extremamente bem preparado. Era um dos pilotos mais fortes da competição”, disse Vilar.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube