De ‘Monsieur Dakar’ a Sainz ‘Sênior’: as lendas que disputaram o Sertões

Alguns dos nomes mais conhecidos do rali mundial vieram ao Brasil para disputar o Sertões ao longo das últimas três décadas. O GRANDE PRÊMIO destaca a coleção de lendas

A edição 2020 do Sertões parte para o prólogo no próximo dia 30 de outubro e dá a sequência a uma história importante de uma das maiores competições off-road de todo o mundo. Com um imenso histórico nas costas e o prestígio que arrecadou ao longo das últimas três décadas, o Sertões já trouxe vários dos maiores nomes do rali internacional nas últimas gerações. Inclusive algumas lendas.

Gente dos mais altos calibres passaram pelos quadros do maior rali brasileiro. Alguns voltaram para seus países com a comemoração do prêmio maior, mas nem todos vieram ao Brasil para sair com o troféu.

ESPECIAL: Sertões: do coração do Brasil para o topo do mundo
Os amadores famosos que estarão no Sertões 2020

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:
Anchor | Apple | Spotify | Google | Pocket Cast | Radio Public | Breaker

O catari Nasser Al-Attiyah pode até ser um dos maiores pilotos de rali do mundo e vencedor do Dakar em três oportunidades, mas quando veio guiar seu carro no Sertões em 2009, não levou. Ficou com a segunda colocação. Veterano do Dakar nas motos e carros e campeão mundial de rali cross-country, o polonês Kuba Przygonski foi outro que veio ao país para tentar a glória e não conseguiu. Em 2010, terminou somente em terceiro nas motos.

O vencedor deste 2010 foi outra das figurinhas douradas do Rali dos Sertões: o espanhol Marc Coma. Pentacampeão do Dakar – e navegador premium de Fernando Alonso na edição 2020. Coma venceu em 2010 e depois voltou para um novo título em 2014.

Ainda nas motos, outro ás das motos no off-road conseguiu se consagrar como bicampeão do Sertões: Cyril Despres. O francês pentacampeão do Dakar celebrou a conquista nas temporadas 2006 e 2013.

E não para por aí. O primeiro entre as estrelas internacionais a conquistar o sertão foi o austríaco Heinz Kinigadner, em 1998. Kinigadner jamais conseguiu completar o Dakar com sua moto, mas venceu diversos estágios ao longos dos anos 1990. O português Paulo Gonçalves, outra figura experiente e vice-campeão do Dakar, foi o campeão do Sertões na temporada 2013. Infelizmente, Gonçalves morreu após acidente no Dakar de 2020.

SERTÕES; SERTÕES 2019;
O Sertões 2020 está chegando (Foto: Ricardo Leizer)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Pulando das motos de volta para os carros, o sul-africano Giniel de Villiers conseguiu vencer a competição na temporada 2008. E era um momento especial na carreira de De Villiers, que apenas alguns meses depois foi ao Dakar vencer pela primeira e única vez até hoje.

Na edição posterior a De Villiers, Carlos Sainz foi quem chegou às terras brasileiras para ganhar o Sertões. Bicampeão mundial do WRC, Sainz emulou o sul-africano e também saiu dos Sertões para vencer o Dakar meses depois, na temporada 2010. Foi o segundo das quatro vitórias que têm na tradicional competição.

Quem também foi muito feliz no Sertões foi Stéphane Peterhansel. O ‘Mounsieur Dakar’, dono de 13 conquistas naquela competição entre carros e motos, venceu o rali brasileiro nos carros nas temporadas 2012 e 2013. Domínio como outros que Peterhansel, uma das maiores lendas do esporte, emplacou na carreira.

Ainda tem mais um nome: Rafal Sonik. Um dos maiores pilotos de quadriciclos do mundo, pentacampeão mundial FIM e vencedor do Dakar, o polonês esteve no Sertões para sair vencedor da temporada 2010.

Não é à toa que o Rali dos Sertões atraia tanta gente do mais alto calibre do rali mundial – além, evidentemente, dos maiores pilotos do Brasil. É o resultado de uma longa e frutífera história.

Siga o GRANDE PRÊMIO nas redes sociais:
YouTube | Facebook | Twitter Instagram | Pinterest | Twitch | DailyMotion

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube